Uma cidade em dois tempos

sexta-feira, 24 de julho de 2015
por Jornal A Voz da Serra

A EDIÇÃO DE ontem de A VOZ DA SERRA mostrou de forma pragmática e determinada como assuntos aparentemente desconexos ligados diretamente à vida da cidade ganham contornos e dimensões que atendem à expectativa da população. De um lado, a apreensão, mais uma vez, de drogas comercializadas por jovens menores — um assunto de dimensão preocupante e que afeta às nossas vidas — e de outro, o lançamento do 14º Festival de Inverno do Sesc, mostrando que a arte completa a vida. Segurança e cultura caminharam na mesma via.

A APREENSÃO de menores envolvidos com o tráfico de drogas mostra que é preciso uma proposta de governo que minimize os efeitos da violência em Nova Friburgo contando com a interatividade da sociedade para isso. Como primeiro passo o assunto deverá ser conduzido por uma gestão integrada de um problema que diz respeito a todos indistintamente.

ALÉM DISSO, a sociedade organizada deverá fazer o dever de casa, integrando-se com as forças de segurança num trabalho permanente que envolve medidas de prevenção, de informação e de compartilhamento de soluções. Através das associações e entidades não governamentais a sociedade poderá oferecer a contribuição necessária e assim repartir responsabilidades com o Estado na proteção de seu maior bem — a população.

O FESTIVAL de Inverno, por seu lado, eleva a autoestima friburguense, numa promoção que, como diz um slogan, “constrói sentidos”. Sucesso de público sem a espetacularização para as massas, o festival é pautado pela música de boa qualidade estimulando um grande número de pessoas a todas as apresentações, atraindo muitos às dependências do Sesc e ao Teatro Laercio Ventura. 

MAIS QUE a qualidade inegável dos artistas contratados, o Festival serve para dar um norte às promoções que tradicionalmente acontecem, seja na área cultural ou na turística, e aponta para a eficiência da iniciativa privada e da máquina pública a serviço da cultura. A vertente cultural friburguense foi prestigiada e o governo está sabendo colaborar com a promoção.

EMBORA TÃO distantes, os dois assuntos — a segurança e a cultura — guardam entre si a disposição da sociedade em realizar um trabalho em benefício da própria comunidade. Assim como as autoridades estão atentas ao trabalho unificado com a segurança em Nova Friburgo, devem fazer o mesmo pela cultura, posto que, enraizada e tradicional, é uma fonte de permanente engrandecimento da pessoa humana, evitando, inclusive, a violência que ora se combate.

 

TAGS: