EDITORIAL - Alerta vermelho

domingo, 30 de novembro de 2014
por Jornal A Voz da Serra

HÁ ALGUNS anos atrás, o Hospital Raul Sertã realizou curso de capacitação para formação de agentes multiplicadores com a finalidade de conscientizar a comunidade sobre a importância da doação de sangue. Numa iniciativa considerada inédita na época, os organizadores objetivaram envolver representantes de todos os segmentos da sociedade, sensibilizando a população para a doação de sangue. Pois bem. Parece que a iniciativa não logrou êxito.

O HEMOCENTRO de Nova Friburgo, passada a má fase com sua interdição temporária, pede a ajuda da população, conforme destacou a coluna Massimo na edição de ontem deste jornal. Está faltando sangue para suprir suas necessidades. Assim como os demais hemocentros do país, este encontra dificuldades diárias para manter o estoque de sangue em níveis mínimos de segurança para atender não só a população friburguense, mas, ainda, a de mais 12 municípios da região, o que torna o problema ainda mais grave. O nível de doações está abaixo do mínimo necessário, que seria entre 35 e 40 bolsas de sangue.

  A SITUAÇÃO somente poderá ser resolvida através da solidariedade. As pessoas que necessitam de transfusão podem contar somente com os saudáveis e que se dispõem a doar sangue. É a única esperança de vida para milhares de pessoas. Trata-se de um ato humanitário que o friburguense certamente não saberá negar, pois a tradição solidária de nossa população vem sendo demonstrada em diversas atitudes de amor ao próximo.

UM HOSPITAL com a abrangência do HRS, com características regionais, devido à inexistência de outros hospitais de mesmo porte para atender a diversos municípios do Centro-Norte, necessita de sangue disponível em quantidade e qualidade adequadas. Sem o sangue, cirurgias são canceladas e será enorme o ônus se isto vier a ocorrer. É preciso, pois, compreender a importância da doação para manter os níveis adequados para o pronto atendimento hospitalar.

O CIDADÃO comum, ao se preocupar com a sorte dos outros, ao se mobilizar por causas de interesse social e comunitário, estabelece laços de solidariedade e confiança mútua que nos protegem em tempos de crise. Por tantos benefícios que o gesto traz para o voluntário — no caso específico o doador de sangue — é que o voluntariado merece ser valorizado, apoiado, divulgado e fortalecido.

O PROBLEMA com a doação de sangue em Nova Friburgo só diminuirá com a conscientização da sociedade para a importância do ato. Trata-se de um pequeno gesto que pode salvar vidas e não deve ser visto com indiferença pela população. Muitas vezes a solidariedade da população foi posta à prova e a resposta foi a melhor possível. Em momentos trágicos ou não, a ajuda da comunidade foi fundamental, revelando seu caráter fraterno, que se sensibiliza aos pedidos de auxílio. 

A MESMA ATITUDE o cidadão também deveria ter com relação à doação de sangue. Afinal, a vida depende dele e negá-la seria jogar por terra todo o bom conceito de que o friburguense desfruta. Doar sangue é um gesto de cidadania e de amor.

TAGS: