Friburgo se recupera mais rapidamente da crise, diz jornal

O Globo destaca setores que vêm alavancando economia do município pós-crise
sábado, 14 de outubro de 2017
por Jornal A Voz da Serra
Produção de flores em Vargem Alta (Foto: Henrique Pinheiro)
Produção de flores em Vargem Alta (Foto: Henrique Pinheiro)

Nova Friburgo responde por metade do Produto Interno Bruto (PIB) da região Centro-Norte fluminense e atravessou a crise em melhor forma que a economia do estado do Rio de Janeiro, se recuperando rapidamente neste início de retomada do crescimento, afirmou o jornal O Globo em reportagem especial publicada no último domingo, 15, em seu caderno de Economia.

Segundo a reportagem, a cidade teve saldo positivo de 589 novos empregos formais de janeiro a agosto deste ano, de acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), revertendo, assim, o desempenho de igual período de 2016. A indústria metal-mecânico e têxtil, responsável por 40% do PIB local, puxou as contratações em linha com a recuperação da produção e do faturamento.

O jornal também observou que a cidade tem polos produtivos em segmentos como os de agricultura, aquicultura e floricultura. O setor de cerveja artesanal já movimenta cerca de R$ 10 milhões ao ano. Também destaca que Friburgo é o segundo maior produtor de flores de corte do país, e o principal produtor de trutas do estado.

“A ameaça das importações levou a indústria local a investir em inovação e qualidade de produto. E isso ajudou não apenas a resistir ao pior período da crise como ajuda agora, na retomada. Vamos encerrar 2017 com crescimento em emprego e faturamento”, disse ao jornal, Carlos Eduardo de Lima, presidente da representação regional da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) no Centro-Norte fluminense. .

Em setembro, a produção da indústria, como as metalúrgicas Stam e Haga, cresceu e a capacidade instalada regional bateu 68%, superando a média histórica de 67%, pela primeira vez em mais de dois anos, segundo a Firjan. Na moda íntima, a previsão é fechar 2017 com alta de 15% a 20% nas vendas.

O Globo também destacou que a produção de trutas deve fechar o ano no azul, superando prejuízos acumulados entre 2009 e 2015. Com melhorias no manejo e criação de 2,5 toneladas por mês, as vendas do Sítio Gaia, em Macaé de Cima, subiram 40%. A criação de rãs e tilápias pelo AquiSerra já chega a quatro toneladas por mês.

Outra estratégia que a repórter Glauce Cavalcanti comenta no texto é fazer o turismo do município crescer de braços dados com os produtos regionais. Eventos, como os festivais de food-truck, de cerveja, morango, chocolate e flores, também têm ajudado a alavancar a ocupação hoteleira em outras épocas do ano, não só no inverno, período de alta temporada na cidade.

Apesar da melhora, o economista Mauro Osório, ouvido pelo jornal carioca, alerta para a falta de dinamismo da economia de Nova Friburgo nos últimos anos. Para ele, é preciso focar em planejamento para que os resultados se mantenham. Ter atividade econômica privada forte ajuda, mas é preciso traçar estratégias para ampliar resultados em outras frentes.
“Em economia regional, tem de se pensar nas atividades indutoras e que podem atrair renda de fora ou substituir importação. O dinamismo atual é positivo, mas é preciso entender se ele é sustentável ou um voo de galinha”, destacou Osório.

TAGS: Turismo