Yoga: toda condição ou limitação física ou emocional é respeitada

sábado, 06 de abril de 2019
por Igor Fonseca* (Especial para A VOZ DA SERRA)
Igor Fonseca (Arquivo pessoal)
Igor Fonseca (Arquivo pessoal)

O yoga é uma prática que tem a não-violência como princípio fundamental, ou seja, a ideia é experimentar o próprio corpo e desenvolver as aptidões necessárias sempre de maneira extremamente consciente. Por isso, a prática tem toda plasticidade para atender a qualquer pessoa, independente de gênero, idade ou condições físicas específicas, pois sempre vai existir uma devida adaptação para que se cumprir um propósito desejado.

Por mais que o yoga esteja em evidência hoje em dia, ainda é uma prática “exótica” para muitas pessoas, e isso abre precedentes para muitas falsas impressões que impregnam o senso comum. Muitas pessoas acreditam ser tratar de uma aula muito parada ou que demanda habilidades circenses, quando na verdade todos as posições e exercícios propostos acontecem de maneira muito bem construída e respeitando a fisiologia do corpo e todos os princípios básicos de alinhamento postural.

A evolução natural dessa disciplina é acabar ganhando aptidão em realizar movimentos mais elaborados, mas, nem de longe, é esse o propósito original dessa prática, que consiste muito mais em encontrar o equilíbrio corpo/mente, através do conjunto de técnicas. O controle da ansiedade talvez seja uma dos maiores motivadores para quem busca mais qualidade de vida, e daí a prática de yoga é cuidadosa em explicar que a mente agitada é a porta de entrada dessas inquietudes e que auto observação é um grande remédio.

Essa é a maior busca: qualidade de vida representada por uma relação de corpo e mente que esteja saudável. O que costumo frisar é que praticamos yoga exatamente para conquistar esse equilíbrio, porque se já tivéssemos todas as qualidades físicas desenvolvidas e a mente livre de inquietudes e ansiedades, o yoga não teria tanta necessidade assim. Por isso o único pré-requisito para começar essa prática é a vontade de estar bem.

Toda prática de yoga tem o mesmo princípio, bem definido no Yoga sutra que é o documento milenar que orienta o objetivo do yoga, de que ele existe para acalmar os conflitos da mente. Porém existem modalidades que abordam a prática física do yoga de diversas maneiras: algumas são mais focadas em alinhamento postural, outras demandam força, flexibilidade e resistência, outras valorizam relaxamento e estados meditativos.

Novos alunos realizam uma anamnese e conversam com os professores relatando qualquer condição física que demanda cuidados e qualquer outra informação que consideram relevante, exatamente para que o professor possa conduzir a aula do modo mais adequado e eficiente. O aluno se encaixa, com a orientação do professor, ao que ele acredite ser mais adequado a sua demanda interna. Mas pode ser muito rico “beber de todas as fontes” oferecidas pelo yoga, ao invés de escolher apenas uma modalidade.

Saúde é um bem estar físico, mental, emocional, social e espiritual, e isso fica bem explícito no discurso e na condução de uma prática de yoga. Então uma série de benefícios ficam bem evidentes como por exemplo: a diminuição do estresse e da ansiedade; a prevenção de diversas doenças; a melhora do sono; redução de dores e incômodos; fortalecimento muscular; corrige a má postura; auxilia a digestão; auxilia o sistema cardiorrespiratório; e muitos outros benefícios que podem ser notados no dia a dia.

Tudo aquilo que se faz de um modo repetido acaba se tornando um hábito, e para o cérebro é muito mais fácil continuar seguindo aquele padrão, por mais nocivo que ele seja, do que criar comportamentos novos. Por isso as pessoas são tão resistentes em mudar a rotina e usam uma série de pretextos para se manter no velho hábito. Desenvolver um tempo para esticar o corpo, respirar de modo profundo já mudam a qualidade de vida.

O ideal é que as pessoas procurem uma atividade física que seja prazerosa. E para quem discorda que terá prazer, vale lembrar que alimentar essa ideia é reforçar um daqueles alibis que o cérebro inventa pra te deixar estagnado, é sempre interessante dedicar um tempo ao autocuidado e ao lazer. Cada corpo tem uma demanda e cada indivíduo define seu objetivo quando escolhe uma atividade física, se é mais estético, se é por lazer, ou se é mais terapêutico . A verdade é que pequena gama de cuidados repetidos com disciplina tendem a devolver o equilíbrio do corpo muitas vezes de modo superior a treinos intensos. E sem dúvida nenhuma nutrir o corpo com escolhas alimentares saudáveis em diversidade e quantidade é base da boa saúde.

* Igor Fonseca é instrutor do Samsara Estúdio de Yoga

 

 

TAGS: bem-estar