A um golpe do cinturão, Magic Marlon se define: "Sou um cara humilde e trabalhador"

Em entrevista exclusiva, peso-galo diz que sua próxima luta será uma disputa de título e não aceita nenhuma outra
quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019
por Guilherme Alt (guilherme@avozdaserra.com.br)
Magic Marlon Moraes:
Magic Marlon Moraes: "Estou vivendo meu melhor momento"
Após a vitória sobre Raphael Assunção no último dia 2 em Fortaleza (CE), o lutador Marlon Moraes, de 30 anos, assumiu o primeiro lugar no ranking da categoria peso-galo, de acordo com a última atualização feita pelo UFC. A tão sonhada luta pelo título da categoria está bem perto de ser realizada. Para alcançar o último degrau até a glória, o friburguense espera apenas que o duelo contra o atual detentor do cinturão da categoria, TJ Dillashaw, seja confirmado.

"Sou um cara humilde e trabalhador. Um pouco engraçado às vezes"

Marlon Moraes

Com um cartel de 22 vitórias (dez nocautes, seis finalizações e seis decisões dos juízes); um empate e cinco derrotas, Magic Marlon, como é conhecido, aproveita o tempo de folga para curtir a família e, em uma conversa exclusiva com A VOZ DA SERRA, comentou sobre a expectativa de disputar o cinturão, de como era a vida em Friburgo, o que se passa dentro da cabeça de um lutador durante a famosa encarada, entre outras coisas. 

AVS: A última vitória lhe colocou em uma posição confortável para a disputa do cinturão. Chegou a hora?

Marlon Moraes: Acredito que é a minha hora! Se terá algum lutador antes não sei, mas a minha próxima luta será uma disputa de título e eu não aceito nenhuma outra luta.

Você pode dizer que este momento é o seu melhor?

Sim, hoje estou vivendo meu melhor momento, estou feliz demais com minha família e, principalmente, com meus filhos. Profissionalmente, sou um dos melhores no que faço. Isso é muito gratificante.

De onde veio o apelido de Magic Marlon?

O Frank Edgar e Cris Ligouri, amigos de treino, vendo meus golpes falaram "Isso é magic". Aí o apelido pegou.

Você gostaria de mudar o resultado de alguma luta?

Não. Tanto as vitórias como as derrotas ficam marcadas e nos fazem crescer muito. Se foi assim é porque, lá na frente, eu serei recompensado. Esporte, competição... o resultado nunca é garantido. A preparação sempre é para a vitória, mas como esportistas temos que aceitar. Confesso que não gosto e não aceito a derrota, mas é um processo que estamos sujeitos quando competimos.

Já fizeram alguma fake news com você ou você já caiu em alguma fake news?

Já tive uma situação que um oponente fez uma postagem que não era verdade. Consegui provar que era falsa. Quando lutamos, fui o vencedor.

Como é a dieta nos dias que antecedem a luta?

A dieta é bem rigorosa. Cada luta é diferente. Às vezes o corpo responde de maneira distintas. Normalmente, perco cinco quilos na semana da luta, mas de forma planejada. É difícil, mas tenho cumprido bem essa missão.

Em relação à alimentação, qual o seu primeiro desejo assim que é liberado da dieta?

Tudo! Principalmente água, água de coco e açaí.

O que um lutador pensa durante a encarada? Já deu vontade de rir?

Normalmente penso em mostrar ao oponente que tem alguém ali preparado e que não vai ser luta fácil não. Algumas vezes tive vontade de rir sim. Em uma delas não consegui segurar o riso.

Muitas tretas são estratégias de marketing para vender a luta, mas muitas são reais mesmo. Já aconteceu com você? Algum lutador que você desejou muito subir no octógono pra lutar com sangue nos olhos?

Já sim. Jimmie Rivera e eu (foto) temos uma grande rivalidade. Treinamos em cidades próximas e teve uma treta que não acabou. Logo, logo a gente luta de novo e vou vencê-lo mais uma vez. Ele é um cara em quem eu bato até de graça.

A música, na hora de entrar no octógono, tem que ser aquela que sobe a sua adrenalina? Como você define esse momento na hora de entrar no estádio?

Para mim não faz diferença. Ou você está preparado, ou não está. Gosto de ficar focado e  sempre troco de música. Na minha última luta eu coloquei uma música que meu filho gosta. Foi emocionante.

Que músicas você gosta de ouvir nos seguintes momentos: lazer, treinamento, aquecimento antes da luta, entrar no ginásio?

Gosto de todo tipo de música: do sertanejo ao rap, reggae, MPB... Sou fã da música brasileira.

Muita gente não gosta de esportes de luta com a justificativa de tratar-se de algo que remete à violência. O que você pode dizer sobre isso e como conquistar mais admiradores para esse esporte?

Somos atletas profissionais, nosso esporte é regulamentado. Fazemos exames que garantem nossa saúde antes e depois das lutas, temos a rotina de um trabalhador comum e, com nossa profissão, representamos nossas cidades, país e, principalmente, sustentamos e educamos nossos filhos. O esporte cresce a cada dia e as pessoas que entendem um pouquinho se tornam fãs.

Quando vem aquele golpe que te pega de jeito, te desconcentra? O que você pensa no momento e como você consegue voltar rapidamente para a luta?

Treinamos muito, e estamos preparados para todas as situações. O principal é não mostrar que ficamos desconcentrados e voltar a lutar.

Como era a sua vida aqui em Friburgo?

Estudei no Colégio Municipal Padre Rafael, no bairro Cordoeira, e no extinto IPC, além da Universidade Candido Mendes. Sempre me reunia com amigos para jogar game, futebol, fazer churrasco. Quando criança, joguei futebol no Nova Friburgo F.C. e no Friburguense, mas não era um craque. E não foi difícil perceber que deveria me dedicar exclusivamente à luta.

Você era um bom aluno?

Sim, mas conversava muito. Tirava boas notas, mas também dava trabalho aos professores. Mas quem não dava?

Tinha alguma matéria favorita que você sempre ia bem?

Matemática e Educação Física.

Tem algum professor que marcou a sua vida de estudante?

Tinha o sr. Nelson, o Breder, o Clovis... Esses foram alguns dos meus favoritos.

Pular carnaval ou pular corda no treinamento?

Os dois, um pouco de cada. Já desfilei na Unidos da Saudade e não perdia um ensaio.

É verdade que lutar MMA causa queda de cabelo?

Não isso é lenda, rs

O que é mais difícil de suportar, um jab de direita ou os boletos no final do mês?

Os boletos são mais fortes que qualquer soco!

Se você tiver que se definir, como seria?

Sou um cara humilde e trabalhador. Um pouco engraçado às vezes.

Qual seria a notícia que você mais gostaria de ler, envolvendo o seu nome?

Marlon Moraes é o novo campeão do UFC!

TAGS: UFC