Planos de futuro

sexta-feira, 23 de outubro de 2015
por Jornal A Voz da Serra

O EXECUTIVO municipal estuda restringir o tráfego de caminhões pesados pelo centro da cidade nos horários de pico do trânsito friburguense. A medida, se aprovada, resolveria em parte o acúmulo de caminhões que interferem no fluxo diário da cidade e vem gerando inconvenientes óbvios: saturação das avenidas no trecho urbano da RJ-116, congestionamentos e poluição.

O DEPARTAMENTO de Estradas de Rodagem (DER-RJ) vem trabalhando em diversas obras rodoviárias investindo em projetos que permitirão dar mais segurança aos motoristas e tranquilidade para as cidades do interior. Prova disso são as obras de contenção do Rio Bengalas no trecho entre o centro da cidade e o distrito de Conselheiro Paulino. Além disso, trabalha em outros municípios na construção de contorno rodoviário para afastar o tráfego de veículos pesados do centro das cidades.

NOVA FRIBURGO também sofre o com o tráfego de caminhões pesados, que ajudam a obstruir o já saturado trânsito na rodovia estadual em seu perímetro urbano. A solução é a mesma velha conhecida de todos — a construção de uma estrada de contorno. Promessas há.

EM ÉPOCAS passadas, governadores prometeram lançar a pedra fundamental da estrada do contorno, o que reduziria o tráfego de veículos pesados da rodovia em todo o centro da cidade até Conselheiro Paulino. Mas não anunciaram a obra que traria grandes vantagens para a população em geral.

ESTUDOS feitos pela concessionária RJ-116 e a equipe técnica da Secretaria Estadual de Transportes mostraram, há alguns anos atrás, a importância da rodovia para o escoamento da produção em Cantagalo e o seu trajeto inicial previa a passagem pelas RJ-144 e 146, por São José do Ribeirão e Bom Jardim. O custo estimado, na época, era de R$ 170 milhões.

A RODOVIA com aproximadamente 35 quilômetros de extensão nos estudos anteriores poderia ser construída com cimento e não asfalto, garantindo durabilidade de seu piso para suportar o natural escoamento de veículos pesados, inclusive das cimenteiras. Com os grandes veículos circulando fora do centro da cidade, fica mais fácil idealizar a cidade sonhada por todos aqueles que imaginam Nova Friburgo como modelo de sustentabilidade e respeito ao meio ambiente.

A CADA DIA avança mais a cultura da preservação ambiental como fator de sobrevivência do planeta. E o modelo de gestão pública para estes novos tempos deverá conter, obrigatoriamente, temas que remetam a uma boa qualidade de vida com equilíbrio ecológico. Friburgo, por suas características naturais, possui todas as condições para assumir uma posição de vanguarda com uma administração comprometida com o tema. Ainda que tenhamos que aguardar mais um tempo pela estrada do contorno.

 

TAGS: