Sessão solene marca os 37 anos de fundação do Friburguense

Sócios com mais de 30 anos de vida associativa foram homenageados durante a sessão
segunda-feira, 20 de março de 2017
por Vinicius Gastin
Sócios com mais de 30 anos de vida associativa foram homenageados durante a sessão
Sócios com mais de 30 anos de vida associativa foram homenageados durante a sessão

Com direito a um passeio pela história e da fusão que resultou na fundação do clube, o Friburguense comemorou o aniversário de 37 anos com sessão solene na manhã deste domingo, 19. Estiveram presentes diretores, conselheiros e sócios, em momento de confraternização e inúmeras recordações. Compuseram a mesa da sessão o presidente do Conselho Diretor, Wagner Faria, o presidente do Conselho Deliberativo, Marcelo Cintra, o secretário Cleiton França, a vice administrativa e financeira Sandra e os Beneméritos Célio Ivo e Francisco. 

“A união e a presença de todos é sempre muito importante, principalmente pela representatividade do nosso clube na cidade. O Friburguense é o nosso motivo de orgulho, e a segunda casa de muitos que aqui estão. É sempre fundamental exaltar a história, a fusão entre Fluminense e Serrano. É bom sempre lembrarmos também o aniversário do Fluminense Atlético Clube”, declarou Wagner Faria.

Uma das presenças especiais da manhã de domingo foi a de Célio Ivo, o Catita, o único personagem vivo dentre os que participaram da reunião da fusão entre Fluminense e Serrano. Além de pedir um minuto de silêncio e oração aos que já morreram, contou um pouco da história que resultou na fundação do Friburguense.

“Lembro perfeitamente da reunião nos vestiários do Serrano. Nós sabíamos que Esperança e Friburgo estavam fazendo a união deles, e como não conseguimos unir os quatro times, nós fizemos a nossa. Também participei da tentativa de fundir as quatro equipes, fui secretário, mas não obtivemos sucesso. Hoje eu vejo o clube bem administrado e fico feliz com isso. Onde eu vou, seja dentro ou fora do Brasil, todos conhecem o Friburguense.”

O benemérito Francisco também fez o seu discurso, e exaltou a representatividade do clube e o reconhecimento pelos lugares onde passa pelo Brasil. “Apesar de estar um pouco ausente do clube, sempre compareço aos jogos para assistir e torcer pelo Friburguense. Nas minhas viagens, que têm sido frequentes, as pessoas sempre falam de Nova Friburgo e do Friburguense. As pessoas gostam e elogiam a nossa estrutura. Fico muito orgulhoso e satisfeito”, disse o benemérito.

As homenagens da sessão foram feitas a dez pessoas que possuem mais de 30 anos de vida associativa: Almir Macharet, Arcelio Diniz, Valdecir Frattani, Luiz Cesar Perrout, Jorge Moacyr, Elpídio Heringer, José Carlos da Rocha, Mauricio Braz Vieira, Carlos Antônio Pecci e Sergio Barbosa.

“Foi um grande prazer poder homenageá-los. Nada na vida é fácil, e tudo é feito com muitas dificuldades. Mas hoje temos um caminho a ser seguido, com um clube sanado. O presidente Raul Marcos deu início ao pagamento da dívida do Refis em 2009 e nós vamos terminar de pagar em novembro de 2019. Uma dívida de 120 meses, a única que ainda resta para conseguirmos equacionar o clube.”

Além da sessão solene, o Friburguense aproveitou a ocasião para apresentar as reformas feitas na sala de troféus, onde aconteceu a homenagem. O piso foi trocado, e toda a estrutura foi reorganizada. Novas intervenções no local também serão feitas em breve.

TAGS: Friburguense