Uma primeira-dama independente e de personalidade definida

O exercício do poder feminino na vida política de Nova Friburgo
sábado, 22 de outubro de 2016
por Ana Borges
(Foto: João Luccas Oliveira)
(Foto: João Luccas Oliveira)

Cristina Valle Pinheiro Bravo é psicóloga, pós-graduada em Gestão de Negócios e Marketing — com MBA em Gestão de Empreendimentos em Turismo —, e empresária da área de treinamento em gestão. Casada há mais de 30 anos com Renato Bravo, é mãe de Renata, advogada, e Octávio, publicitário. Agora, como esposa do prefeito eleito de Nova Friburgo, a niteroiense Cristina Bravo assumirá novos encargos, na condição de primeira dama do município, pelos próximos quatro anos, a partir de 1º de janeiro de 2017. 

Nesse sentido, sua atuação estará respaldada por uma trajetória profissional sólida e conduta pessoal irrepreensível. Sendo uma executiva do século 21, é conectada aos novos tempos e bem informada. Conduz sua vida pessoal com independência, sem abrir mão de ser a companheira de todas as horas de um político ativo e considerado moderno, por seus pares. Renato é neto de Lafayette Bravo, respeitado político de Nova Friburgo.

Atenta ao noticiário,tem opinião formada sobre diversos assuntos e com facilidade expõe sua visão de mundo. Observadora, reservada e discreta, mas firme, Cristina tem convicções, o que não a impede, contudo, de mudar de opinião, caso surjam fatos novos. Nesta entrevista, buscamos revelar um pouco da personalidade de Cristina Bravo, e que tipo de primeira dama teremos.  

Qual a sua expectativa de trabalho para os próximos quatro anos? 
Estou saindo de uma campanha política, na qual fiz parte da coordenação e do acompanhamento de todo o processo de conteúdo e estratégia. No momento integro o trabalho voluntário da equipe de transição, com o objetivo de coletar informações do atual governo, elaborando a organização interna de dados, para posterior estruturação da estratégia de governança das secretarias. 
Encaro essa nova fase como mais um desafio profissional, que me leva a conduzir o meu trabalho com muita disposição, senso crítico e organização, porque temos metas a cumprir em um curto espaço de tempo.
Quero ressaltar que o meu trabalho não começa com o governo de meu marido, eleito prefeito. Sou psicóloga, com especialização em Gestão de Negócios e Marketing, bem como em Gestão de Turismo. Já fui diretora geral da Legião Brasileira de Assistência, diretora comercial de uma agência de publicidade por dez anos e  secretária municipal de Turismo. Sou consultora em gestão de negócios e atuo com treinamentos empresariais. Estou há mais de 30 anos no mercado de Nova Friburgo e região. 

Como esposa do prefeito, a senhora vai seguir a tradição de se dedicar a trabalhos sociais ou pretende, também, estar presente em outras áreas?
Considero a área social de importância relevante em uma gestão pública. Apesar de já ter atuado profissionalmente nessa área, posso contribuir em outros setores, a partir de minhas experiências profissionais. Portanto, me sinto impulsionada a contribuir nesse grande desafio que será o governo de Renato Bravo, naturalmente. Isto não significa, porém, que ocuparei cargos na prefeitura, mas por certo estarei atuando junto a iniciativas com as quais me identifico.  

Com quais se identifica?
O meu desejo maior é me dedicar a uma linha de atuação que cuidará da geração de oportunidades, trabalho e renda para homens e mulheres de Nova Friburgo, com viés essencialmente na sustentabilidade, e é nessa direção que estarei dando a minha contribuição. Além disso, a minha atuação estará voltada para a formação de conteúdo em algumas áreas que entendemos serem construtivas para o desenvolvimento econômico do município. Sendo assim, pretendemos dialogar com diversos setores públicos e privados, com o objetivo de criar os alicerces necessários para uma governança inovadora e cada vez mais independente de verbas públicas.

Como vê a atuação da mulher na política nos tempos atuais?
Considero de muita importância que as mulheres participem da vida política, assim como aquelas que exercem os seus mandatos e assumem os seus desafios com coragem e determinação. São admiráveis! Atuam em uma área de predominância masculina e vão desbravando espaços para se firmarem em um ambiente implacável, que exige resultados contínuos e cobra de forma incessante a qualidade da atuação feminina. A minha expectativa é que tenhamos um número crescente de mulheres que façam a diferença pela excelência de suas performances e se façam respeitar pela qualidade de seus trabalhos. 

Qual o peso de sua formação acadêmica na sua maneira de perceber a política praticada no Brasil, de modo geral, e em Friburgo, em particular?
Quando casei com Renato, há mais de 30 anos, ele estava em seu primeiro mandato de vereador. Claro que participei, em muitos momentos, de sua vida política com opiniões e ideias, e sempre fui ouvida. Mas sempre busquei construir a minha trajetória profissional de forma independente. 
Sempre tive o hábito da leitura, e a minha formação acadêmica me incentivou ainda mais. Leio jornais diariamente. Vejo a política como parte integrante de nossas vidas. Não aprecio militâncias, pois não abro mão de ter a isenção necessária e fundamental para tirar as minhas conclusões e fazer as minhas escolhas. 
Com o desgaste atual da política, abre-se um enorme desafio para homens e mulheres eleitos nesse último pleito. Cabe aos futuros prefeitos e vereadores administrarem os seus municípios com ajuste nos gastos públicos, integração crescente entre os poderes Executivo e Legislativo, parceria efetiva com a iniciativa privada, muita transparência e interlocução contínua com a população, no sentido de buscarem os melhores caminhos para o progresso econômico e social.     

Qual a sua percepção, como mulher e empresária, da evolução do ser feminino na sociedade? Tem avançado, é lenta e gradual, ou vem num ritmo mais acelerado, sendo mais combativa e determinada?
A mulher que defende os seus direitos e tem um firme posicionamento de suas ideias e valores faz as suas escolhas porque quer ser feliz. A coragem, a força de vontade e a determinação não podem faltar a essa mulher, que é forte por natureza, é múltipla, já que administra uma série de tarefas, e ao final dá conta de tudo. A mulher guerreira, a mulher de fibra, que trabalha e estuda e ainda cuida de sua família. Aquelas que nos inspiram. Aquelas que são idosas e não ficam velhas, porque estão cheias de vida. Essas mulheres avançam, sim, cada uma em seu ritmo. São essas mulheres que merecem todas as nossas homenagens, o nosso reconhecimento e valorização.

Que recado acha importante mandar para a população friburguense?  
Os friburguenses e os moradores que escolheram esta cidade para viver anseiam por qualidade de vida, oportunidades de trabalho e por melhores condições de todos os serviços básicos. Anseiam também por diminuir a gravidade dos problemas sociais, ambientais e econômicos.
Estamos atrasados na atuação com vistas a uma cultura do comprometimento, do pertencimento e dos cuidados com a cidade. São pequenas ações de sensibilização de cada morador que contribuirão para fazer a diferença no coletivo, como os cuidados com o lixo, com o patrimônio público, como praças e espaços de lazer, evitar o desperdício, cuidar das calçadas, fortalecendo o compartilhamento das boas práticas comprometidas com a sustentabilidade ambiental de Nova Friburgo.
A chegada aos 200 anos, em 2018, é um marco histórico que impulsiona o município a rever a estrutura das várias instâncias do poder público, dos segmentos produtivos locais e o fortalecimento do diálogo com a população, objetivando construir um legado para as gerações futuras.

TAGS: