GNV no Centro: posto rebate falta de segurança e impactos no trânsito

Direção procurou A VOZ DA SERRA para apresentar licenças, estudos e pareceres técnicos obtidos pela empresa até o momento
quinta-feira, 31 de outubro de 2019
por Fernando Moreira (fernando@avozdaserra.com.br)
Jerônimo mostra o estudo de impacto de vizinhança favorável ao empreendimento (Foto: Fernando Moreira)
Jerônimo mostra o estudo de impacto de vizinhança favorável ao empreendimento (Foto: Fernando Moreira)

 

Após A VOZ DA SERRA anunciar em primeira mão que Nova Friburgo irá ganhar um novo posto de Gás Natural Veicular (GNV) até fevereiro do ano que vem, vizinhos do empreendimento - localizado na Avenida Comte Bittencourt, esquina com a Rua Fernando Bizzotto - e a Associação Comercial Agrícola e Industrial de Nova Friburgo (Acianf) se manifestaram com preocupação quanto aos riscos e ao impacto que o novo posto pode causar no trânsito do Centro.

A redação de A VOZ DA SERRA foi novamente procurada nesta quarta-feira, 30, desta vez por Jerônimo Carestiato, empresário responsável pelo Posto CRTT, que fez questão de esclarecer os questionamentos feitos pelos vizinhos e pela Acianf na reportagem anterior, publicada na edição do último fim de semana.

Para isso, Jerônimo apresentou todas as licenças, estudos e pareceres técnicos obtidos pela empresa até o momento, entre eles o de impacto no trânsito, deferido pela Secretaria Municipal de Ordem e Mobilidade Urbana (Smomu) em janeiro deste ano, e o Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV), elaborado por uma empresa especializada.

“A segurança é um dos pilares para a instalação e comercialização do GNV. Há que se seguir normas e regulamentos da Agência Nacional do Petróleo (ANP), Agência Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), Inmetro, Instituto de Pesos e Medidas (Ipem), Prefeitura, Corpo de Bombeiros, Proteção ao Meio Ambiente e distribuidora de gás Naturgy (antiga CEG). Além disso, possuímos a Licença de Operação, cumprimos com todas as legislações vigentes e também já obtivemos a Licença de Instalação de GNV”, destacou o empresário Jerônimo Carestiato.

Os possíveis impactos no trânsito

Para rebater as alegações de que o novo posto GNV geraria impactos no trânsito da Avenida Comte Bittencourt, Jerônimo Carestiato apresentou com exclusividade à reportagem de A VOZ DA SERRA o Estudo de Impacto de Vizinhança contratado pelo posto junto à empresa Master Ambiental, especializada nesse tipo de levantamento.

No documento, que conta com dezenas de páginas, é levado em consideração o número de veículos emplacados em Nova Friburgo que contam com o sistema GNV. De acordo com dados do Detran-RJ, em 2018, dos 125.701 veículos emplacados no município, apenas 4.580 contavam com o equipamento. Ou seja, não há uma demanda tão grande pelo serviço atualmente na cidade a ponto de impactar no trânsito da região.

Além disso, o posto estima que cerca de 1.800 veículos deixarão de passar mensalmente pelo estabelecimento, já que o serviço de lava-jato foi desativado e não está mais sendo comercializado diesel no local. O estudo também destaca que como o gás chega encanado, não haverá impacto nenhum de carga e descarga. No entanto, por outro lado, o posto espera realizar cerca de nove mil abastecimentos de GNV por mês, o que dá uma média de 300 abastecimentos por dia. Ou seja, o movimento de veículos deve aumentar cerca de 27% ao mês.

No entanto, de acordo com o projeto, duas bombas abastecerão quatro carros ao mesmo tempo - com a estimativa de que cada abastecimento dure pouco menos que três minutos e meio - e o posto tem capacidade para abrigar até 18 carros simultaneamente em seu pátio interno, sem prejudicar o tráfego na Rua Fernando Bizzotto ou Avenida Comte Bittencourt. O estabelecimento também funcionará 24 horas por dia e, segundo Jerônimo, a empresa estuda oferecer preços diferenciados entre 22h e 6h, de modo a distribuir o movimento de motoristas que irão abastecer no posto, contribuindo para desafogar o trânsito no trecho.

Na conclusão do estudo apresentado pela empresa, o posto teria capacidade para atender até quatro vezes a demanda prevista, possibilitando assim, manter de forma normal, sem impactos no trânsito, suas atividades em situações atípicas que possam surgir.

“O respeito ao consumidor e a população é uma das diretrizes da nossa empresa. O compromisso socioambiental do posto atende todas as certificações e regulamentações necessárias, criando novos empregos diretos e indiretos e trazendo para a cidade uma opção segura, constante e limpa de fornecimento e abastecimento de GNV”, declarou Jerônimo.

Empresário garante a segurança do empreendimento

Quanto ao questionamento sobre a segurança do empreendimento, Jerônimo reitera que o gás chegará encanado ao posto, da mesma forma que chega às residências. Ou seja, não haverá um estoque de gás no local. “No espaço onde vai ficar o compressor, que é o equipamento que pressuriza o GNV, todas as paredes são feitas com blocos de concreto revestidos de areia, de modo que em caso de qualquer acidente, a estrutura possa conter algum tipo de impacto. E ainda tem a parte acústica, que é outro benefício dessa construção, já que ela vai gerar o mínimo de ruído possível”, disse o empresário, que completou: “Nunca ouvimos falar de um posto GNV que tenha explodido ou pegado fogo, por exemplo. O que já foi noticiado foram carros com instalações clandestinas ou irregulares de gás que explodiram dentro de postos na hora de abastecer ou até após acidentes de trânsito”, finalizou Jerônimo.

 

TAGS: Trânsito | Meio Ambiente