Friburgo sedia 8º Congresso Estadual de Agronomia

Lúpulo produzido na região é um dos temas. Evento inclui atividades voltadas para o público
sexta-feira, 17 de agosto de 2018
por Paula Valviesse (paula@avozdaserra.com.br)
Friburgo sedia 8º Congresso Estadual de Agronomia

2018 é considerado o Ano Nacional da Água, isso porque o Brasil foi escolhido como sede do Fórum Mundial da Água, evento trianual, que aconteceu em março, em Brasília. Com isso, o tema foi escolhido também para ser debatido na 8ª edição do Congresso Estadual de Agronomia (CEA 2018), que acontece desde quinta, 16, até sábado, 18, em Nova Friburgo, no Teatro Municipal Laercio Ventura. O evento destaca dois potenciais locais: a água e a agricultura, e também abre espaço para discussões sobre o crescimento da produção de cervejas artesanais.

O congresso é uma preparação para o 31º Congresso Brasileiro de Agronomia, previsto para agosto de 2018, no Rio de Janeiro. Tendo como base “O papel da agronomia na produção e conservação da água”, o evento busca reunir agrônomos, estudantes da área e pessoas interessadas para discutir temas relevantes do segmento, além de apresentar atualizações técnicas, novas tecnologias e avanços científicos do setor.

Nesta edição o CEA traz como diferencial atividades abertas ao público, como  exposição de máquinas, equipamentos e insumos agrícolas, palestras e cursos de atualização profissional, ministrados por engenheiros agronômicos e especialistas. Na programação desta sexta-feira, 17, há várias palestras: das 11h às 13h, sobre plantas medicinais e alimentares (Pancs), com Celma Domingos de Azevedo; das 14h às 16h, hortas e pomares domésticos e comunitários, com Rumi Katsumoto; 16h às 18h, compostagem e produção de húmus, com o empreendedor social Guilherme Souza Campos. Sábado, 18, das 9h às 13h,  curso de arte floral, com Nazaré Dias; e no mesmo horário, oficina de olaria, com a Associação de Oleiros de Itaboraí.

Na quinta, 16, foi realizado o primeiro painel do congresso: "Água na Agricultura”. Entre as discussões, a otimização do uso de água nas culturas e produção de alimentos; agricultura irrigada, economia e eficiência na utilização da água na produção. Com a presença do prefeito em exercício, Marcelo Braune, do presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado do Rio de Janeiro (Crea-RJ), representantes da Secretaria estadual de Agricultura e da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Rio de Janeiro (Emater), a cerimônia organizada pela Associação dos Engenheiros Agrônomos do Estado do Rio de Janeiro (Aearj), foi presidida por Leonel Rocha Lima, que destacou a importância da água na produção e as características de Nova Friburgo, como forte produtora de água no estado.

“Não poderíamos ter um local melhor para realizá-lo, porque o tema é água e Nova Friburgo é uma região produtora de alimentos e tem água em abundância. Esse evento é preparatório para o Congresso Brasileiro e, apesar de ser uma atividade da confederação, o nacional é realizado pela associação do estado sede, no caso a Aearj, por isso hoje assinamos o contrato com a Confederação dos Engenheiros Agrônomos do Brasil (Confaeab)”, informou Leonel.

“É de suma importância para o município ter um evento como o congresso, prestigiado por pessoas de vários estados brasileiros. Somos uma cidade com viés turístico, mas também temos uma agricultura forte, principalmente no distrito de Campo do Coelho, com a horticultura, que abastece a Ceasa. Temos também a floricultura, que tem muito a ganhar com o tema”, destacou o prefeito em exercício Marcelo Braune.

O Congresso Estadual de Agronomia é realizado pela Aearj, em parceria com a Confederação das Associações dos Engenheiros Agrônomos do Brasil (Confaeab) e o Crea-RJ, e conta com o patrocínio de várias entidades, entre elas, a Sociedade Nacional de Agricultura (SNA).

Pesquisas visam o desenvolvimento do lúpulo adaptado às características locais

Nova Friburgo já tem o polo cervejeiro reconhecido pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) e agora também poderá ganhar uma variedade exclusiva de lúpulo. Os levantamentos iniciais já foram realizados por pesquisadores da Embrapa, que começaram a trabalhar no desenvolvimento de uma variedade de lúpulo que se adapte às condições naturais do município. A informação foi destacada pela Aearj e comentada pelo presidente da associação e pelo secretário municipal de Agricultura e Desenvolvimento Rural, Miguel Schuenck.

“Isso agrega no desenvolvimento das cervejas artesanais produzidas no município, teremos o lúpulo, a água e a cerveja, todos de Nova Friburgo. E esse desenvolvimento traz um selo de identidade geográfica, valorizando o produto e produzindo um sabor específico do município. Ainda não temos um prazo, porque a pesquisa agrícola demora um tempo, para a evolução é preciso fazer seleção, cruzamentos, entre outras ações e testes. Demora, mas dá resultado”, explica Leonel Rocha Lima.

“Todas as pesquisas voltadas para a área agronômica, que buscam fortalecer o plantio, cultivo e o processamento, são muito importantes. E ter isso voltado para nossa produção de cerveja, que já é forte, agrega muito. As pesquisas quando chegam no processo final, nos resultados, incentivam ou diminuem a produção, mas neste caso, como sabemos que está dando certo, com certeza vai aumentar o cultivo, ainda mais com esse casamento com a cerveja artesanal e com os nossos incentivos para produção”, diz Schuenck.

Nova Friburgo entre as candidatas a sediar nova associação regional

Também no primeiro dia do Congresso Estadual de Agronomia foi lavrada e assinada a ata para a criação da Associação dos Engenheiros Agrônomos da Região Serrana, que engloba 14 municípios. E Nova Friburgo está entre as cidades candidatas a sediar a nova instituição. “Temos vários candidatos à presidência da associação e Friburgo se desponta entre eles, porque temos aqui vários colegas atuantes e que estão querendo abraçar esse desafio. Com três anos de atuação a entidade pode solicitar a representação no Crea, se tornando mais um braço nosso no conselho. E nesse período de maturidade, as cidades envolvidas só tem a ganhar, uma vez que cabe a instituição a realização de cursos profissionalizantes, palestras, publicações, seminários e eventos”, observou o presidente da Aearj.

 

TAGS: