Huguenin pede exoneração e volta à Câmara dos Vereadores

Ex-secretário de Saúde durou menos de 50 dias na Casa Civil e reassume mandato nesta terça
segunda-feira, 22 de outubro de 2018
por Adriana Oliveira (aoliveira@avozdaserra.com.br)
Christiano Huguenin: de volta à Câmara (Arquivo AVS)
Christiano Huguenin: de volta à Câmara (Arquivo AVS)

Durou pouco a passagem de Christiano Huguenin pela Casa Civil do prefeito Renato Bravo. O vereador licenciado e ex-secretário de Assistência Social e de Saúde ocupava o posto, considerado pelo próprio prefeito “um dos pilares da administração”, desde 4 de setembro, quando entregou a Secretaria municipal de Saúde para sua sub, Tânia Trilha. A pasta, desde antes de sua gestão, vem sendo alvo de uma CPI na Câmara, de investigações da PF e de um TAC firmado com os Ministérios Públicos Federal e do Trabalho após suspeitas de irregularidades na contratação de pessoal e de empresas terceirizadas.

Huguenin está entregando carta pedindo exoneração nesta segunda-feira, 22, e reassumindo,  já nesta terça-feira, 23, seu mandato na Câmara dos Vereadores. É a segunda exoneração no governo Bravo em cinco dias: na última quarta-feira, 17, o procurador-geral do município, Sávio Rodrigues, também pediu para sair. Ele estava à frente do TAC que está promovendo uma grande reforma  administrativa, sobretudo na área da Saúde, com mais rigor nas contratações de pessoal e empresas terceirizadas e substituição de RPAs por concursados.

Dança de cadeiras

Huguenin era secretário de Assistência Social quando assumiu a Saúde, logo após o Natal de 2017, no lugar de Suzane Menezes, afastada do cargo, juntamente com a subsecretária-executiva Michelle Oliveira, por ordem da Justiça Federal.  O afastamento das duas se deu durante a “Operação Esterilização” da PF, que investiga suposta fraude na contratação de empresa para esterilizar materiais médico-hospitalares para o Raul Sertã e a Maternidade Dr. Mário Dutra.

Em junho, por imposição do Ministério Público Estadual, Huguenin teve que deixar a Assistência Social, pasta que acumulava junto com a Saúde.

Em 4 de setembro, Huguenin entregou o comando da pasta, interinamente, para sua sub Tânia Trilha e assumiu a Casa Civil, que vinha sendo acumulada por Gilberto Salarini desde a exoneração de Bruno Villas Boas da Secretaria de Governo. A dança de cadeiras visava a fortalecer Huguenin, trazendo-o para o núcleo do Poder Executivo, dias depois de o MPF pedir à PF abertura de inquérito policial para investigar a contratação emergencial da empresa que fornece alimentação para o Raul Sertã.

Na época, o prefeito Renato Bravo disse que as mudanças iriam trazer dinâmica à gestão municipal: “As secretarias da Casa Civil e de Governo são os pilares da administração. Christiano Huguenin e Gilberto Salarini vão aliar dinamismo e experiência para que possamos executar nossas ações. Estamos com muito trabalho pela frente e a equipe está empenhada”, afirmou em nota na época.

Reforma adminsitrativa

No último dia 12, terminou o prazo para que todos os cerca de 140 contratos por RPA fossem extintos na administração.  Segundo a prefeitura, 98 profissionais já foram dispensados e 41 servidores serão mantidos provisoriamente até a realização de novo processo seletivo específico para a saúde. Os cortes não ocorrem somente nos RPAs. Este mês a prefeitura também iniciou as exonerações de comissionados, quadro que hoje chega a 1.080 funcionários. O TAC firmado com o MPF e o MPT estabelece que até segunda, 22 de outubro, 200 funcionários indicados sejam demitidos, e outros 150 até 28 de janeiro de 2019. Os MPs querem que metade das funções gratificadas sejam ocupadas por servidores efetivos.

O suplente de Huguenin na Câmara, Aylter Maguila (MDB), é o atual líder do governo.

Em nota, a prefeitura limitou-se a informar que Huguenin deve entregar oficialmente seu pedido de exoneração nesta segunda, 22. O nome do futuro substituto, bem como o nome do novo líder de Governo na Câmara, ainda deve ser analisado pelo governo municipal.

Procurado, o ex-secretário não quis comentar sobre sua saída.

 

 

TAGS: saúde | Governo