Obituário: Dona Derly Moreira Chaloub, a matriarca

Uma vida dedicada a mitigar a dor dos pacientes do Hospital São Lucas
segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016
por Jornal A Voz da Serra
(Foto: Arquivo A VOZ DA SERRA)
(Foto: Arquivo A VOZ DA SERRA)

Pode-se dizer que dona Derly Moreira Chaloub foi pioneira, sem saber, do que hoje alguns hospitais praticam: o atendimento médico humanizado. Muitas décadas antes, generosa e solidária por natureza, dona Derly sempre fez questão de visitar os doentes, levando carinho e uma palavra de conforto a cada um. Assim foi enquanto pôde. A matriarca do Hospital São Lucas, como era carinhosamente chamada, faleceu ontem, aos 95 anos, depois de uma vida inteira dedicada aos doentes do hospital  fundado pelo pai, o doutor Dermeval Barbosa Moreira, há 50 anos. Muito antes disso, dona Derly o ajudava no consultório onde o médico atendia os pacientes mais pobres.   

“Derly Chaloub não tinha boas recordações da política. Seu irmão Vanor foi deposto no regime militar acusado de ser comunista. Recorda-se de uma noite em que a diretora da telefônica, que gostava muito do doutor Dermeval, foi a sua residência e relatou que ouvira uma ligação de uma pessoa importante do gabinete do Dr. Vanor ligar para a Marinha, no Rio de Janeiro, acusando o seu irmão de comunista. Foi ela quem recebeu a denúncia. Era tarde da noite, e não quis incomodar seu pai, mas no dia seguinte, narrou-lhe o fato. Dr. Dermeval foi juntamente com o seu filho, o então prefeito Vanor, ao Sanatório Naval para esclarecerem os fatos e aquela denúncia. Mas as denúncias continuaram e seu irmão perdeu o mandato de prefeito manu militaris.

Quando perguntada sobre a vida social no passado, Derly respondeu que a população de Friburgo era fria como o clima, e que antigamente não acontecia quase nada. Mas quando nos fala de seus anos dourados, percebemos que não era bem assim. Além dos bailes que frequentava amiúde no Hotel Cassino (já esse hotel era localizado onde é hoje o Edifício União) e do Xadrezinho, Derly participava de uma orquestra de acordeão da cidade. As sessões de cinema e os passeios na praça eram inesquecíveis. Havia um trem que vinha de Porto Novo e passava às nove horas da noite pela praça. Era chamado de “vassourinha”, isso porque quando ele passava, todas as moças “decentes” tinham que ir para casa. Derly ri quando se recorda dos tipos de rua engraçados da cidade: o “Olímpio Errado”, que colocava a frente da calça para trás e o povo gritava: “Olímpio Errado”; ou ainda do “Chandoca” que tocava banjo, muitas vezes, à noite, debaixo de sua janela.

No cinema Leal, antigo Teatro D. Eugênia, com a chegada do verão e das férias escolares, Derly e as Zamith, Braunes, Dutra, Carneiro e Carrapatoso promoviam apresentações teatrais. Ensaiavam umas quatro peças por temporada sob a direção Moacir Peixoto, que era de Friburgo. Os turistas gostavam muito dessas apresentações, “era muito caprichado”, recorda-se. Peixoto trazia do Rio de Janeiro o cenário e o figurino. O grupo participava do concurso de teatro amador no Ginástico Português, no Rio de Janeiro e se apresentava ainda no Teatro Municipal de Niterói. É interessante como desde o final do século XIX, a elite carioca e friburguense tinham no teatro amador, uma de suas formas de sociabilidade. Não se denominavam atrizes, mas “amadoras”. Havia ainda uma orquestra na cidade, orientada por Sérvio Lago, de uma família de músicos, e Derly também tocava na orquestra como pianista. Os músicos também participavam das apresentações teatrais. Em suas memórias, Derly Moreira Chaloub relembra a dor pela perda de muitos familiares queridos. Mas em contrapartida, o sorriso e a alegria no semblante quando se recordou da sua juventude e dos tipos mais ordinários e divertidos do cotidiano da cidade: o Olímpio Errado e o Chandoca."*

Viúva de Jofre Chaloub, dona Derly está sendo velada no Memorial SAF e será cremada esta terça-feira, 16, às 10h, no Cemitério Luterano.

Para a família enlutada, direção e equipe de A VOZ DA SERRA enviam o mais profundo pesar.

* Fonte: Histórias e Memórias de Nova Friburgo, blog da historiadora Janaína Botelho (Texto baseado nas memórias de Derly Moreira Chaloub, entrevistada em 2010)

TAGS: obituário