Morre segunda vítima de homem que incendiou casa em Mury

Alessandra Vaz estava internada em estado grave. Sua amiga, Daniela Mousinho morreu na quarta. Autor do crime está preso
sexta-feira, 11 de outubro de 2019
por Jornal A Voz da Serra
Alessandra Vaz com uma das roupas de suas coleções (Reprodução da web)
Alessandra Vaz com uma das roupas de suas coleções (Reprodução da web)

Morreu nesta sexta-feira, 11, a artista plástica e estilista Alessandra Vaz, de 47 anos, que teve mais de 80% do corpo queimado, após ser trancada em casa com uma amiga pelo ex-companheiro, Rodrigo Marotti, de 30 anos, na última segunda-feira, 7, em Nova Friburgo. Alessandra estava internada no Hospital Unimed. Daniela morreu na quarta-feira, 9. Rodrigo foi preso e confessou o crime.  

O crime chocou Nova Friburgo. Na última segunda-feira, 7, Daniela foi à casa da amiga, no condomínio Parque dos Alpes, no distrito de Mury, e Rodrigo apareceu. Após discutir com Alessandra e agredi-la violentamente, trancou as duas em um cômodo da casa e ateou fogo no imóvel, por volta das 22h30. Vizinhos ouviram os pedidos de socorro e retiraram as duas de dentro da casa. 

As duas mulheres foram levadas pelos bombeiros para o Hospital Municipal Raul Sertã em estado gravíssimo. No dia seguinte, Alessandra foi encaminhada para o Hospital Unimed, na cidade. E Daniela, transferida para o Hospital Estadual Vereador Melchiades Calazans, em Nilópolis, na Baixada Fluminense, referência no tratamento de queimados. 

De acordo com a polícia, logo após incendiar a casa, Rodrigo fugiu no carro de Alessandra. Policiais do 11º BPM foram acionados e realizaram buscas no local, mas o homem só foi encontrado, por volta das 6h, no distrito de Lumiar, após se envolver em um acidente. Ele foi levado para a 151ª DP. Na delegacia, Rodrigo acabou confessando aos agentes que havia ateado fogo à casa. Em depoimento ele afirmou que tinha uma sociedade com Alessandra e foi à casa da vítima cobrar a parte que lhe cabia na sociedade. Rodrigo afirmou que eles discutiram e ele acabou “perdendo a cabeça”. 

Familiares e vizinhos afirmam, entretanto, que Rodrigo e Alessandra mantinham um relacionamento conturbado. Eles estavam em processo de separação e Rodrigo não teria aceitado o fim da relação. Na manhã de quarta-feira, 9, Rodrigo foi levado para um presídio em Benfica, na Zona Norte do Rio. No mesmo dia, o hospital em que Daniela estava internada confirmou a morte dela. A mulher não resistiu às queimaduras em 90% do corpo. 

Segundo a delegada Mariana Thomé, titular Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) de Nova Friburgo, responsável pelo caso, Rodrigo, que inicialmente foi autuado por tentativa de feminicídio e roubo (já que fugiu no carro da ex-companheira, agora, com a morte de Daniela, vai responder por feminicídio, que prevê pena de até 30 anos de prisão. Alessandra continua internada em estado gravíssimo no Hospital Unimed. Ela respira com a ajuda de aparelhos. A artista plástica teve 80% do corpo queimado. O corpo de Daniela será sepultado neste sábado, 12, em João Pessoa, na Paraíba. 

Protesto contra violência

Na última quinta-feira, 10, mais de 200 pessoas se reuniram nas ruas São Pedro Serra, distrito de Nova Friburgo, na última quinta-feira, 10, em um ato pela vida das mulheres e contra a violência doméstica.

O ato intitulado "Basta", foi organizado por um coletivo feminino recém-formado nos distritos de São Pedro da Serra e Lumiar. Moradores fizeram faixas e cartazes e caminharam pelas ruas de São Pedro e sob forte emoção. Muitas mulheres clamaram pelo fim da violência contra as mulheres, pela denúncia aos agressores, por justiça e por uma política de proteção às mulheres mais efetiva.

A caminhada terminou em frente à loja de Alessandra, onde foram depositadas flores, cartazes e feitas orações por Daniela e pela recuperação da Alessandra. Outros atos estão programados para este domingo, 13, no distrito de Lumiar, às 17h, na próxima sexta-feira, 18, também às 17h, em frente ao Centro de Turismo, na Praça Dermeval Barbosa Moreira, no Centro.

Triste estatística 

A morte de Alessandra e Daniela foram os dois primeiros casos de feminicídio registrados este ano em Nova Friburgo, segundo a Deam. No ano passado, não houve ocorrências do tipo no município. Os dados do Instituto de Segurança Pública (ISP) do estado mostram que, em 2018, a delegacia da mulher registrou seis tentativas de feminicídio no município. O último caso consumado havia ocorrido em 2017, segundo o Dossiê da Mulher do ISP. Em 2018, o estado registrou 71 mortes de mulheres causadas por parceiros. 

 

TAGS: crime | fogo