Debate entre candidatos a prefeito pontuado por confrontos acalorados

Encontro apresentou características de cada projeto, bem como estratégias de desconstrução de adversários que devem ser adotadas na reta final
segunda-feira, 12 de setembro de 2016
por Márcio Madeira
(Foto: Márcio Madeira)
(Foto: Márcio Madeira)

O primeiro debate entre os candidatos a prefeito de Nova Friburgo, realizado pela 9ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), contou com a presença de todas as chapas inscritas e lotou as dependências do Teatro Irmã Sania Cosmelli, do Colégio Nossa Senhora das Dores, na noite desta sexta-feira, 9.

Durante quase três horas, com apenas um intervalo de aproximadamente dez minutos, cada candidato teve a palavra por sete vezes, num total de 13 minutos, além dos poucos casos de direito de resposta que foram concedidos pela comissão específica formada para este fim, a partir da interpretação de casos de calúnia, injúria ou difamação. Tudo de acordo com as regras estabelecidas previamente em conjunto com advogados dos candidatos — e do próprio candidato, no caso de Hugo Moreno.

Em ordem definida por sorteio, a candidata Grace Arruda foi a primeira a se apresentar, e fez um resumo de seus anos de atuação na Polícia Civil, sua história de proteção à mulher, e também sua carreira política. Glauber Braga foi o segundo sorteado, e iniciou sua fala apresentando toda a coligação, em clara reação à acusação de que estaria omitindo estas informações em materiais de campanha. Rogério Cabral foi o terceiro a se pronunciar, e aproveitou seus dois minutos para fazer um balanço de seus 25 anos de vida pública, e a descrever o estado em que encontrou a prefeitura há quatro anos. 

Hugo Moreno, por sua vez, descreveu sua trajetória política, e lamentou o fim da Faculdade de Filosofia Santa Doroteia, onde se graduou em História. Em seguida foi a vez de Renato Abi-Ramia lembrar sua atuação como médico desde os anos 70, e também política desde a década seguinte, onde se iniciou a convite de Amâncio Mário de Azevedo. Por fim, Renato Bravo lembrou sua trajetória como vereador e gerente do Sesc durante dez anos, afirmando ter a experiência necessária para resgatar a autoestima da população friburguense.

Na segunda parte do debate, os candidatos — por ordem definida em sorteio — escolhiam um número de um a seis, cada um correspondente a uma pergunta formulada pela 9ª Subseção. A sabatina começou com Hugo Moreno, falando sobre saúde pública, e seguiu com Renato Bravo dando sua visão sobre cargos comissionados e gestão de pessoal. 

Rogério Cabral respondeu sobre como pretende incentivar o turismo em Nova Friburgo, ao passo que Glauber apresentou seu programa para a Educação. Por fim, Renato Abi-Ramia falou sobre a promoção dos direitos humanos em escala municipal, e Grace Arruda expressou seu posicionamento sobre o tema serviços públicos e concessionárias.

O ponto alto do debate, contudo, foram as duas rodadas de perguntas e respostas entre os candidatos, pontuadas por diversos confrontos acalorados. Alguns dos quais, inclusive, dignos de direito de resposta, conforme o entendimento da comissão julgadora. 

A fase foi inaugurada por Renato Abi-Ramia, que questionou o prefeito Rogério Cabral a respeito de contratos temporários e da consolidação do concurso de 1999. 

Em seguida Glauber Braga perguntou a Grace Arruda qual sua visão a respeito da integração plena no transporte coletivo, e Hugo Moreno questionou Renato Bravo — homem de confiança do governador Dornelles em Nova Friburgo — a respeito das obras na Avenida Campesina. Quando teve a oportunidade de fazer sua pergunta, Rogério Cabral perguntou a Glauber Braga se o deputado teria conhecimento a respeito dos atos executivos da ex-prefeita Saudade Braga em seus últimos dias de governo. 

A resposta elevou o tom ao questionar a própria relação do atual governo com concessionárias, e abriu o caminho para outros dois enfrentamentos entre os antigos aliados na segunda rodada. Ainda na primeira rodada, Renato Bravo perguntou a Hugo Moreno qual a sua estratégia para preservar os recursos hídricos de Nova Friburgo, e Grace Arruda debateu com Renato Abi-Ramia o que pretendem mudar no quadro atual da saúde pública em Nova Friburgo.

A segunda bateria de confrontos diretos já começou quente, com Glauber questionando Rogério Cabral a respeito de promessas relativas à saúde pública que não foram cumpridas, e tendo como resposta a compilação de realizações nos últimos quatro anos, e também a menção a dívidas que teriam sido herdadas do governo Saudade, que teve o atual deputado federal como secretário de governo.

Em seguida foi a vez de Hugo Moreno questionar Grace Arruda a respeito de seu programa de governo em relação à comunidade LGBT, tendo como resposta a promessa de que o objetivo será governar para todos e promover a inclusão social, combatendo a hipocrisia e acolhendo a todas as minorias.

A próxima pergunta foi feita por Renato Bravo a seu xará Renato Abi-Ramia, a respeito do combate ao desemprego, em especial através do estímulo ao Turismo. Em tom amistoso os dois Renatos seguiram o debate quando Abi-Ramia devolveu a pergunta a respeito de pessoas com necessidades ou carências especiais. 

A penúltima pergunta foi feita por Grace Arruda a Hugo Moreno, questionando seus planos para melhorar a condição do trânsito em Nova Friburgo. Enquanto Grace defendeu a cobrança do estacionamento rotativo não terceirizado e a criação de ônibus circulares nos distritos, Moreno destacou a importância das ciclovias. 

Por fim, o confronto direto entre os candidatos encerrou-se quando Rogério Cabral questionou Glauber Braga a respeito de seus projetos para a abertura de novas vias voltadas a desafogar o trânsito no centro da cidade.

Naturalmente, por se tratar do primeiro debate, houve problemas de organização. Os trabalhos foram iniciados com 40 minutos de atraso, houve falta de lugares e algumas pessoas que esperaram por horas não conseguiram entrar, gerando um clima de tensão na porta do Teatro Irmã Sania Cosmelli. 

Além disso, durante o encontro, microfones e cronômetros falharam, e em alguns momentos foi impossível conter as manifestações da assembleia, apesar dos esforços dos mediadores Rafael Borges e Elizabeth Siqueira. Aliás, é possível esperar uma disputa maior pelos espaços reservados à militância nos próximos encontros, uma vez que nesta primeira oportunidade notou-se a predominância do grupo político atrelado à coligação Psol-PCB-PPL e PcdoB.

Apesar dos percalços, contudo, o saldo final foi extremamente positivo, e a organização merece todo o reconhecimento. Ao fim das atividades os presentes puderam ter uma ideia muito clara sobre os principais aspectos e diferenciais de cada plano de governo, bem como das estratégias que serão utilizadas nas tentativas de desconstrução dos adversários.

No fim, portanto, a discussão sobre quem terá “vencido” o debate acaba sendo inócua. Os vencedores, sem sombra de dúvida, foram os poucos cidadãos que tiveram oportunidade de acompanhar os trabalhos.
E a boa notícia é de que a OAB está considerando realizar em breve um segundo debate, desta vez com os candidatos a vice-prefeito(a).

TAGS: Eleições 2016