Relembre a trajetória do engenheiro e ex-prefeito

Fundador de dezenas de instituições, numa vida repleta de criações
segunda-feira, 30 de abril de 2018
por Ana Borges (ana.borges@avozdaserra.com.br)
Heródoto: vida profícua
Heródoto: vida profícua

Nascido em 15 de setembro de 1925, no Rio de Janeiro, Heródoto Bento de Mello era viúvo de dona Betty Rodrigues Bento de Mello, falecida em setembro de 2017, com quem foi casado por 70 anos. Desta sólida união, nasceram seis filhos: Heródoto Filho, Ricardo, Marcos, Inês Maria, Cláudio e Mônica. Veja quantas coisas ele fez ao longo da vida:

  • Em 1940, ele concluiu o curso de ciências e letras no Ginásio Municipal de São Joaquim (Lorena, SP); em 1942 fez o curso preparatório de engenharia no Colégio Santo Inácio (RJ) e, em 1946, já era oficial da reserva da Arma de Engenharia do Exército, depois de ter passado pelo Curso Preparatório de Oficiais da Reserva (CPOR). Graduou-se em engenharia civil pela Escola Nacional de Engenharia (antiga Universidade do Brasil, atual UFRJ).
  • Foi nomeado engenheiro da Prefeitura de Nova Friburgo, em 1948, na gestão do prefeito e também engenheiro César Guinle, à época os únicos profissionais da área na cidade. Em 1950 tornou-se sócio-fundador da Sociedade Técnica de Engenharia e Comércio (Sotec), empresa de engenharia civil.
  • Em 1955, foi eleito vereador e neste mandato elaborou, em 1958, o projeto do primeiro Plano Diretor do Município. A partir de 1956 foi sócio-diretor e fundador da Cadima - Casa Distribuidora de Materiais de Construção.
  • Desde 1950, era sócio-fundador do Rotary Clube de Nova Friburgo e em 1959 fundou o Clube de Cinema de Nova Friburgo. Em 1961, criou o Centro de Arte de Nova Friburgo, ocupando a função de diretor-executivo entre 1961/62. Em 1962, Heródoto foi sócio-fundador e diretor da Frimeta - Indústria Friburguense de Metais (até 1987).
  • Em outubro de 1962 foi eleito vice-prefeito, na época em que o voto era desvinculado para os cargos de prefeito e vice. Tomou posse em janeiro de 1963. Em 10 de abril de 1964, assumiu o cargo de prefeito para o mandato que exerceu até 31 de janeiro de 1967.
  • Entre 1967 e 1971, foi diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagens do Estado do Rio de Janeiro (DER-RJ). Em 1970, integrou a Comissão de Planejamento da Grande Niterói, e no mesmo ano respondeu pela Secretaria de Estado de Transportes e Comunicações, acumulando as três funções.
  • Em 1972, foi conselheiro da Acianf e, em 1977, foi eleito presidente do Centro Industrial de Nova Friburgo (Cinf), mesmo ano em que se tornou vice-presidente do Centro Industrial do Rio de Janeiro (Cirj). Em 1978, foi eleito deputado estadual, agraciado com a Medalha do Mérito Industrial, concedida pela Firjan e, em 1984, recebeu o título Amigo da Marinha, pelo 1° Distrito Naval.
  • A partir de 1981, foi eleito e reeleito, sucessivamente, para a presidência da Associação Fribourg-Nova Friburgo. Como tal, incentivou o intercâmbio com o Canton Suíço, dando sequência ao trabalho iniciado, em 1977, pelo irmão Ariosto Bernto de Mello (falecido em 1979).
  • Naquele mesmo ano, chefiou uma delegação de friburguenses no 2° Encontro Comunitário Suíço Brasileiro, que visitou a Suíça, participando das celebrações do 5º centenário do ingresso do Canton de Fribourg na Confederação Helvética.
  • Em 1985, recebeu a Medalha Cavalheiro da Ordem do Mérito da República Italiana e, em 1987, foi agraciado com a medalha Mérito Tamandaré, concedida pela Marinha de Guerra do Brasil.
  • Desde 1989 era presidente de honra da Sociedade Musical Beneficente Campesina Friburguense, da qual foi também sócio benemérito.
  • Em 2007, juntamente com um grupo de representantes comunitários, através de suas entidades organizadas, instalou o Comitê Gestor do Movimento 'Nova Friburgo 200 Anos' e sua secretaria executiva, responsável pela mobilização de instituições e pessoas interessadas na conscientização e melhoria do município, com a missão de preparar a cidade, nos próximos 10 anos, para o bicentenário de sua fundação.
  • Em outubro de 2008, foi eleito para o seu quarto mandato como prefeito de Nova Friburgo, cargo que exerceu até 2010, do qual se afastou após acidente na Suíça.

O jornalista Girlan Guilland lembra que em 2017 ele foi agraciado com a Comenda Barão de Nova Friburgo, pela Câmara Municipal de Nova Friburgo. “No início daquele ano, procurei pessoalmente o presidente Alexandre Cruz e sugeri que fizesse a homenagem; ele acatou na hora. Acho que foi uma bela oportunidade. Teve vereador que queria deixar para esse ano... agora, seria, então,  um mero tributo póstumo”, revelou, emocionado.

O ex-prefeito faleceu em casa, na madrugada de domingo, 29, em Londrina, no Paraná, onde viveu seus últimos anos, ao lado da esposa dona Betty, acompanhado pela filha, Inês, e pelo genro Fernando. Seu corpo será cremado na cidade paranaense.

LEIA AQUI A NOTíCIA DA MORTE

 

TAGS: obituário