Tumulto no trânsito nas imediações da rodoviária é alvo de reclamações

Em determinados horários os congestionamentos imperam na Rua Sete de Setembro e na pista ímpar da Praça Getúlio Vargas
segunda-feira, 10 de agosto de 2015
por Flávia Namen
As filas de coletivos que costumam se formar em locais como a Rua Sete de Setembro prejudicam pedestres e motoristas, segundo as queixas (Foto: Amanda Tinoco)
As filas de coletivos que costumam se formar em locais como a Rua Sete de Setembro prejudicam pedestres e motoristas, segundo as queixas (Foto: Amanda Tinoco)

Os transtornos no trânsito provocados pelo excesso de carros, ônibus e caminhões em alguns pontos do centro da cidade, como no entorno da rodoviária urbana, têm sido alvo de diversas reclamações da comunidade. A redação de A VOZ DA SERRA está recebendo várias queixas de motoristas, pedestres e usuários de coletivos insatisfeitos com os congestionamentos em determinados horários em locais como a Rua Sete de Setembro e a pista ímpar da Praça Getúlio Vargas. Por conta disso, os congestionamentos neste trecho são comuns, conforme queixa enviada pelo leitor Bruno Amorim via WhatsApp.

A reportagem do jornal esteve recentemente no entorno da rodoviária de integração para ouvir moradores e comerciantes sobre a questão e constatou que o descontentamento é geral. “Essa rua está sempre uma confusão com esses ônibus enfileirados esperando vaga para entrarem na rodoviária. Tem horas que até parece que estamos dentro da rodoviária, porque até a faixa de pedestre fica ocupada. Poderiam colocar um sinal ali ou um agente de trânsito para facilitar a travessia das pessoas”, disse uma vendedora que trabalha na área e preferiu não se identificar.

Para o leitor Bruno Amorim, o problema é agravado pelo estacionamento de veículos após a faixa de pedestres e pela grande circulação de pessoas no trecho. “Sobra um gargalo para um veículo passar por vez. O movimento intenso de pessoas nessa faixa de pedestre também ajuda a interromper o fluxo da estreita via por várias vezes”, disse ele, acrescentando que a lentidão do tráfego naquele ponto acaba tendo reflexos até Duas Pedras.

Na opinião do leitor, uma simples mudança poderia melhorar o tráfego no local. “Não acho que a solução da mobilidade seja o BRS, que envolve um alto custo. A própria empresa de ônibus Faol divulgou há algum tempo que estava sendo feito um estudo de mobilidade e que a melhor alternativa era fazer dois pontos de integração norte e sul. Com isso, não seria mais necessário que toda a frota dos bairros passasse pelo Centro. Com certeza, essa simples medida diminuiria em 80% o fluxo de ônibus no Centro. Isso sim seria significativo”, disse Bruno.

A reportagem de A VOZ DA SERRA entrou em contato com a Faol para encaminhar a sugestão do leitor e saber a posição da empresa a respeito do assunto. O setor operacional enviou nota afirmando que “os principais objetivos a serem alcançados com o BRS, que a princípio seria implantado na Região Sul, são: aumentar e qualificar a mobilidade da população através da garantia de maior acesso, conforto e segurança; reduzir o tempo de viagens nos deslocamentos; minimizar os congestionamentos através da otimização da frota do transporte público e ações na operação viária; melhoria na qualidade do serviço prestado e no aumento de mobilidade da população, aliado à otimização dos recursos.” Ainda de acordo com a nota, a medida acarretará a “desativação da rodoviária urbana já que as integrações poderão ser realizadas em qualquer ponto da cidade.”

TAGS: rua sete de setembro | praça getúlio vargas | engarrafamentos