Acertando o passo

segunda-feira, 23 de novembro de 2015
por Jornal A Voz da Serra

O DOMINGO não foi de portas abertas no comércio para receber os consumidores para as compras de Natal, mas a cidade mostrou que continua liderando a preferência na região Centro-Norte. Muita gente aproveitou o fim de semana com feriado prolongado para as compras e a escolha por Nova Friburgo vem se concretizando como o melhor centro de consumo e entretenimento do interior.

MESMO COM a temeridade da crise e os efeitos danosos da crise econômica sobre o emprego, os consumidores ainda continuam acreditando na força do consumo natalino e a cidade se constitui num pólo comercial que satisfaz a rodos os gostos e exigências. O consumo, em que pese as dificuldades, tomará conta dos últimos dias que antecedem o Natal.

O TURISMO de negócios vem se consolidando no município e não é apenas durante o calendário tradicional de eventos. Durante todo o ano, a cidade recebe milhares de turistas para as compras no tradicional polo de moda íntima e outros serviços que a cidade possui, transformando-se num polo de permanente movimentação, exigindo das nossas autoridades uma pronta eficiência de serviços e infraestrutura.

COM UMA gama variada de ofertas, o município tem condições de receber turistas para todos os gostos, seja para compras, lazer ou entretenimento, contando com uma boa malha de prestadores de serviços, hotelaria e gastronomia. Mas é preciso mais.

PARA QUE retome a liderança no turismo do interior fluminense, Nova Friburgo precisará investir em equipamentos e sinalização turística, oferecendo sempre novos atrativos capazes de trazer mais compradores à cidade. Trata-se de uma tarefa de longo prazo, abrindo novas frentes e consolidando outros mercados existentes. É hora de expandir o turismo friburguense.

ALÉM DISSO, o governo precisará realizar um trabalho integrado entre as secretarias complementando este suporte. Cultura, mobilidade urbana, meio ambiente, segurança e serviços públicos são algumas delas. Mas também pode oferecer muito mais. Uma boa dose de vontade política e recursos financeiros, ainda que minguados, poderão fazer a diferença.

TAGS: