Obras no Comperj estão com vagas abertas

Empresa que constrói unidade de processamento de gás natural está recebendo currículos por e-mail
quinta-feira, 06 de setembro de 2018
por Alerrandre Barros (alerrandre@avozdaserra.com.br)
Obras no Comperj estão com vagas abertas

A Kerui-Método, que dá continuidade às obras da Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN) do Comperj, o complexo petroquímico da Petrobras em Itaboraí, na Região Metropolitana, está recebendo currículos de profissionais da Região Serrana. Há vagas para construção, transporte e serviços gerais. Confira a lista abaixo. Os currículos devem ser enviados para o email curriculo@kerui-metodo.com.br. O candidato deve escrever o nome do cargo de interesse no assunto do email.

“A empresa tem priorizado a contratação de mão de obra direta dos municípios do Consórcio Intermunicipal dos Municípios do Leste Fluminense (Conleste). Até esta segunda-feira, 3, o projeto conta com 100% de mão de obra direta da região do Conleste, sendo 71% do munícipio de Itaboraí”, informou a Kerui-Método em nota. Nova Friburgo faz parte do Conleste junto com outras 14 cidades vizinhas.

As obras no Comperj foram retomadas em agosto, e, de acordo com a Petrobras, três mil profissionais devem ser contratados para trabalhar na UPGN até o fim do ano. A unidade será a maior do país, com capacidade para processar 21 milhões de metros cúbicos de gás do pré-sal por dia. A obra deve ser concluída em 2020 e irá ampliar a infraestrutura de escoamento e processamento de gás do pré-sal da Bacia de Santos, que passará de 23 milhões para 44 milhões de metros cúbicos por dia, e contribuirá, segundo a Petrobras, para reduzir a necessidade de importação de gás natural.

Os serviços são realizados pela empresa chinesa Shandong Kerui Petroleum e pela brasileira Método Engenharia, que formaram a sociedade Kerui-Método, criada para completar a construção do projeto que foi interrompido com 30% do espaço físico concluídos. O contrato com a Petrobras tem o valor de aproximadamente R$ 1,95 bilhão.

Obras paradas há três anos

Paralisada em 2015, a construção do Comperj ocorreu em meio aos escândalos de corrupção na Petrobras revelados pela Operação Lava Jato. A queda no preço do barril de petróleo no mercado internacional, de US$ 100 para US$ 40, também provocou a interrupção do projeto. Houve demissões em massa. No auge das obras no complexo, as empresas chegaram a contratar 32 mil trabalhadores. Itaboraí entrou em decadência econômica e viu a violência aumentar.

Para o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Empregados nas Empresas de Montagem e Manutenção Industrial do Município de Itaboraí (Sintramon), Paulo César Quintanilha, a perda de empregos com a paralisação das obras no Comperj foi imensa para o município. Embora reconheça que a retomada da UPGN seja positiva, são necessárias mais de cinco mil vagas diretas para suprir a demanda.

“Para o estado o número de vagas oferecidas não é suficiente para a demanda dos desempregados que temos aqui. O baque foi muito forte. Para reduzir um pouco o desemprego era necessário pelo menos a criação de dez mil vagas de empregos”, declarou.


Confira as vagas a serem preenchidas:

- Ajudante
- Auxiliar de serviços gerais
- Caldeireiro
- Carpinteiro
- Encarregado
- Eletricista
- Encanador industrial
- Instrumentista
- Lixador
- Maçariqueiro
- Mecânico ajustador
- Mecânico montador
- Montador de andaime
- Motorista
- Motorista de veículos pesados
- Operador de empilhadeira
- Operador de guindaste
- Pedreiro
- Pintor industrial
- Soldador

 

TAGS: Emprego