Veículos a gás estão dispensados da vistoria anual do Detran

Medida deve ampliar procura por GNV em Friburgo, onde hoje somente um posto vende o combustível
segunda-feira, 03 de setembro de 2018
por Jornal A Voz da Serra
Fila no único posto de Friburgo que vende GNV, em Duas Pedras (Arquivo AVS)
Fila no único posto de Friburgo que vende GNV, em Duas Pedras (Arquivo AVS)

O governador Luiz Fernando Pezão sancionou na última sexta-feira, 31, a lei 8.091/18, que isenta os veículos que tenham instalado o sistema de Gás Natural Veicular (GNV) da vistoria anual simplificada feita pelo Detran. A medida,  publicada no Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro nesta segunda-feira, 3, determina que os beneficiários da norma só ficarão dispensados quando cumprirem a vistoria realizada pelo Inmetro. O Detran-RJ deverá entregar o documento de vistoria anual após consultar no sistema essa vistoria.

O projeto é um pleito antigo do Sindicato da Indústria de Reparação de Veículos e Acessórios do Rio de Janeiro (Sinderepa). Segundo Celso Mattos, presidente do sindicato, a medida tende a aumentar o número de instalações de GNV no estado. “Muitos consumidores apontavam a dupla vistoria (Detran e Inmetro) como um fator dificultante para a conversão de seus veículos para o gás natural. A aprovação dessa lei soluciona essa questão, impedindo que o motorista perca um dia de trabalho indo ao Detran”, explica Celso.

O governador vetou o artigo do texto que dispensava os veículos a gás do pagamento da taxa de vistoria. "O Detran realiza vistoria anual, nos termos do artigo 130 do Código de Trânsito Brasileiro. Assim, o presente projeto de lei não pode isentar a realização de tal vistoria, sob pena de afrontar a legislação federal e, em decorrência, invadir a competência legislativa exclusiva da União Federal", justificou o governador.

Como A VOZ DA SERRA publicou no dia 15 de agosto, friburguenses têm se interessado cada vez mais pelo GNV, mais econômico e menos poluente do que a gasolina. Em Nova Friburgo, a procura pelo combustível só não é maior porque somente um posto fornece o combustível aos motoristas e o  preço cobrado na cidade é salgado.

A procura por GNV disparou, em maio, durante a greve dos caminhoneiros. Segundo a Associação Brasileira das Empresas Distribuidora e Gás Canalizado (Abegás), só naquele mês, houve um aumento médio de 70% na procura pela conversão de veículos para o sistema GNV. O consumo do combustível subiu 13,9% na comparação com maio de 2017. No acumulado do ano até agosto, a alta é de 10,2%.

No RJ Combustíveis, único posto que fornece GNV em Nova Friburgo, as filas são grandes porque o gás acaba rápido.

A  Ceg Rio, que fornece o GNV para a cidade, informou que está ampliando a rede subterrânea e prevê o fornecimento para dois postos de combustíveis de Nova Friburgo no próximo ano. “As obras de prolongamento da rede estruturante para atendimento a esses postos estão em andamento, e a previsão é que sejam concluídas em 2019”, informou em nota.

Instalar o sistema de gás tem um custo médio de R$ 2,5 mil para os kits de 3ª geração, instalados em veículos com mais dez anos; e cerca de R$ 3,5 mil para os kits de 5ª geração, usados em carros mais modernos, com injeção eletrônica de gás natural. A utilização do kit requer cuidados. O combustível exige mais do sistema de ignição e requer checagem com periodicidade, diferente de um carro a combustão.

Prós e contras:

Pontos positivos

  • Economia de combustível
  • Menos poluente
  • Mais barato
  • Desconto no IPVA

Pontos negativos

  • Redução do espaço na mala
  • Desgaste antecipado do sistema de ignição
  • Dificuldade na hora da revenda do carro
  • Perda de potência

 

 

TAGS: