Ziquinha comanda vitória do Frizão sobre o Barcelona

Com o 2 x 0, time chega à quarta posição no grupo B da Taça Corcovado e segue na briga por vaga nas semifinais
segunda-feira, 14 de agosto de 2017
por Vinicius Gastin
Ziquinha comanda vitória do Frizão sobre o Barcelona

Friburguense e Barcelona. Não aquele, obviamente, mas o do Rio de Janeiro, que para a realidade do Tricolor da Serra já era o suficiente para representar um grande desafio. Pelo campo, pela situação, pela necessidade de vitória. Mas se um ex-Barça da Espanha, Neymar, puxava para ele quase todos os holofotes do mundo do futebol na tarde do último domingo, 13, um jogador de idolatria inquestionável em Nova Friburgo fez a diferença no Marrentão. Se o camisa 10 da Seleção Brasileira estreou com uma assistência e um gol pelo PSG, Ziquinha fez o mesmo pelo Friburguense, e ajudou de forma decisiva na vitória por 2x0 sobre o Barcelona. O experiente atacante fez um gol e deu o passe para Lohan definir o marcador, ainda no primeiro tempo.

Com o resultado, o Frizão chega aos 11 pontos no grupo B da Taça Corcovado, ocupa a quarta posição e segue na briga por uma vaga nas semifinais. No geral, são 28 pontos ganhos, que garantem também o retorno à disputa por classificação para a semifinal geral através deste caminho. O próximo compromisso do Friburguense é em casa, na próxima quarta-feira, 16, contra o Itaboraí. A partida acontece às 19h30, no estádio Eduardo Guinle.

Frizão resolve o jogo

Não dá para dizer que um resultado negativo em Duque de Caxias eliminaria o Friburguense. Matematicamente, de fato, não. No entanto, a situação, já delicada antes da rodada, poderia ficar ainda pior. Três pontos eram fundamentais, mesmo com alguns desfalques importantes. Rafael e Bruno, suspensos, Bidu e Marcelo Costa machucados. Mas o campeonato não “respeita” ou reserva espaço para esse tipo de lamentação, e exige reação rápida. Ainda mais depois da derrota para o Olaria, fora de casa, e o frustrante empate sem gols com o Serra Macaense em Nova Friburgo.

Qualquer cenário desafiador como este ganha um toque de respiro quando o gol acontece nos primeiros minutos. E não é que o Tricolor da Serra assim o fez? Mesmo jogando fora de casa, o Friburguense começou melhor na partida, tomou a iniciativa e abriu o placar logo aos dois minutos. Lohan recebeu de Lucas Sales e bateu cruzado achando Ziquinha que, na segunda trave, só completou para o fundo das redes. Eis um roteiro diferente ao da Rua Bariri, diante do Olaria, onde o Frizão dominou os primeiros minutos e não marcou. Desta vez não. E além da vantagem, a marcação encaixada não dava espaços para o Barcelona. Sem deixar o ritmo cair, levou perigo ao gol de Douglas mais duas vezes, antes mesmo dos cinco minutos. Na primeira chance, Yan tabelou com Gleison e cruzou e encontrou Lohan, que de cabeça, quase ampliou. Na seqüência, Lucas Sales chutou de fora da área e a bola tirou tinta da trave.

O Azul-Grená de Jacarepaguá só teve a primeira chance aos 23 minutos. Após jogada ensaiada em cobrança de falta, Aldeido foi ao fundo e cruzou para a área. A bola sobrou para Leandrinho, que cabeceou bem, mas sem a direção do gol. Já no fim da primeira etapa, o Friburguense, ainda superior no jogo, ampliou o marcador. Ziquinha avançou pelo lado esquerdo, levantou a cabeça e cruzou na medida para Lohan, que apenas tirou de Douglas e anotou o 2x0.

Tricolor segura a vitória

Um fato curioso e pouco comum, não só no futebol brasileiro, como também mundial. Já na volta do intervalo o técnico Helinho queimou todas as três alterações. Insatisfação exposta com a tentativa de tornar o time mais regular e eficiente. As mexidas surtiram efeito, já que o Barcelona começou a ter algumas chances de marcar, incomodando um pouco mais a defesa do Friburguense. Ricardo e Moraes acertaram o gol, mas Afonso foi bem em ambas e garantiu o Tricolor com boas defesas.

Nos contra-ataques, a equipe comandada por Merica também levava perigo nas jogadas pelo lado do campo. Foi desta forma que Ziquinha, grande nome do jogo, quase fez o terceiro para o Friburguense. O relógio passou a jogar ao lado do Tricolor da Serra, e com o passar do tempo, o Barcelona foi para o tudo ou nada. Desorganizado, ofereceu cada vez menos perigo e não conseguiu marcar. Melhor para o time de Nova Friburgo, que conquista um resultado fundamental para se manter na briga pelas semifinais do segundo turno e pelas primeiras posições da classificação geral.

São Cristóvão e Queimados caem

Enquanto as equipes brigam pelo acesso, a disputa contra o rebaixamento já teve dois perdedores decretados: São Cristóvão e Queimados foram rebaixados da série B1 do campeonato carioca ainda no sábado, 12. Com os resultados da rodada e as derrotas, respectivamente, para Barra Mansa e Artsul, somadas à vitória do Gonçalense e o empate do Carapebus, os dois últimos colocados da tabela estão antecipadamente rebaixados à Terceirona em 2018. Desde o começo do campeonato, o São Cri-Cri e o Queimados nunca deixaram o Z-3 da competição.

O time da Zona Norte, lanterna isolado da segundona, levou 4 a 1 do Barra Mansa, que também luta contra o descenso. Envolto na última semana em polêmicas relativas a um assédio de jogadores para que manipulassem resultados no campeonato, o time não conseguiu vencer uma única vez na competição, tendo sofrido incríveis 41 gols em 16 jogos, marcando apenas 14.

Do lado do clube da Baixada, a única vitória do Queimados foi justamente sobre os cristovenses. Com tímidos nove gols pró e 35 contra, a equipe só não perdeu em três dos 17 jogos que disputou até o momento, com um aproveitamento que não chega sequer aos 10%. No fim de semana, o time perdeu para o Artsul por 3 a 1 pela manhã, mas foi o empate do Carapebus diante do São Gonçalo, à tarde, que selou matematicamente o descenso.

O São Cristóvão disputou a terceira divisão duas vezes na última década, entre 2013 e 2014, enquanto o Queimados jogou as edições de 2011, 2012 e 2013. Após quatro anos seguidos no segundo nível, o clube da Baixada retorna ao torneio que jogou quatro vezes em sua história, incluindo sua estreia, em 1997.

TAGS: futebol