Sintonia à prova de qualquer distância

Quando a amizade vale, literalmente, uma viagem
sexta-feira, 20 de julho de 2018
por Paula Valviesse (paula@avozdaserra.com.br)
Sintonia à prova de qualquer distância

Viajar, além de ampliar os horizontes e proporcionar momentos marcantes de lazer, também é uma excelente maneira de conhecer pessoas novas, criar novos laços afetivos. A internet e as redes sociais também podem formar pontes, permitindo que pessoas dos locais mais distantes do mundo se unam em uma relação de afeto e companheirismo.

Conexão Brasil x África do Sul

Hayla Leite e Nirupa Singh, ambas de 38 anos, nunca se encontraram pessoalmente, mas possuem uma amizade tão forte que se consideram “amigas-irmãs”. A história de como elas se conheceram é surpreendente. Hayla é do Rio de Janeiro, mas hoje em dia vive em Teresópolis, Nirupa mora em Howick, KwaZulu-Natal, na África do Sul. As duas se inscreveram em um serviço de correspondência que era organizado por uma empresa finlandesa para aproximar jovens de todo o mundo, o International Youth Service (IYS). No início a amizade era sustentada por cartas; hoje em dia, com as redes sociais, elas se falam semanalmente por telefone, mensagens e chamadas de voz e vídeo. A língua em comum: inglês.

“Eu tinha 16 anos, estava no pré-vestibular, e fiz o cadastro junto com uma amiga. Na época pagamos um dólar por cada endereço de pessoas com as quais gostaríamos de nos comunicar. Escolhíamos gênero, idade e país, e o nosso cadastro também ficava disponível para outras pessoas ao redor do mundo que quisessem nos escrever. E, coincidentemente, eu a escolhi e ela me escolheu. Enviamos a primeira carta de apresentação quase que ao mesmo tempo: uma semana depois de ter enviado a minha, eu recebi a dela. Já soube que tínhamos afinidade sem nem mesmo nos conhecer, e isso só se reforçou quando começamos a conversar. Passamos a nos reconhecer como amigas-irmãs”, conta Hayla.

Mas não era fácil manter uma amizade tão longe. Por um bom tempo as cartas foram as únicas formas de conexão da dupla. Elas chegaram até a conversar por telefone, mas não dava muito tempo de contar todas as novidades porque as ligações eram caras. “Uma vez liguei para ela e nos falamos por dois ou três minutos, a ligação custou quase R$ 80”, lembra Hayla.

Com o passar do tempo e as atribuições da vida adulta, o contato entre as amigas diminuiu. Mas, com a facilidade cada vez maior das redes sociais, logo elas se reconectaram. “Foi há quatro anos. Eu estava casada e grávida do meu primeiro filho, na casa da minha sogra, quando minha cunhada me incentivou a procurar a Nirupa nas redes sociais. Demorei para encontrá-la, porque ela passou a assinar o nome de casada, mas, quando adicionei e enviei a primeira mensagem, ela me respondeu de imediato. Choramos de emoção. Desse dia em diante a gente se fala toda semana. E agora, com essa facilidade de mensagens de vídeo, ela me liga, eu ligo, nossas famílias se relacionam”.

Agora o grande desejo das amigas é um encontro: “Meu sonho é nos encontrarmos pessoalmente. Se eu pudesse passar dois, três dias com ela, seria um dos momentos mais maravilhosos da minha vida”, afirma Hayla. Em mensagem em inglês, Nirupa confirma o desejo: “Nossa amizade é um vínculo muito especial. Não somos apenas amigas, somos irmãs. Podemos não ter nos conhecido, mas nossa relação é forte o suficiente para nos manter próximas, seremos amigas para sempre. E talvez um dia, se Deus quiser, nos encontraremos e ficaremos juntas”.


Conexão Japão x França

As brasileiras Valéria Romano de Paula e Vanessa Falcão, ambas de 30 anos, se conheceram em Strasbourg, na França, quando as duas moravam lá. Elas passaram três anos em uma rica relação de amizade presencial, mas o trabalho e os estudos fizeram com que Valéria se mudasse para o Japão. O convívio diário foi interrompido, mas não a afeição.

Hoje em dia as duas mantêm uma relação à distância e, sempre que podem, viajam para se encontrar. “Sempre marcamos de nos encontrar, planejamos viagens para passar o final de semana juntas, organizamos aventuras entre amigos para locais próximos, temos uma vibe bem parecida e nos divertimos muito”, conta Valéria, que cresceu na Região Serrana do Rio.

Uma das viagens combinadas pelas amigas e que ficou marcada na memória foi para Israel, em 2016. “Nós gostamos demais de conhecer novas culturas, explorar lugares, e Israel foi o cenário perfeito para vivenciarmos a religião, a cultura, a paisagem. Inesquecível”, destaca Valéria.

 

TAGS: