Dia dos Avós: "Costumo dizer que tenho um bebê de 84 anos"

Em homenagem a esse amor em forma de oração, colhemos depoimentos emocionantes de friburguenses separados por duas gerações ou mais
quarta-feira, 25 de julho de 2018
por Guilherme Alt (guilherme@avozdaserra.com.br)
Maria da Conceição e suas netas, entre elas Raphaella Blaudt (ao centro)
Maria da Conceição e suas netas, entre elas Raphaella Blaudt (ao centro)

As raízes portuguesas estão entranhadas na cultura brasileira. De lá exportamos e também importamos cultura. Assim como em Portugal, o Dia dos Avós também é comemorado todo dia 26 de julho, em homenagem a Santa Ana e São Joaquim, pais de Maria e avós de Jesus Cristo. E para homenagear nossos segundos pais, confira depoimentos de netos e de avós friburguenses sobre a relação de amor e laços de carinho com seus familiares. Nesta quinta-feira, 26, a Igreja de Sant’Anna, no Cônego, tem programação especial. Às 15h tem missa em intenção aos doentes e às 18h, terço  seguido de missa solene. 

Raphaella Blaudt Frossard (22 anos) e Maria da Conceição Santos Blaudt, 84 anos

“Não sei nem por onde começar, afinal minha avó é tudo para mim. Exemplo de mulher, batalhadora e guerreira. Sempre fez de tudo para ajudar as pessoas que estão a sua volta e se sou o que sou hoje, devo muito a ela. Fui criada por ela e lembro dela fazer de tudo para deixar a gente feliz. Sempre se esforçou muito para ver a gente bem. Atualmente, a saúde dela não é mais a mesma, enfrenta alguns problemas, mas, apesar dessa situação, nunca perdeu o amor pela vida, continua bem-humorada e cantando pelos cantos e mostrando que tudo deve ser entregue nas mãos de Deus e confiar que vai dar certo. Faço por ela um pouco do que ela fez a vida inteira por mim e por minhas irmãs. Tento retribuir de alguma forma tudo o que ela me ensinou e da mesma forma que ela cuidou de mim quando pequena, cuido dela hoje. Costumo dizer que tenho um bebê de 84 anos (rs).  Falo com toda a certeza, minha avó realmente é a melhor avó do mundo. O sentimento que temos uma pela outra vai muito além do que as palavras podem expressar, sinto que nosso amor vai muito além disso. Lembro que desde muito pequena a gente não fica muito tempo longe uma da outra. E quando estou longe sempre ligo para ela, para pelo menos ouvir um pouco da voz dela que é o meu porto seguro. Não sei viver sem ela, daria minha vida pela dela sem pensar duas vezes”.

_______________________________________________________

Bárbara Almeida, 21 anos e Maura Moraes de Almeida, 67 anos

“Minha avó foi bem presente na minha criação, cuidava de mim quando meus pais estavam trabalhando ou estudando (eles fizeram faculdade mais velhos). Ela trabalhava em confecção e eu sempre ia para lá, brincava com os tecidos. Como a confecção era muito grande, eu ficava correndo criando histórias e personagens enquanto ela trabalhava. Almoçar na casa da minha avó, aos domingos, é tradição. Ela é aquela avó coruja que sempre se preocupa em fazer as minhas comidas favoritas, além de estar nos momentos mais difíceis da vida e me ajudar em tudo que pode. Minha mãe faleceu recentemente, e ela estava lá para demonstrar seu apoio, carinho, amor e me ensinar a passar pelos desafios. Nós sempre fomos muito próximas. Sempre me levou para viajar, cuidou da minha saúde física e mental. É uma senhora muito moderna. Crescida na roça, teve vida difícil, mas sempre foi forte. Conversar com ela sempre foi fácil, porque ela sempre me ouviu e me entendeu. Dona Maura, uma mulher, mãe de quatro filhos, não teve oportunidade de terminar os estudos, mas sempre foi de uma inteligência fora do comum, e sempre foi uma base pra mim, um exemplo da mulher que eu devo me tornar.”

_____________________________________________________________________________________________________________________________

Carol Paiva, 28 anos e Maria Helena de Brito e Neves, 90 anos

“Eu sou a primeira neta. Minha avó me acolheu e moramos juntos, eu, meu avô e minha avó, até os meus dez anos. Sempre fomos muito próximas, até mesmo na data de nascimento, ela nasceu no dia 23 de março  e eu no dia 25. Acho que por isso nós temos o temperamento tão parecido. Dona Maria Helena é portuguesa, e aos 30 anos veio tentar a sorte no Brasil. Por conta disso, já a considero uma guerreira, uma mulher de fibra e coragem. O sotaque português arrancava muitas risadas minhas, quando criança. É uma avó muito carinhosa, sempre rígida com a “etiqueta” a mesa. É uma avó amiga, que tem um amor infinito pela gente. Tem o tricô como hobby e faz blusas maravilhosas. Tudo ao sonar incrível de sua própria voz cantando fado (que a gente ama cantar juntas). Minha avó me ensinou o que é amor, dedicação, cuidado (principalmente ao usar um colar de pérolas). É uma relação muito engraçada. Não tem problema com a modernidade. Ela compreende o mundo.”

__________________________________________________________________________

Amélia Dugin, 76 anos

“Mãe de quatro filhos, avó de 13 netos e bisa de quatro. Quando pequenos éramos mais juntos, pois eles crescem, se formam, casam, mudam de cidade e fica tudo mais difícil. Com alguns falo e vejo com mais frequência, com outros menos. De toda maneira, o resultado é bom. Amo muito todos eles, mas entendo algumas dificuldades. Na minha cabeça funciona assim: é o que tenho por hora. Obrigada Senhor por esse momento. Assim funciona também com os filhos. Nem sempre temos a presença, mas sei que o amor é para sempre. A isso dou o nome de vida. Gratidão é minha oração silenciosa.”

______________________________________________________________

Noé Tardin, 50 anos e Agatha Hegdorne, 1 mês

“Quando descobri que seria avô a emoção foi grande. A notícia foi dada pela minha filha e com ela vieram as lágrimas. Sou avô de primeira viagem, então imagine a minha emoção. Quando eu peguei minha netinha pela primeira vez no colo, foi como se estivesse voltado no tempo e me veio a cena da minha filha em meus braços. Hoje posso dizer que eu sou o famoso avô babão. Ser avô é ser pai duas vezes. Estou adorando.”

TAGS: