Câmara aprova lei que prevê orçamento de R$ 568 milhões em 2019

Folha do funcionalismo continua sendo responsável pelas maiores despesas da prefeitura friburguense
quarta-feira, 12 de dezembro de 2018
por Jornal A Voz da Serra
A votação da LOM ocorreu no plenário da Câmara e teve aprovação unânime (Divulgação)
A votação da LOM ocorreu no plenário da Câmara e teve aprovação unânime (Divulgação)

A Câmara Municipal de Nova Friburgo aprovou, por unanimidade, na sessão ordinária de terça-feira, 11, a Lei Orçamentária Anual (LOA) para o exercício de 2019. O orçamento, estimado em mais de R$ 568 milhões, seguirá para apreciação e sanção do prefeito Renato Bravo. O projeto recebeu, ao todo, nove emendas. Três delas foram propostas pelo vereador Alcir Fonseca (PP) e direcionam recursos para os eventos Festa do Morango e Chocolate e o Encontro da Mulher Rural, além de verba para a manutenção das estradas vicinais do município.

Outras cinco emendas foram apresentadas pelo vereador Professor Pierre (PSB), prevendo investimentos para o aprimoramento do Portal da Transparência, implantação e manutenção do Sistema de Informações do Município (SIM), ampliação da estrutura da Fundação Dom João VI, criação de ferramenta para tornar eletrônicos os processos da prefeitura e também uma subvenção para o Cine Clube Lumiar. A última emenda foi recomendada também pelo vereador Professor Pierre, em conjunto com o vereador Zezinho do Caminhão (PSB), que determina a elaboração de projetos para a contenção de encostas em Nova Friburgo.

A prefeitura deve aplicar, ainda, 28,74% da receita em Educação, somando o montante de R$ 70.405.175,22, e 28,86% em Saúde, que chega a cerca de R$ 66.997.863,32. A folha de pagamento do funcionalismo público municipal e os setores de Saúde, Educação, Meio Ambiente e Previdência Social deverão ser os responsáveis, em 2019, pelas maiores despesas da prefeitura friburguense. Já as principais receitas são provenientes de impostos municipais e estaduais, transferências constitucionais da União e de convênios e operações de crédito.

TAGS: Governo