Prevenir para não remediar

sábado, 27 de junho de 2015
por Jornal A Voz da Serra
EMBORA Nova Friburgo não tenha registrado os baixos índices de umidade relativa do ar que se apresentam em muitas regiões brasileiras, fruto da seca que prenuncia um inverno de queimadas e prejuízos à saúde pública, a meteorologia não prevê dias diferentes. Vivemos uma estação relativamente sem chuvas e todos os cuidados devem ser tomados com a saúde humana e a natureza.

Queimadas representam perigo de graves proporções
A PREOCUPAÇÃO se justifica tendo em vista a grande quantidade de queimadas que são detectadas em todo o país nesta estação, inclusive no Estado do Rio. Prevenir, então, é o lema nesta estação. Todos podem fazer a sua parte, tanto os cidadãos quanto as autoridades, num trabalho de vigília permanente.

A ESTIAGEM nesta época do ano, se de um lado torna a temporada mais atrativa para o turismo, a transforma num período de perigo para as nossas matas. Sem água, o fogo se torna um inimigo ameaçador natural, como ocorre anualmente, trazendo preocupação e aumentando os níveis de alerta contra as queimadas.

EM MUITAS edições A VOZ DA SERRA noticia a existência de focos de incêndio que destruíram e levaram preocupação a muitas residências. Para não repetirmos novamente os episódios do passado, precisamos ficar atentos, procurando as formas de minimizar tais ocorrências. Sem a conscientização da população, os riscos aumentam ainda mais e uma pequena brasa de cigarro pode se transformar em tragédia de graves proporções.

AS QUEIMADAS oferecem um perigo físico de graves proporções. O descuido, o vandalismo e a irresponsabilidade de alguns agricultores ajudam a causar danos que não podem ser corrigidos pelos bombeiros nem pela Defesa Civil, acontecendo muitas vezes em locais de difícil acesso e, consequentemente, sem condições de controle e combate ao fogo.

A MATA friburguense é um patrimônio de enorme valor não só para o meio ambiente, mas para a economia do município de maneira geral. As áreas rurais, o turismo ecológico e tantas outras atividades dependem do uso racional de nossas matas e por isso mesmo não é assunto que fique em segundo plano.

ALÉM DAS autoridades públicas incumbidas de evitar os incêndios nas florestas, cabe à classe política assumir uma posição de defesa do nosso meio ambiente, fortalecendo o debate sobre o assunto como forma de mantê-lo em constante atenção de toda a sociedade. A época é propícia, portanto.

TAGS: queimadas | inverno | tempo seco | incêndio | prevenção