“Labor omnia vincit” -- Ou “o trabalho tudo vence”

Acianf teve papel decisivo no desenvolvimento de diversos setores da sociedade friburguense e
domingo, 28 de maio de 2017
por Jornal A Voz da Serra

Os anos 40 e 50 do século XX foram marcados pela industrialização crescente do município de Nova Friburgo e pela institucionalização do turismo como gerador de emprego e renda para a população. A atividade turística, aliada à infraestrutura da cidade, oferecia espaço para amplas conquistas, consolidando sua posição na economia friburguense.

Sob os ideais do “Labor omnia vincit” (frase do poeta Virgílio que significa “o trabalho tudo vence”) e em meio à dinamização crescente de Nova Friburgo, a então denominada Associação Friburguense de Lavoura, Comércio e Indústria perpassou o tempo mantendo-se como umas dos principais instituições na história desta cidade. Foi ela, desde seu nascedouro, mediadora entre sociedade e poder público, tanto da esfera municipal quanto, e principalmente, da esfera estadual. Pode-se apontar, por exemplo, o asfaltamento da estrada que liga Nova Friburgo à capital (atual RJ-116), luta antiga da Associação Comercial, que proporcionou avanço dos mais significativos na atividade empresarial, trazendo milhares de pessoas para esta cidade e criando um importante elo entre Nova Friburgo, Niterói e Rio de Janeiro.

A instituição tornou-se logo a principal representante e defensora dos interesses empresariais de Nova Friburgo. Teve à frente de sua presidência, nesse período, homens do quilate de José Mastrangelo, cuja família até os dias atuais mantém a tradição no setor de calçados na cidade e Augusto Spinelli, grande empreendedor e propulsionador da economia friburguense em diversos setores, tais como departamento de automóveis (detentor, inclusive, do primeiro automóvel na cidade), loja de material de construção, artigos domésticos, engenharia, arquitetura e construção, imobiliária, oficina mecânica, dentre outros.

Nesse contexto de profundas transformações socioeconômicas, a Associação Comercial teve papel decisivo no desenvolvimento de diversos setores da sociedade friburguense e região, a saber, doação de 200 mil réis para a obra de estrada de rodagem ligando Bom Jardim e Nova Friburgo “para cessar o debate acalorado em torno do assunto”, aumento do número de trens para Nova Friburgo, aumento da passagem de trem somente mediante melhoria nas acomodações do transporte, sede provisória da Câmara dos Vereadores, em 1945, logo após o fim do Regime do Estado Novo, além de ter sido, desde sempre, palco para palestras, conferências e debates, abrindo as portas para o diálogo constante com a sociedade.

Nas décadas de 40 e 50, assim como nas vindouras, cumpria solenemente sua missão agregando os empresários dos diversos setores e pressionando as autoridades para a criação de obras de infraestrutura e outros serviços que beneficiassem a população de Nova Friburgo e região.

Ao longo do tempo, a Associação Friburguense de Lavoura, Comércio e Indústria teve outras denominações: Associação Comercial de Nova Friburgo, Associação Comercial e Agrícola e, finalmente, em meados de 1947, recebeu o nome que conserva até hoje, Associação Comercial Industrial e Agrícola de Nova Friburgo.

Presidentes da Acianf entre as décadas de 30 a 40:

1930 – 1931: Jota Felício dos Santos

1931 – 1933: Sebastião Vidal

1933 – 1938: José Mastrangelo

1938 – 1943: José Félix Veronese

1943 – 1949: Augusto Spinelli

 

TAGS: