Serramar já liberada em meia pista após queda de barreira

Chuva provocou deslizamento de encosta logo após a ponte de Santa Luzia; estrada tem outros pontos críticos e travessia requer cautela
sexta-feira, 03 de janeiro de 2020
por Jornal A Voz da Serra
A barreira que caiu nesta sexta (Foto de leitor)
A barreira que caiu nesta sexta (Foto de leitor)

A chuva incessante do início do ano voltou a provocar transtornos para os friburguenses. Uma barreira caiu na tarde  desta sexta-feira, 3, na Estrada Serramar (RJ-142), interditando as duas pistas logo após a ponte de Santa Luzia, na divisa de Nova Friburgo com Casimiro de Abreu.  A estrada já foi liberada em sistema de pare e siga, mas a travessia exige cautela, uma vez que a RJ-142 tem vários pontos críticos no trecho entre Lumiar e Casimiro.

Para quem quer evitar riscos, a alternativa é seguir pela BR-101 e Cachoeiras de Macacu ou ir por Trajano de Moraes, subindo a serra de Madalena. A RJ-116 está com tráfego fluindo normalmente na serra de Cachoeiras.

Veja também: https://avozdaserra.com.br/noticias/expectativa-e-que-110-mil-veiculos-passem-pela-rj-116

O temporal de quinta, 2, também deixou estragos na cidade. No Vale dos Pinheiros, uma cratera de grande profundidade abriu-se na Rua Maria José Dutra de Castro, na entrada do Condomínio Sítio da Pedra. A região  já sofreu com outros afundamentos, mas não nas proporções atuais.

O ponto exato onde aconteceu a queda de grande parte da rua é onde há o encontro do manilhamento das águas que vêm das montanhas com o córrego. O volume foi tão grande que as manilhas se romperam e a rua não aguentou. Por conta disso, muitos moradores ficaram sem ter como chegar às suas residências. O local está interditado e ainda apresenta rachaduras em alguns pontos em que a rua não cedeu. Com relação às residências próximas ao buraco, o secretário de Defesa Civil, Robson Teixeira, que esteve no local, afirmou que não há risco iminente.

Desde as 6h da manhã desta sexta-feira, 3, e em boa parte do dia, funcionários da subprefeitura de Olaria, assim como da prefeitura, da Águas de Nova Friburgo e Energisa já estavam no local realizando os reparos. Ainda não há a previsão de quando a obra será concluída, mas de acordo com Robson, não deve demorar.

“No momento essa obra é uma prioridade nossa. A prefeitura colocou todas as secretarias para trabalhar junto com as concessionárias que trabalham dentro de um plano de contingência”, afirmou o secretário em entrevista.

Marcelo Soares, subprefeito de Olaria, também estava no local. Segundo ele, o serviço para realizar as melhorias são frequentemente atrapalhados devido as chuvas e espera que o tempo colabore para que a população seja atendida o mais rápido possível.

“Nós estamos fazendo os reparos e tínhamos um cronograma para terminar alguns deles ainda em 2019, mas as chuvas atrapalharam. A Rua Síria, por exemplo, nós estamos substituindo o manilhamento, mas com as fortes chuvas do dia 22, tivemos que paralisar o serviço e ir para a Rua Raul Veiga. Nós já achamos o local onde há o problema central na Raul Veiga, mas com chuva a gente não consegue finalizar o serviço. Tem risco para a nossa equipe e nesse momento a prioridade é pela vida”, afirmou o subprefeito.

Com relação a situação do Vale dos Pinheiros, Marcelo fez coro ao secretário de Defesa Civil e garantiu que não há risco para os moradores. “A situação está sob controle, ou seja, não tem nenhum risco para a população. Quando há o risco do deslizamento de uma encosta ou desabamento de uma casa, a Defesa Civil vai fazer uma avaliação e é importante não ter medo de sair de suas casas”, garantiu.

Previsão de mais chuva

Segundo Robson, há previsão de mais chuva forte para os próximos dias. O secretário também afirmou que a expectativa é de um verão bastante chuvoso com tendência para melhorar só em meados de março. 

“Janeiro começou dando mostras de que a tônica do verão será esta. A tendência é que o tempo comece a estabilizar daqui a dois meses”, disse o secretário que ainda lembrou que o município permanece em estado de alerta.

Outros bairros atingidos

Equipes da prefeitura também trabalham para retirar a lama no bairro da Vila Amélia e no Suspiro. A região também foi um dos locais mais afetados pelas chuvas de quinta-feira, 2.

O temporal deixou duas casas interditadas em Santa Bernadete, em São Geraldo, e prejudicou o itinerário de 12 linhas de ônibus. Segundo informações da Defesa Civil, o Jardim Califórnia, em Conselheiro Paulino, foi o local onde mais choveu. Na cidade inteira o volume da chuva foi calculado em 45 mm.

Imagens que circularam nas redes sociais mostraram ruas alagadas na Vila Amélia, na Praça do Suspiro e Centro. No distrito de Amparo, apesar da tensão dos moradores, até o momento nenhuma ocorrência ou agravamento da situação havia sido registrada. No entanto, o Nupdec e moradores estão em alerta permanente.

