Pesquisa eleitoral agita bastidores da política friburguense

Consulta semelhante realizada em Teresópolis pelo mesmo instituto é alvo de pedido de tutela inibitória por parte de pelo menos duas coligações
terça-feira, 13 de setembro de 2016
por Márcio Madeira
Pesquisa eleitoral agita bastidores da política friburguense

Antes mesmo de ter seu resultado divulgado oficialmente, a primeira pesquisa eleitoral devidamente registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) voltada à corrida pela Prefeitura em Nova Friburgo já divide opiniões nos bastidores da política local.

Identificada pelo código RJ-05712/2016 no último dia 8, a pesquisa é de responsabilidade do Instituto Veritá Ltda, e prevê a consulta de 502 pessoas entre os dias 11 e 14 deste mês. A divulgação dos resultados também está prevista para acontecer hoje, 14, sob a chancela do estatístico Leonard Mendonça de Assis.

Importante observar que, de acordo com o registro constante na página do Tribunal Superior Eleitoral, a pesquisa — cujo custo declarado foi de R$ 15 mil — teria sido financiada pelo próprio instituto, numa dinâmica que causou surpresa a diversas coligações no município. 

O Instituto Veritá ganhou notoriedade nacional há dois anos, ao prever a vitória do então candidato à presidência da República, Aécio Neves, em Minas Gerais, num resultado que acabou não se confirmando.

Na manhã de terça-feira, 13, a reportagem de A VOZ DA SERRA foi informada de que ao menos uma coligação nas eleições majoritárias já orientou seu departamento jurídico a atuar no sentido de impedir a divulgação da pesquisa, em virtude de questionamentos feitos a seu processo de elaboração. outras informações obtidas ao longo do dia dão conta de que a iniciativa pode não ser isolada: ao menos outro departamento jurídico também estuda tomar medidas semelhantes.

A página do TSE traz ainda informações relevantes a respeito da metodologia e da precisão dos resultados apurados. O nível de confiança estimado a partir dos parâmetros da pesquisa, com base em dados do Censo 2010, é de 95%. E a margem de erro máxima estimada é de 4,4 pontos percentuais para mais ou para menos, sobre os resultados encontrados no total da amostra.

Questionamento em Teresópolis 

‘Pesquisa de natureza semelhante, realizada em Teresópolis nos mesmos dias, já foi questionada judicialmente por ao menos duas coligações. Entre os argumentos apresentados lê-se que “temos presentes os requisitos autorizadores da concessão de medida liminar, a saber, o fumus boni júris, representado pela não divulgação do nome da contratante, da afirmação que a pesquisa será paga com recursos próprios da empresa, e o envolvimento da mesma empresa em outras pesquisas as quais foram colocadas sob suspeita, e o risco de dano irreversível, representado pelo prejuízo que toda a eleição terá com a divulgação de uma pesquisa que não reflita a verdade dos fatos. Desta forma, requer o impugnante que seja deferida, liminarmente no sentido de suspender a divulgação de qualquer dado referente a presente pesquisa”. 

TAGS: Eleições 2016