IPTU: boleto só pode ser pago duas horas após emissão

Leitores de A VOZ DA SERRA denunciam problemas na identificação do código de barras
quarta-feira, 16 de janeiro de 2019
por Paula Valviesse (paula@avozdaserra.com.br)
Fila na prefeitura para a obtenção de informações sobre o IPTU (Foto: Henrique Pinheiro)
Fila na prefeitura para a obtenção de informações sobre o IPTU (Foto: Henrique Pinheiro)

Depois das dificuldades para acessar os dados e imprimir o boleto de pagamento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) 2019, por conta de um problema no site da Prefeitura de Nova Friburgo na última semana, vários leitores de A VOZ DA SERRA entraram novamente em contato com o jornal para informar que agora não estão conseguindo efetuar o pagamento dos boletos. Isso porque os bancos não reconhecem o código de barras gerado pelo sistema eletrônico da prefeitura.

O prazo para pagamento da primeira parcela do IPTU ou da cota única, com desconto de 8%, é até a próxima segunda-feira, 21. Buscando o desconto, o contribuinte José Espinheiro gerou o boleto e fez uma tentativa de pagamento pelo internet banking nesta terça-feira, 15, sem sucesso. Para sua surpresa, o código não foi aceito, aparecendo a mensagem: “Informações do boleto não encontradas, por favor procure o beneficiário”.

Por e-mail ao jornal (jornal@avozdaserra.com.br ou redacao@avozdaserra.com.br), outros leitores comunicaram estar enfrentando o mesmo problema. Um deles publicou: “Sobre o IPTU de Nova Friburgo, por que o boleto para pagamento à vista com 8% de desconto exibe a mensagem título não encontrado quando tento pagar?”. O beneficiário em questão é o município. De acordo com a prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Finanças, Planejamento, Desenvolvimento Econômico e  Gestão, o problema já foi identificado, sendo orientado então que os contribuintes aguardem um prazo de até duas horas, após a emissão do documento através do site, para efetuar o pagamento dos boletos na rede bancária.

Segundo a administração, essa espera é necessária para que as informações dos boletos sejam cadastradas na plataforma de cobrança das instituições financeiras: “Esse processo pode demandar um curto período de intervalo”, informou a prefeitura.

Boletos impressos em mais locais

Apesar das dificuldades, a Secretaria de Finanças informou que, após avaliar a possibilidade de prorrogar o prazo para pagamento da primeira parcela e da cota única com 8% de desconto, o vencimento permanece agendado para o dia 21. “Identificou-se que não há viabilidade técnica para tal procedimento”, disse a pasta, em nota.  

Para tentar agilizar o atendimento dos contribuintes, a prefeitura decidiu nesta quarta-feira, 16, disponibilizar mais pontos de atendimento para a impressão dos boletos do IPTU 2019. Agora, além da Secretaria de Finanças, que funciona na prefeitura, das 10h às 17h; da Subprefeitura de Conselheiro Paulino, na Rua Pacheco do Almo, no Prado, com atendimento das 8h às 16h; e da Subprefeitura de Olaria, Cônego e Cascatinha, na Rua Vicente Sobrinho, 80, em Olaria, também das 8h às 16h, os contribuintes poderão retirar o documento em outros quatro pontos:

Entre os dias 17 e 31, das 9h às 17h: Sala do Empreendedor, na prefeitura, e no Centro de Turismo, na Praça Dermeval Barbosa Moreira. Já durante os dias úteis deste mês, funcionarão como postos: a Defesa Civil, na antiga Rodoviária Leopoldina, das 7h às 19h; e uma base montada no auditório da Secretaria de Educação, no 3º andar do antigo prédio da Oi, em frente à prefeitura, das 9h às 17h.

Vale destacar que quem optar pelo pagamento em cota única até 20 de fevereiro terá desconto de 4%. Já quem preferir parcelar terá o vencimento da primeira cota na próxima segunda-feira, 21, e as demais 11 parcelas, sem desconto, sempre no dia 20 de cada mês, até dezembro, com exceção dos meses de abril e julho, que terão vencimentos no dia 22, e outubro, no dia 21.

Arrecadação prevista é de R$ 23 milhões

Segundo a prefeitura, esse ano os contribuintes tiveram um aumento de 4% no IPTU. Com esse reajuste, a expectativa do município é de arrecadar aproximadamente R$ 23 milhões com o tributo. O reajuste é referente a correção monetária correspondente à inflação, baseada no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). Contudo, para alguns contribuintes essa correção pode chegar a 12%, isso porque deve ser considerado também o reajuste de 8% que entrou em vigor este ano, com o Código Tributário do Município.

TAGS: impostos