Atividades nesta quinta dão início ao Agosto Suíço

Programação começa às 10h, com hasteamento de bandeiras na Praça das Colônias; às 21h, haverá Cortejo de Lanternas
sábado, 27 de julho de 2019
por Fernando Moreira (fernando@avozdaserra.com.br)
Geraldo Thurler, presidente da Colônia Suíça de Nova Friburgo, na Casa Suíca, em Conquista (Foto: Henrique Pinheiro)
Geraldo Thurler, presidente da Colônia Suíça de Nova Friburgo, na Casa Suíca, em Conquista (Foto: Henrique Pinheiro)

Nesta quinta-feira, 1º de agosto, é celebrado o Dia Nacional da Suíça, data bastante comemorada em Nova Friburgo, devido a forte influência do país europeu na formação do município. Porém, neste ano, as celebrações serão ainda mais intensas, já que em 2019 completam-se 200 anos da chegada dos primeiros suíços à Nova Friburgo.

A programação nesta quinta-feira terá início às 10h, com o hasteamento de bandeiras na Praça das Colônias, no Suspiro. Às 12h30 haverá nova cerimônia de  hasteamento de bandeiras, desta vez na Casa Suíça, anexa à Queijaria Escola, na localidade de Conquista, no distrito de Campo do Coelho. Segundo Geraldo Thuler, presidente da Colônia Suíça de Nova Friburgo, está confirmada a presença do cônsul-geral da Suíça no Rio, Rudolf Wyss, em ambas as solenidades.

À noite, a partir das 19h30, está programada a festa pelo Dia Nacional da Suíça, no Teatro Municipal Laercio Ventura, no Suspiro, com apresentação do coral Allons Chanter Infantojuvenil, da Aliança Francesa de Nova Friburgo, composto, em quase sua totalidade, por alunos da rede municipal, além de outras atrações na Praça das Colônias. 

Estão previstas ainda apresentações de coral, danças folclóricas, capoeira, dança de salão e músicas típicas. Fechando a programação no Dia Nacional da Suíça, às 21h acontecerá o Cortejo de Lanternas na Praça do Suspiro, uma tradição folclórica que será apresentada pela Escola Municipal Vevey La Jolie, de Conquista. A novidade é que neste ano o Cortejo de Lanternas também se estenderá às cadeirinhas do teleférico, promovendo um lindo espetáculo de luzes durante o percurso.

O Agosto Suíço

No entanto, a programação não se restringe apenas ao dia 1º. As celebrações se estenderão por todo o mês, no chamado Agosto Suíço. No próximo dia 11, a partir das 18h, o Teatro Municipal Laercio Ventura será palco de um recital de música e canto com jovens talentos friburguenses. No dia 18, ocorrerá a disputa do Route MTB Fribourg, tradicional competição de mountain bike. A disputa, que conta com o apoio do Consulado Geral da Suíça no Rio de Janeiro, terá largada a partir das 9h em frente a Casa Suíça, em Conquista. Fechando a programação do Agosto Suíço, será realizado o Festival do Chocolate nos dias 23, 24 e 25, na Casa Suíça, com inúmeras delícias da Frialp Queijaria e Chocolataria e a expectativa de atrair milhares de turistas.

Os 200 anos da chegada dos primeiros suíços

A história de Nova Friburgo teve seu início em 1818, quando Dom João VI autorizou, por decreto, a imigração de 100 famílias suíças provenientes, principalmente, do Cantão de Fribourg, para a colonização agrícola da Fazenda do Morro Queimado. Do total de 2.006 emigrantes que saíram da Suíça, somente 1.621 chegaram à Nova Friburgo. Devido às condições precárias antes e durante a viagem que agravaram o estado de saúde da população, 385 pessoas morreram no percurso.

Em comemoração ao bicentenário da imigração suíça, a Colônia Suíça de Nova Friburgo e a Associação Nova Friburgo Fribourg, promovem este ano várias atividades. Em fevereiro foi inaugurada a sala da Colônia Suíça, na Praça das Colônias com lançamento do livro "Tempo Anterior", de Maria José Braga, e a exposição de quadros do artista plástico José Manuel Pereira, além da apresentação do troféu de ciclismo Eduardo Salusse. Em junho, uma comitiva partiu de Nova Friburgo com destino à Suíça, numa viagem “em busca do fogo simbólico”, em que os participantes refizeram todo o trajeto feito pelos imigrantes suíços há dois séculos.  

Entre os dias 11 de setembro (data da partida do primeiro navio do Porto de Amsterdan, na Holanda, com destino ao Brasil) e 16 de novembro (data de chegada o primeiro grupo de famílias suíças à Fazenda do Morro Queimado), a exposição itinerante com a maquete do Urânea “navegará” pelas cidades para onde os suíços migraram após chegarem.

A partir de 14 de novembro, diferentes grupos percorrerão o caminho feito pelos suíços há 200 anos. A saída será da Baía de Guanabara. Em seguida, haverá a inauguração de uma placa no Convento São Boa Ventura e, na sequência, chegada a Cachoeiras de Macacu. No dia seguinte, o grupo parte em direção a São Lourenço, no distrito de Campo do Coelho.

No dia 16 de novembro, data em que os primeiros suíços chegaram à Fazenda do Morro Queimado, haverá shows, apresentações de circo, atividades esportivas, exposições, teatro e gastronomia, além do encontro de 438 famílias descendentes de suíços e depois será apresentada uma bandeira gigante que será afixada na Pedra do Imperador celebrando a união entre Brasil e Suíça.

 

TAGS: 200 anos