Sinal vermelho

terça-feira, 07 de junho de 2016
por Jornal A Voz da Serra
Marcas do acidente ocorrido na semana passada na Avenida Galdino do Valle Filho (Foto: Lúcio Cesar Pereira)
Marcas do acidente ocorrido na semana passada na Avenida Galdino do Valle Filho (Foto: Lúcio Cesar Pereira)

MAIS uma vez A VOZ DA SERRA noticia atropelamentos e colisões provocadas pelo trânsito em nossa cidade, como reportou em sua edição de ontem, 7, acerca de um acidente com um carro desgovernado que quase atingiu mortalmente um pedestre na Avenida Galdino do Valle. Sensibilizada com o ocorrido, a Secretaria Municipal de Ordem e Mobilidade Urbana estuda a colocação de radares nas duas pistas que margeiam o Rio Bengalas, no centro da cidade.

APRESSADOS e sem cautela, inúmeros motoristas e pedestres são vítimas de acidentes por falta de atenção e conscientização sobre os riscos dessa difícil convivência. Vias públicas como as avenidas Galdino do Valle, Comte Bittencourt a Euterpe Friburguense e Governador Roberto Silveira se transformam em vilãs dos pedestres, pois, velozes e sem oferecerem uma segura condição de travessia, são arriscadas a toda hora do dia. E também as rodovias estaduais existentes no município, como a estrada Mury- Lumiar, a Tere-Fri e alguns trechos da RJ-116.

O ASSUNTO não é novidade e, por mais que se fale, percebe-se o desinteresse de muitos que preferem arriscar a vida, podendo mesmo perdê-la por falta de atenção. O Brasil é campeão em acidentes e vítimas do trânsito, levando as autoridades a se preocuparem permanentemente com o assunto, porém, a realidade indica que infelizmente a tendência não é diminuir.

CADA VEZ mais fica latente a necessidade de uma ampla campanha de conscientização levando motoristas e pedestres a compreender a extensão da grave situação.  Porém, a proposta não depende apenas do governo. Depende, fundamentalmente, da sociedade organizada, notadamente os meios educacionais, desencadeando um processo de informação que começa bem cedo, nos bancos escolares.

NOVA FRIBURGO, por sua área de circulação restrita e o aumento excessivo do número de veículos, precisa enfrentar o problema com medidas civilizadas e preventivas. Para tanto, é preciso unir os poderes públicos e a sociedade civil organizada, numa mobilização permanente de prevenção de acidentes.

NÃO BASTA apenas vigiar e punir, como fazem as autoridades do trânsito. É preciso informar, educar e conscientizar. Tal tarefa não se executa apenas em um dia, uma semana ou através de uma campanha isolada. É um trabalho de longo prazo, que exigirá também uma forte presença do poder público, com o necessário investimento.

TAGS: Acidente de trânsito