EDITORIAL: Otimismo e incertezas

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016
por Jornal A Voz da Serra
EDITORIAL: Otimismo e incertezas

NA ENTREVISTA que deu ao jornal A VOZ DA SERRA, publicada neste último fim de semana, o prefeito Rogério Cabral relatou os avanços que conseguiu na gestão municipal, revelou as dificuldades e expressou otimismo para 2016. Fez um amplo relato da situação de Nova Friburgo e apontou caminhos para manter os gastos em dia, sem deixar dívidas e com os compromissos financeiros praticamente zerados.

PARA 2016 Rogério deu o tom de como será o ano. Pediu aos secretários parcimônia nos gastos públicos, criatividade na gestão e defesa do governo contra os pessimistas de plantão. A cada declaração, o mandatário tem colocado propostas e projetos para a cidade, criando uma grande expectativa na população. O que será a Nova Friburgo dos sonhos do prefeito? Como a crise financeira nacional e mundial afetará seus projetos? Como driblar os cortes no orçamento do governo federal e estadual e conseguir recursos para fazer o município crescer?

DA MESMA forma do que ocorre na gestão municipal,  devemos perguntar também ao prefeito: o que será de Nova Friburgo neste último ano de seu mandato? Como compensar o tempo perdido e a falta de dinheiro para alavancar novos projetos de desenvolvimento?

AS CHUVAS que caem tradicionalmente nesta época do ano desta vez estão sendo complacentes com a população serrana e, embora mobilizem a Defesa Civil e o aparato da prefeitura, ainda não ocorreram de forma intensa, causando os inconvenientes de sempre. Por sua vez, o ciclo das águas está ainda não foi encerrado e as medidas de alerta deverão prevalecer. Porém, tais preocupações não deverão tirar o sono do prefeito, como tirou de governantes anteriores.

MAS NEM SÓ DE chuvas vive o friburguense e o seu cotidiano também expira cuidados, como a educação pública. A poucos dias do início do ano letivo as expectativas de professores e dirigentes indicam que o ano vai começar com as mesmas deficiências de sempre e qualquer mudança ocorrerá durante o ano ou em exercícios futuros. Não será possível e nem deveria ser diferente recuperar a malha de ensino ao mesmo tempo em que atende à proposta de implantar o sonhado turno único na rede escolar.

A SAÚDE PÚBLICA, por sua vez, é o desafio permanente dos administradores públicos, a começar pelo governo federal, com efeitos em cascata na malha estadual e, por consequência, sobrecarregando os hospitais municipais do país. Nova Friburgo não vive situação diferente e sofre dos mesmos males que as demais cidades, que não se situam apenas na má gestão pública do dinheiro e, sim, nos valores disponibilizados para cumprir a sua função social. Por mais que se queira, ainda estamos longe de resolver o complexo problema.

O ROL DE necessidades não para por aí, todos sabemos. Agreguemos ainda a crise financeira, o desemprego, a falta de crédito, a taxa de juros e a inadimplência. Tais ingredientes hoje em dia estão na pauta dos líderes mundiais, que chegam ao limite de uma era de gastança desenfreada e já colhem os frutos negativos da desastrada posição.

O PREFEITO, por sua vez, deverá estar sintonizado com a problemática e não fazer dela causa de imobilismo. Ao contrário, é preciso buscar no empreendedorismo a saída para a crise, oferecendo novas oportunidades de negócios e de geração de empregos. O cenário econômico mudou drasticamente e ganha quem estiver mais preparado para enfrentar os desafios que estão por chegar este ano.

TAGS: