Cidade Inteligente quer usar câmeras residenciais e do comércio

Prefeitura começou a cadastrar equipamentos particulares que monitoram vias públicas para ampliar vigilância na cidade
quinta-feira, 25 de outubro de 2018
por Alerrandre Barros (alerrandre@avozdaserra.com.br)
A sala de monitoramento do Cidade Inteligente (Arquivo AVS)
A sala de monitoramento do Cidade Inteligente (Arquivo AVS)

Imagens de câmeras que fazem o monitoramento externo de residências e estabelecimentos comerciais podem integrar a central do Cidade Inteligente, o programa de vigilância de vias públicas da Prefeitura de Nova Friburgo. Para isso, basta o proprietário do equipamento autorizar, através do preenchimento de um formulário, o acesso às imagens de sua câmera, via internet.

“Queremos ampliar a área de cobertura da nossa central de monitoramento. Chegar a áreas onde nossas câmeras ainda não chegam, aumentando a segurança na cidade”, disse o subsecretário municipal de Ciência, Tecnologia, Inovação e Educação Técnica e Profissionalizante, José Loyola  Bechara, que acompanha o projeto junto com o coordenador Maurício Marques.

De acordo com Loyola, somente câmeras que capturam imagens de logradouros públicos poderão ser integradas ao sistema. O equipamento precisa estar conectado à internet e ter resolução mínima de um megapixel, em HD (alta definição), com qualidade capaz de identificar uma pessoa ou veículo, parado e em movimento, a pelo menos 30 metros de distância, à luz do dia ou à noite.

Para ceder o acesso às imagens, o proprietário do equipamento precisa preencher um formulário, disponível no link bit.ly/2AhfjO9, e se dirigir à Secretaria Municipal de Ciência, Tecnologia, Inovação e Educação Técnica e Profissionalizante, no Centro Administrativo César Guinle (antigo prédio da Oi), na Avenida Alberto Braune, 224, no Centro, onde receberá todas as informações necessárias.

“Se a pessoa tiver alguma dificuldade com as especificações técnicas do equipamento, enviaremos um técnico até a casa ou estabelecimento comercial dela para um estudo de viabilidade. Isso sem custo nenhum”, explicou Loyola. “A prefeitura terá acesso somente às imagens externas, de vias públicas, geradas pela câmera, mas não se responsabiliza pela manutenção do equipamento”, destacou.

O programa Cidade Inteligente já utiliza câmeras de instituições públicas e sem fins lucrativos, como escolas municipais, a Cruz Vermelha, que monitora o Rio Bengalas, o Grupo de Promoção Humana (GPH), no Cônego, e também recebe imagens do posto de policiamento comunitário do 11º BPM, na Praça 1º de maio, no centro do bairro Olaria. Segundo Loyola, imagens do monitoramento externo das agências do banco Itaú na cidade também devem ser integradas ao sistema, através de um convênio.

Monitoramento das ruas já é feito há três anos  

Inaugurado em agosto de 2015, ainda na gestão do ex-prefeito Rogério Cabral, o Cidade Inteligente começou a operar com 32 câmeras de alta precisão — 16 fixas e 16 do tipo speed dome (com rotatividade de 360 graus) — instaladas em pontos na praça do distrito de Conselheiro Paulino ao bairro Cônego, passando pelo centro da cidade até a Ponte da Saudade. Na época, a expectativa era chegar a 50 câmeras.

Hoje, três anos depois, 60 câmeras estão em operação em Nova Friburgo. O programa monitora as vias 24 horas por dia, sete dias por semana, mas não aplica multas. Se alguma irregularidade for flagrada através das imagens, funcionários do programa acionam agentes da Guarda Municipal, da PMr ou os agentes de trânsito da Secretaria Municipal de Ordem e Mobilidade Urbana (Smomu) para as devidas providências legais.

 

TAGS: