Prefeito analisa contraproposta dos professores

Renato Bravo deve dar resposta a profissionais de educação na próxima semana. Categoria continua em estado de greve
terça-feira, 29 de maio de 2018
por Alerrandre Barros (alerrandre@avozdaserra.com.br)
Os professores reunidos em assembleia no Jamil El-Jaick  (Arquivo AVS)
Os professores reunidos em assembleia no Jamil El-Jaick (Arquivo AVS)

O Sepe, Sindicato dos Profissionais de Educação, entregou ao prefeito de Nova Friburgo, Renato Bravo, uma contraproposta ao reajuste salarial. O documento foi protocolado na prefeitura na última segunda-feira, 28, e está sendo analisado pela equipe de governo, que deve dar uma resposta à categoria na próxima semana.

“É importante frisar que a categoria acatou o reajuste proposto pelo governo e o documento apresentado aborda outras questões e não o reajuste salarial”, informou a prefeitura em nota. Para o sindicato, porém, a questão do reajuste salarial está em aberto. A direção do Sepe não divulgou o teor da contraproposta encaminhada ao governo, mas informou nesta terça-feira, 29, que está aguardando ser chamado pelo prefeito para uma nova rodada de negociações.

O documento foi aprovado no último dia 22, em assembleia da categoria no Colégio Estadual Jamil El-Jaick, no Centro. A equipe de educação também votou pela suspensão da greve, que durou nove dias, até nova rodada de negociações com o governo. Isso significa que se não houver acordo a categoria pode paralisar as atividades novamente.

 A greve foi deflagrada no dia 14 de maio. No dia seguinte, Bravo anunciou reajuste de 5% sobre o piso de R$ 807 mais um complemento que elevaria o salário para R$ 960, garantido o reajuste anual, de acordo com a inflação, além do pagamento de abono e outros adicionais (periculosidade, insalubridade e penosidade) e hora extra.

Para os professores das séries iniciais, Renato afirmou que vai pagar, pela primeira vez na história do magistério na cidade, o piso nacional da categoria, em duas parcelas: a primeira em junho deste ano e a segunda em junho de 2019. Acrescentou que será feita a equiparação dos funcionários de 30 horas com os professores do segundo segmento do ensino fundamental.

Bravo afirmou ainda que o pagamento do adicional de qualificação, que em muitos casos estavam parados, começou a ser regularizado em dezembro de 2017. O prefeito disse que não poderá atender a pauta de um terço da carga horária dos professores para preparação das aulas, porque, teria que contratar cerca de 470 novos professores, mas não tem recursos para isso.

Renato também prometeu se reunir com sindicatos e conselhos de classe para, juntamente com a Câmara Municipal, retomar as discussões sobre o Plano de Cargos, Carreiras e Salários para todos os servidores de Nova Friburgo.

 

TAGS: Greve | Educação