Tecnologia e democracia

segunda-feira, 05 de outubro de 2015
por Jornal A Voz da Serra

A PREFEITURA inaugurou recentemente moderno equipamento de câmeras para a fiscalização de pontos estratégicos da cidade, a cargo da Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Educação Profissionalizante e Superior. Foi sem dúvida um passo importante para a gestão pública, fiscalizando principalmente o trânsito em Nova Friburgo.

A EVOLUÇÃO dos meios tecnológicos que hoje se encontram à nossa disposição está longe de poder ser compartilhada por todos. O analfabetismo digital constitui, na moderna sociedade da informação, um meio de exclusão social a que temos que dedicar a nossa atenção. O fenômeno é mundial e no Brasil não é diferente.

ENTRETANTO, a chamada Tecnologia da Informação e Comunicação—a TI—tem um enorme potencial para promover o desenvolvimento do país. Desde que, evidentemente, utilizada na resolução dos problemas que a sociedade experimenta nos diversos setores de atividade e principalmente se forem efetivamente colocadas ao serviço de cada cidadão.

NUMA ERA de informação veloz, de liberdade democrática dos meios de comunicação eletrônicos, o uso da informática se expande dia a dia, exigindo pronta resposta das autoridades governamentais. Afinal, a inclusão do Brasil no cenário mundial, por questões de sua economia e importância estratégica para as nações em desenvolvimento, não pode prescindir, também, da inclusão digital da sua população.

O AVANÇO do uso da internet de banda larga gratuita está permitindo que um número cada vez maior de usuários esteja conectado ao universo digital. Na cidade do Rio e em muitas cidades do interior os cidadãos têm acesso à banda larga e gratuita para internet em repartições públicas, praças, hospitais e escolas, sem falar nos centros de cidadania. A cidadania digital ganha espaço junto à população fluminense.

O GOVERNO estadual vem investindo maciçamente na tecnologia da informação com a implantação de diversos serviços ligados à internet, disponibilizando o acesso a quem até agora vivia no “analfabetismo digital”. É meta do governo adotar o modelo em todos os municípios, uma promessa que não deve ser esquecida pelos cidadãos do interior.

O ATRASO tecnológico, durante anos, deixou a população de baixa renda fora da rede mundial de computadores. Agora poderá ser compensado com a democratização das comunicações. Os professores ganharam o seu laptop do governo do estado, e a administração estadual pretende agora estender o benefício aos alunos das escolas públicas, que também teriam o seu equipamento.

NOVA FRIBURGO também precisa estudar atentamente esta evolução, e pensar nos benefícios da comunicação de forma ampla, como vem sendo praticado em diversas cidades, abrindo os horizontes da sua juventude e permitindo o livre acesso à informação. Mais um desafio para uma prefeitura que não dispõe de tantos recursos—porém, se resolvido, colocará o município no mapa da inclusão digital.

TAGS: