Desafio à inteligência

terça-feira, 15 de dezembro de 2015
por Jornal A Voz da Serra

A INDEFINIÇÃO para o lançamento da zona de estacionamento rotativo imaginado pelo governo municipal mostra que ainda há muito o que fazer para o trânsito friburguense mostrar-se eficiente. Pagamos caro para estacionar numa das cidades mais saturadas de veículos em termos proporcionais, considerando-se ainda a geografia complicada e que não facilita a expansão das suas vias públicas.

O TRÂNSITO lidera o elenco de problemas que Nova Friburgo vem enfrentando nos últimos anos. Sem dispor de malha rodoviária suficiente para comportar seus milhares de veículos, o município vive uma grave situação, que, se não for combatida com medidas lógicas e racionais, será impossível trafegar por suas vias.

ATUALMENTE o maior problema diz respeito à Avenida Roberto Silveira nos dois sentidos. Uma ida a Conselheiro Paulino e vice-versa tem se transformado num exercício de paciência. Obras do governo estadual e de concessionárias de serviços, além de pequenos acidentes bastam para tornar o percurso de apenas 7 quilômetros uma longa jornada que pode durar mais de uma hora.  

OUTRO PONTO de estrangulamento do tráfego na cidade, o Paissandu é um desafio permanente às autoridades, recebendo milhares de veículos que chegam ao Centro pelo Viaduto Jeremias de Mattos Fontes e pela Avenida Conselheiro Julius Arp, vindos de Olaria, desembocando na avenida Comte Bittencourt. Motoristas e pedestres se unem num coro só pedindo a reestruturação segura daquele local.

O COMPLICADO trânsito não se limita apenas aos dois exemplos citados. A cada dia aumenta a lista de obstáculos enfrentados por pedestres e motoristas, que vão das obras públicas aos estacionamentos proibidos. As dificuldades estão espalhadas por muitas ruas, impondo à comunidade uma difícil convivência, cuja solução depende de inteligência, bom senso e vontade política dos administradores.

JÁ É HORA de se imaginar o que até então parecia um sonho futurista. O crescimento urbano requer do governo um planejamento dinâmico e criativo, sendo o trânsito da cidade uma empreitada permanente. É preciso, portanto, descobrir medidas compatíveis com a expansão do município.

CABE AO governo antecipar-se ao desafio dos próximos anos, iniciando um trabalho que leve em consideração a expansão da cidade e o das vias públicas. Para isso, deve buscar padrões adotados mundialmente no sentido de minimizar o impacto do aumento de automóveis em circulação numa cidade com as mesmas características geográficas de Nova Friburgo. Existem muitos modelos bem-sucedidos.

TAGS: