Jarles marca e Frizão bate o Duque de Caxias no Eduardo Guinle

Time volta a campo neste domingo, 11, no Rio, para enfrentar o São Cristóvão
sexta-feira, 09 de junho de 2017
por Vinícius Gastin
Jarles festeja o gol do Frizão pela Série B
Jarles festeja o gol do Frizão pela Série B

Uma noite de encontros, desencontros e reencontros. A volta de Julio Marinho, que fez história no Friburguense, ao Eduardo Guinle, assim como Flavinho, que durante tantos anos vestiu a camisa seis; o encontro do Tricolor da Serra com a vitória; e o quase desencontro pelo pique de luz que apagou todo o estádio e pelo atraso do Duque de Caxias, após sofrer com problemas no ônibus na altura de Cachoeiras de Macacu. Quando enfim a bola rolou, melhor para a aplicação e disposição do Friburguense, vitorioso na partida. Jarles marcou o gol que garantiu o 1x0, e quebrou o jejum na competição.

“A gente tira uma carreta das costas, como costumamos dizer no futebol. Nossa equipe fez bons jogos, mas a vitória não estava vindo. A tendência agora é evoluirmos cada vez mais para conseguirmos uma sequência, pois temos uma equipe de qualidade”, avalia o técnico Merica.

O Frizão volta a campo no próximo domingo, 11, para enfrentar o São Cristóvão. A partida acontece no lendário estádio do Olaria, na Rua Bariri, em horário pouco comum: às 10h. Com Marcelo Costa novamente disponível, o clube tenta recuperar Bidu a tempo do duelo. Jarles também passa a ser dúvida.

Contratempos para os dois lados. No caso do Duque de Caxias, que teve apenas uma alteração em relação ao último jogo, os problemas foram extracampo. O ônibus que trazia a equipe da Baixada Fluminense quebrou no meio do caminho, e os jogadores foram resgatados pelo veículo dos juniores na altura do pedágio de Cachoeiras de Macacu, chegando ao estádio cinco minutos antes do horário de início do jogo. No caso do Friburguense, Bidu e Marcelo Costa não estavam disponíveis, e deram lugar a Roberto Junior – que, enfim, fez a estreia em seu retorno – e a Rodrigo na lateral direita, deslocando Sergio Gomes para a cabeça de área.

Problemas para um lado, para outro... E para todos. Faltando poucos minutos para a bola rolar, um pique de luz derrubou a energia no Eduardo Guinle, provocando o atraso de quase uma hora. Se a velocidade não foi um dos preceitos que envolveram o pré-jogo, em campo, o Friburguense explorava a rapidez de Jarles e Rodrigo pela direita nos primeiros minutos. Por aquele setor, a equipe forçava as jogadas, embora sem sucesso. Seria, de fato, importante e decisivo mais tarde, mas o primeiro chute a gol aconteceu aos dez minutos através de Jefferson, e para bem longe da meta. Foi dele a tentativa de levantamento na direção de Gleison instantes depois, interceptada pelo goleiro do Duque.

O adversário, recuado, pouco ameaçou o gol de Luiz Felipe nos instantes iniciais. Apenas um chute de média distante, facilmente defendido pelo goleiro tricolor. Quem trabalhou com dificuldades foi Jaime, para impedir o gol de Gleison após boa tabela e infiltração do meia pela esquerda. De fato, era o camisa 10 o melhor do Friburguense em campo. Disposto, aparecia pra jogar e tentava articular os ataques. Mas foi após um lançamento de Bruno que Jarles ganhou de Flavinho (ex-Tricolor), foi ao fundo e bateu cruzado para marcar um belo gol, e colocar o Frizão à frente aos 40 minutos.

Em ritmo menos intenso, o segundo tempo começou apenas morno. Lucas Toledo, em bela jogada individual, tentou esquentar o jogo e quase marcou em uma de suas chegadas à grande área, aos oito minutos. Na defesa, Roberto Junior (muito bem na partida até então) e Bruno mantinham a segurança, e conseguiam parar as investidas do Duque de Caxias. Autor do gol, Jarles deixaria o campo lesionado para dar lugar a Ziquinha aos 17 minutos. Antes do tempo técnico, foi o que de mais importante aconteceu.

O time visitante, um pouco mais com a bola a partir dos 25 minutos, teve dois momentos interessantes em chutes de longa distância. Um à direita da meta, e outro defendido por Luiz Felipe sem dar rebote. A situação, que parecia controlada, ganhou contornos de drama com a expulsão de Roberto Junior aos 28 minutos. Para recompor o sistema defensivo, Merica abriu mão de Lohan e colocou Rafael em campo, recuando Sergio Gomes para a zaga.

As tentativas do Duque esbarravam na aplicação tática e física do Friburguense. Organizado na defesa e marcando forte, a equipe impôs dificuldades aos visitantes desde a construção das jogadas. No entanto, ainda teve emoção com escanteios e cobranças de falta para dentro da grande área tricolor. Todos os lances foram afastados, e nem mesmo os quatro minutos de acréscimo mudaram o resultado da partida. O Friburguense, enfim, venceu o seu primeiro jogo na série B.

Ficha Técnica:

Friburguense 1x0 Duque de Caxias

Campeonato carioca série B 2017

Taça Santos Dumont – 4ª rodada (1º turno)

Estádio Eduardo Guinle, Nova Friburgo-RJ

07/06/2017 – 19h30

 

Árbitro: Daniel Victor Silva

Assistentes: Leonardo Azevedo e Raphael Carneiro

 

Friburguense: Luiz Felipe, Rodrigo, Roberto Junior, Bruno e Gabriel; Sergio Gomes, Lucas Toledo, Jefferson (Jeffinho) e Gleison; Jarles (Ziquinha) e Lohan (Rafael).

Técnico: Merica

 

Duque de Caxias: Jaime; Oziel, Thiago Eleutério, Pedro Henrique e Flavinho; Sassá, Darlan e Marques (Sampaio); Igor Leandro, Nathan e Alex Alcântara (Ramon).

 

Técnico: Julio Marinho

TAGS: futebol | Série B | frizão