Saneamento: Friburgo atrás de Petrópolis e à frente de Teresópolis

Relatório do Instituto Trata Brasil considera volume de investimentos, acesso a água tratada e a coleta de esgoto
sábado, 27 de julho de 2019
por Fernando Moreira (fernando@avozdaserra.com.br)
Estação de tratamento de esgoto em Conselheiro Paulino (Arquivo AVS)
Estação de tratamento de esgoto em Conselheiro Paulino (Arquivo AVS)

Um dos maiores desafios do Brasil, o saneamento básico também é um dos principais problemas do estado do Rio de Janeiro. De acordo com o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), em 2017, 92,5% dos fluminenses recebiam água tratada, apenas 65,8% da população tinha acesso à rede de coleta de esgotos e somente 35,4% do esgoto gerado era tratado. As perdas de água potável nos sistemas de distribuição chegaram a 31%.

Do portal de indicadores do Instituto Trata Brasil, “Painel Saneamento Brasil” (www.saneamentobrasil.org.br), foi possível fazer o recorte “Situação do Saneamento Básico nos principais municípios serranos do Rio de Janeiro”. Os dados referem-se a 2017, mas só foram divulgados na última semana. Os números revelam os desafios para universalizar os serviços de água e esgoto no estado e nos principais municípios serranos do Rio (em população), onde os números são preocupantes.

Na média do estado do Rio de Janeiro, 7,5% da população ainda não recebe água tratada; 34,2% não tem acesso à rede de coleta de esgoto; apenas 35,4% do esgoto gerado é tratado antes do descarte, ou seja, bem mais da metade do esgoto volta ao meio ambiente sem qualquer tratamento; e 31% da água produzida é perdida nas redes de distribuição.

A situação de Nova Friburgo

De acordo com o levantamento, 12,5% da população friburguense não tem acesso à água tratada, o equivalente a cerca de 23 mil pessoas; 16,8% não possuem coleta de esgoto (aproximadamente 31 mil moradores); e 97,4% é a parcela de pessoas com esgoto tratado sobre a água consumida.

Comparando com os números referentes a Petrópolis e Teresópolis, municípios vizinhos do mesmo patamar que Nova Friburgo, a Cidade Imperial sai na frente quando o assunto é acesso a água: apenas 5,2% dos petropolitanos não possuem água tratada. Já em Teresópolis, 12,7% da população não tem acesso a água, número um pouco maior que Nova Friburgo (12,5%).

No quesito “população sem coleta de esgoto”, Nova Friburgo aparece com 16,8% e Petrópolis, 16,1%. Por outro lado, em Teresópolis, 80,1% dos moradores não contam com o serviço. A situação é praticamente a mesma no índice “esgoto tratado sobre água consumida”, onde Petrópolis registra 100% de esgoto tratado contra 97,4% de Nova Friburgo e 0,0% de Teresópolis.

Com base nesses dados, fica claro que Petrópolis e Nova Friburgo, respectivamente, estão à frente de Teresópolis quando o assunto é saneamento básico. No entanto, os três municípios serranos ainda precisam avançar bastante nessa área, de modo a garantir mais saúde e segurança à população, respeitando e preservando o meio ambiente.

O que diz a concessionária Águas de Nova Friburgo

A VOZ DA SERRRA repercutiu a divulgação do estudo do Trata Brasil com a concessionária Águas de Nova Friburgo, empresa responsável pelo fornecimento de abastecimento de água e captação e tratamento do esgoto no município. A empresa confirmou os números divulgados, porém, ressaltou que os dados foram calculados com base na população total do município, entretanto, como previsto no contrato de concessão, a empresa atende somente à área urbana de Nova Friburgo. 

Segundo a nota enviada pela Águas de Nova Friburgo, “o índice da população sem acesso a água tratada na área urbana do município é de 5%, portanto, menor do que o apresentado”. Ainda de acordo com a nota, “o principal objetivo da concessionária é contribuir para equacionar o desafio do saneamento básico, universalizando os serviços”.

Atualmente Nova Friburgo conta com quatro Estações de Tratamento de Esgoto (ETE’s), o que, segundo a empresa, “elevou de zero para mais de oito bilhões de litros de esgoto tratado por ano no município”. A empresa ressalta ainda que, juntas, as 13 estações de tratamento de água (ETA´s) fornecem 40 milhões de litros de água tratada por dia, o equivalente a 15 bilhões de litros por ano.

A concessionária Águas de Nova Friburgo informou também que para melhorar o sistema, “planeja a construção de mais duas ETEs, nos bairros Ponte da Saudade e Cônego, totalizando a implantação de seis estações de tratamento de esgoto. Em 2019, serão inauguradas as obras de modernização da ETA Debossan, modernização da ETE Olaria, nova adutora em Amparo, implantação de mil metros de rede água na Rua São Paulo, em Olaria, além de 850 metros de rede de água no Parque das Flores e um novo reservatório de água no bairro Cordoeira”.

 

TAGS: Meio Ambiente