Mudança nos ônibus

A direção da Faol emitiu uma nota informando a alteração no itinerário de linhas de ônibus. Confira:

  • Amparo / Tiradentes: indo até o campo, devido a queda da rua.
  • Alto do Catete: suspensa por conta da lama na estrada.
  • Bairro Novo: manobrando até o local da antiga manobra.
  • Colonial 61: indo até a ponte branca, por conta de buraco na estrada.
  • Cordoeira (micro): indo e voltando pela Vila Guarani, devido a buraco na estrada.
  • Perissê: manobrando na Casa Ypu devido a buracos na Rua Campos Sales.
  • Retiro: manobrando um ponto antes do final, devido a buracos na estrada.
  • Rio Grande de Cima: Está indo até a ponte devido a buracos na estrada.
  • Riograndina via Maringá: manobrando no Armazém. Obras da prefeitura no Maringá.
  • Salinas: indo até o asfalto devido a lama na estrada.
  • Solares: Indo até a ponte devido a buraco no início da subida
  • Vale dos Pinheiros: indo até a Rua Maria José de Andrade Vieira, manobrando em frente ao Refúgio Kampai, devido a queda de rua.

Distrito de Amparo permanece em vigilância constante

Semana passada a equipe de A VOZ DA SERRA foi até o distrito de Amparo para registrar os estragos que a chuva do último dia 22 havia causado. Constatou-se que um trecho da Estrada do Amparo cedeu na altura da curva da morte, e a passagem ficou interditada para ônibus e caminhões. As crateras abertas por conta da força da água deixou, inclusive, alguns moradores sem poder sair de casa com seus veículos.

A razão do problema apontada por moradores e pelos membros do Núcleo de Proteção e Defesa Civil (Nupdec) de Amparo é o bloqueio das sarjetas que impedem que a água da chuva passe por dentro de um sítio. Com isso, toda a água vai para as manilhas que não comportam o volume e desce pela Estrada de Amparo.

Nesta quinta, 2, nossa equipe foi mais adiante para entender e mostrar ao leitor como a situação do distrito está: a um pequeno passo de um colapso geral. Impossibilitados de seguir pela estrada de carro, nossa equipe foi a pé a um dos locais onde somente motocicletas ou pessoas à cavalo conseguem passar. O trecho da Estrada Velha do Amparo estava interditado para passagem de veículos por conta do afundamento da pista e lama.

Pela manhã, um caminhão de uma empresa de telefonia estava no local para realizar manutenção e reestabelecer o sinal que, desde o temporal do dia 22, estava oscilando. O veículo não conseguiu realizar o serviço porque no trajeto, a rua cedeu e o caminhão atolou. Demorou umas duas horas e meia até que um trator que estava a serviço da prefeitura, nas obras de reparo, foi até o local para ajudar a tirar o caminhão que corria sério risco de tombar.

Cerca de 300 metros de onde o caminhão quase tombou, nos deparamos com os pontos cruciais do tormento dos moradores de Amparo: os desvios das sarjetas. Jonnathan Rodrigues e Otavio Machado, membros do Nupdec, mostraram o trecho em que a água é desviada da sarjeta para as manilhas. Segundo eles, as manilhas são pequenas e para resolver a questão seriam necessárias manilhas maiores.

Unidos para resolver

Dentro do Nupdec, cada membro tem uma função específica. Jonnathan, por exemplo, é socorrista, enquanto Otávio tem a missão de fazer aberturas de vias, desobstrução de caminhos, resgate. 

“Aqui cada um une um pouco a sua habilidade. É necessário alguém que possa manejar uma motosserra, alguém que esteja habilitado para operar um trator, uma máquina que possa permitir que equipes de resgate acessem uma área atingida. Quando a Defesa Civil chega aqui, nós repassamos todas as informações e auxiliamos eles, fazendo isolamento de área, abertura de ruas. Também estamos em constante contato com o Corpo de Bombeiros”, explicam.

Elói Schuenk, morador do Loteamento Tiradentes, explicou que o desrespeito com o meio ambiente também é um dos principais motivos para a degradação da localidade. 

“Além do desvio da sarjeta, sabe por que acontece isso, né? Desmatamento e queimada. A água da chuva cai na estrada com uma força muito grande e como não tem nada pra segurar, acaba fazendo esse estrago”.

No local para acompanhar o serviço de reestruturação do distrito, o secretário de Obras, Jeferson Aragão (foto), informou que a prioridade é reparar as vias danificadas pela chuva. 

“Terminando o serviço aqui na curva da morte, a nossa prioridade é ir até a Estrada do Toledo com o maquinário para liberar o trecho e acabar com os buracos que impedem a passagem dos carros. Liberando esse acesso a gente consegue chegar mais à frente e fazer uma obra para captar a água da chuva e impedir que ela chegue até a estrada. Já temos a autorização do proprietário de um dos sítios porque essa obra vai adentrar o terreno dele.. Também realizamos a limpeza dos bueiros que deu uma amenizada na situação. Vou conversar com o prefeito para saber se essas e outras obras no bairro serão feitas com recursos próprios ou com outros recursos, como o do governo federal”.

O secretário também informou que, diante do flagrante de caminhões andando pela região que está interditada para veículos grandes, vai entrar em contato com a secretaria de Ordem e Mobilidade Urbana para que o órgão envie placas ao local e sinalize o trecho onde, no momento, somente carros de passeio podem passar.

Em nota, a prefeitura ressaltou que a continuidade do trabalho está sujeita às condições climáticas, tendo em vista que a incidência de chuvas inviabiliza a execução.

TAGS: Clima