Defesa Civil declara Friburgo em estado de atenção nesta terça

Previsão do tempo aponta chuvas isoladas durante todo o dia e com volume maior esperado para esta noite
terça-feira, 09 de abril de 2019
por Jornal A Voz da Serra
Defesa Civil declara Friburgo em estado de atenção nesta terça

A Defesa Civil Municipal emitiu alerta via SMS, na noite desta segunda-feira, 9,  avisando que Nova Friburgo entrou em estágio de atenção devido às fortes chuvas. Embora em Friburgo tenha chovido rápido, na capital a noite de segunda foi de caos: o temporal provocou a morte de três pessoas e muitos transtornos. Choveu mais do que o dobro do esperado para todo o mês de abril.

A Secretaria estadual de Educação determinou a suspensão das aulas nos Centros de Educação de Jovens e Adultos (CEJA), e isso inclui a unidade de Nova Friburgo, localizada no Centro. As aulas em Nova Friburgo transcorrem normalmente.

A previsão é de chuvas isoladas para toda esta terça-feira, com volume maior na parte da noite. O sol deve aparecer, mas há possibilidades de pancadas fortes à tarde e à noite. Mínima 13 graus e máxima de 21 graus. A partir de quinta-feira, 11, não deve chover. O sol aparece com algumas nuvens e a temperatura não deve passar dos 22 graus.

Chuva forte destruiu lavouras em Salinas no sábado

 

Em Salinas, no distrito rural de Campo do Coelho, produtores rurais passaram o fim de semana contabilizando os prejuízos causados pela forte chuva que caiu sobre a região na tarde do último sábado, 6, e destruiu plantações de verduras e legumes. Revendedores que esperavam receber as hortaliças tiveram que buscar as mercadorias com outros agricultores.

O temporal caiu à tarde e elevou o nível do Rio São Lourenço, que transbordou, alagando grandes áreas às margens do curso d’água. A produtora rural Alaíde Corrêa da Silva, do Sítio Roseiral, estima que perdeu quase 70 mil pés de alface, couve, coentro - um prejuízo que chega a somar R$ 56 mil.

“Perdemos cerca 30 mil pés de alface e 30 mil de couve. Também perdemos oito mil pés de coentro. Conseguimos recolher parte da produção que foi atingida pela lama, cerca 130 caixas, mas a maior parte não dá para aproveitar”, disse Alaíde Silva. A caixa da verdura é vendida a R$ 16. O pé, a R$ 0,80 a unidade. De acordo com a produtora rural, a produção do sítio abastece, principalmente, sacolões da capital. “Nesta segunda-feira, 8, vários fregueses nos ligaram em busca da mercadoria, mas não temos o que enviar”, lamentou ela. “Há anos não víamos uma chuva tão forte nessa região. O rio precisa ser limpo para evitar transbordamento”, disse a agricultora.

De acordo com a Defesa Civil municipal, choveu aproximadamente 30 milímetros na região, no último sábado, 6. O órgão informou que foi uma chuva rápida, porém, muito intensa, o que causou o transbordamento do rio. A água não só destruiu lavouras, como também invadiu casas e alguns moradores perderam móveis e eletrodomésticos. O nível da água chegou a um metro de altura.

Não houve feridos, nem desalojados ou desabrigados, acrescentou a Defesa Civil. A Cruz Vermelha esteve na região para auxiliar moradores afetados pela enxurrada. Também não houve danos em pontes ou estradas. O abastecimento de luz e água continuam normalizados. Já Secretaria Municipal de Agricultura informou que está contabilizando os danos ocorridos e o número de produtores atingidos pela chuva.

“Foram enviadas na manhã desta segunda-feira, 8, máquinas ao local para fazer a limpeza e recuperação das estradas. Representantes da secretaria estiveram na localidade, durante todo o dia, para orientar e auxiliar os produtores no que for necessário”, diz a nota.

 

TAGS: Clima