Momentos Literários

Tereza Malcher

Tereza Cristina Malcher Campitelli

Momentos Literários

Tereza Malcher é mestre em educação pela PUC-Rio, escritora de livros infantojuvenis, presidente da Academia Friburguense de Letras e ganhadora, em 2014, do Prêmio OFF Flip de Literatura.

03/12/2018

Eis que chegamos ao final do ano de 2018, época das festas natalinas e da premiação do nosso Concurso Literário. Para início de conversa, é uma alegria e uma honra realizá-lo porque dele participam pessoas, maiores de dezesseis anos, de todo o Brasil; das capitais, das cidades pequenas e dos vilarejos, sejam costeiros ou interioranos. Para nós não há distinção entre os participantes, o que os fazem diferentes aos nossos olhos são as suas inéditas ideias e modo como as transcrevem para o papel. Os temas não são fáceis, reconheço.

Leia mais
26/11/2018

Posso dizer que o lançamento de um livro é um ato heroico, uma vez que, durante um bom tempo, a vida do autor esteve envolvida com um processo criativo de escrita, muitas vezes sofrido, trabalhoso e exaustivo. O livro, quando nasce, tem data e hora; é o dia do lançamento. Quero dizer, é o momento em que chega inteiro no mundo; com corpo vivo, mente ativa e alma sensível. Há algumas diferenças com o do nascimento da pessoa humana, pois ganha identidade – a ficha catalográfica - antes desta data, em que contém os registros da obra, inclusive a inscrição na Biblioteca Nacional.

Leia mais
19/11/2018

Zum-zum-zum das montanhas: histórias de Nova Friburgo é um livro de contos direcionado para crianças e jovens. Porém pode ser lido por pessoas de todas as idades que possuem vínculos com a cidade ou queiram conhecer seus primórdios um pouco melhor.

Leia mais
12/11/2018

Sra. Presidente da Academia Niteroiense de Letras, Márcia Maria de
Jesus Pessanha.
Sr. Presidente da FALERJ, Sr. Waldenir de Bragança
Srs. Presidentes e Acadêmicos das Academias de Letras do Estado do
Rio de Janeiro

Leia mais
05/11/2018

As reticências é um sinal de pontuação que indica a interrupção de uma frase. Pode também apontar para uma pausa ou uma omissão. São três pontos entre dois espaços, que suscitam algumas questões interessantes. A primeira é a sua interferência no texto. Depois de pensar e pesquisar um pouco a respeito, observei que seu emprego está relacionado com as percepções e emoções do escritor. Usá-las ou não usá-las... eis a questão.

Leia mais
29/10/2018

O dicionário é o amigo que compila palavras, sabe das suas definições, singelezas e particularidades. É o silencioso companheiro de quem escreve, capaz de sugerir os espaços que as palavras podem ocupar no texto e até oferecer dicas para o embelezamento das frases. É um sujeito claro e objetivo; vai direto ao ponto, revelando os diversos significados que uma palavra pode ter.

Leia mais
22/10/2018

Semana passada, foi comemorado o dia do professor. Hoje, uma semana depois, faço-lhes, aqui, neste espaço literário, uma reverência. Não considero que esteja atrasada, uma vez que os professores merecem nossas homenagens todos os dias. Esta pessoa, a quem chamamos também de mestre, tem a nobre tarefa de promover seus alunos, iluminando formas criativas de pensar, motivando-os a descobrir conhecimentos, valorizando comportamentos saudáveis, estimulando modos de perceber, de pesquisar e de conceituar.

Leia mais
15/10/2018

O amor entre Romeu, filho dos Montecchios, e Julieta, filha dos Capuletos, foi além da mortal inimizade, que se estendia ao mais remoto passado, envolvendo todos os seus parentes, dependentes e servidores das duas ricas famílias de Verona. Se, por ventura, um Montechio se encontrava com um Capuleto em alguma rua da cidade, havia violenta troca de palavras, chegando a ter derramamento de sangue. Os conflitos entre as essas pessoas era o desatino.

Leia mais
08/10/2018

O processo de escrita tem fases distintas. A primeira é solitária, silenciosa; é uma conversa, quase interminável, com nossos bolsos e botões, que reúnem momentos suspirosos, de certa forma angustiantes diante da folha em branco, que suscita a construção de um texto. É um trabalho de rendeiro, que vai tecendo, linha após linha, os fios de uma ideia, concretizando-os em literatura.

Leia mais
01/10/2018

A inspiração acontece da forma mais inusitada, até porque não existem
receitas para as ideias surgirem, que, certamente, não brotam com elegância,
nem possuem vozes afinadas. Vivem, dentro de nós, na mais completa
desordem. Nossa mente é multicor, cheia de subterfúgios vivos, com
passagens a outras paisagens. Às vezes, é arejada com ares de Medeia;
outras de Penélope. Nosso pensamento tem caminhos abertos. Livres.
Foi com este movimento mental, sem silêncios e cheios de janelas, que

Leia mais