Mudar para melhorar

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016
por Jornal A Voz da Serra
(Foto: Lúcio Cesar Pereira)
(Foto: Lúcio Cesar Pereira)

UMA BOA notícia a implantação dos cartões eletrônicos nos ônibus e da digitalização da impressão permitindo aos usuários, desde que devidamente cadastrados, ganharem duas horas antes de utilizar um novo coletivo para o segundo trecho, pagando apenas um valor da passagem. Com isto, sai de cena a rodoviária de integração, na Praça Getúlio Vargas, passando os usuários a utilizar também os pontos de ônibus no Centro.

AS OBRAS NO terminal rodoviário Cesar Guinle, iniciadas esta semana, prometem adaptações funcionais, como a remoção das plataformas laterais, o que auxiliará na rapidez para embarque e desembarque de passageiros. Também aliviará o trânsito principalmente na Rua Sete de Setembro, que hoje causa um dos principais gargalos no fluxo de veículos na Praça Getúlio Vargas. 

PORÉM, atualmente já não cabem todos os usuários nos modestos abrigos construídos na cidade no governo do ex-prefeito Paulo Azevedo e que ao longo dos anos só fizeram se deteriorar. Com o fim da integração na rodoviária e o aumento natural de novos circulantes e passageiros, o problema será maior ainda. Com sol ou com chuva.

TRABALHADORES, estudantes, donas de casa, idosos, todos enfim dependem do transporte coletivo e o seu aparato. Os abrigos, assim como as calçadas em seu entorno, fazem parte do conforto do sistema de transporte público. O usuário não pode ficar na chuva quanto a esta questão.

A EXPANSÃO urbana, com a busca de moradias em bairros mais afastados do centro da cidade, aliada ao crescente número de usuários estudantes e trabalhadores, reflete na procura pelo serviço de transporte, o que origina um acúmulo de passageiros em busca da condução, principalmente nos finais do expediente. Tal crescimento exige uma permanente atenção com a qualidade e o conforto nos trajetos.

ALÉM DO natural desconforto pela demora em alguns abrigos, a iluminação, ou a falta dela, é outro fator que provoca as maiores críticas. À noite, sem luz, alguns pontos ficam às escuras pondo em risco a integridade física dos usuários, principalmente nos pontos mais afastados do Centro, como os das avenidas que margeiam o Rio Bengalas.

MEDIDAS de proteção e segurança devem ser adotadas pelo Poder Público, dentro de suas metas de reconstruir a cidade para os seus moradores. A melhoria dos abrigos, oferecendo mais conforto e proteção, é uma atitude que não custa muito aos cofres da municipalidade e possibilita um retorno do investimento à população, que paga um valor expressivo pela passagem de ônibus, além dos tributos.

TAGS: