Frizão vence, mas não consegue vaga nas semifinais

Duque de Caxias goleia Artsul e fica com a segunda vaga do grupo B nas semifinais da Taça Santos Dumont, ao lado do Goytacaz
segunda-feira, 03 de julho de 2017
por Vinicius Gastin
Com a vitória, Friburguense confirma bom momento e atinge seis jogos de invencibilidade
Com a vitória, Friburguense confirma bom momento e atinge seis jogos de invencibilidade

Faltou apenas um detalhe. O Friburguense venceu, São Gonçalo e Barra da Tijuca tropeçaram, mas o Duque de Caxias goleou o Artsul e ficou com a segunda vaga do grupo B nas semifinais da Taça Santos Dumont, ao lado do Goytacaz. No entanto, o triunfo por 2x0 do Tricolor da Serra sobre o Serrano – com gols marcados por Ziquinha e Jefferson - no último sábado, 1º, no Eduardo Guinle, leva a equipe a 17 pontos na classificação geral e melhora as condições da equipe para a sequência da competição. São seis jogos de invencibilidade, três vitórias consecutivas e um time cada vez mais encorpado.

O técnico Merica ganha alguns dias para preparar a equipe até a estreia na Taça Corcovado, o segundo turno do campeonato carioca da série B. O adversário será o Queimados, fora de casa, em duelo marcado para o dia15 de julho.

Primeiro tempo morno

A obrigação de vencer e torcer, que se tornou rotina nas últimas rodadas, deu o tom para a missão do Friburguense diante do Serrano. O clássico da serra, no entanto, poderia ter o seu pontapé inicial já com o Tricolor eliminado, por conta do compromisso do São Gonçalo pela manhã. No entanto, os Deuses do futebol resolveram olhar pelo Frizão, como quem parecia premiar a equipe pelo bom momento, pelos cinco jogos de invencibilidade e pela crença nas possibilidades de classificação para as semifinais do primeiro turno até o último momento. Depois do tropeço do São Gonçalo em casa, no 2x2 com o Tigres, era necessário ainda que Barra da Tijuca e Duque de Caxias não vencessem. Contra adversários mais frágeis que o time gonçalense, é verdade. E, claro, era preciso que o Friburguense confirmasse os três pontos em Nova Friburgo.

Em busca de cumprir a etapa que lhe cabia, o Tricolor da Serra começou tentando exercer pressão. Aos cinco minutos, Ziquinha aproveitou rebatida e bateu para a defesa de Felipe, com rebote. Na sequência, Lohan ainda aproveitou, mas não conseguiu finalizar com força. O Tricolor tentava manter a bola, recomeçar quando não encontrava espaços e construir desta forma as jogadas. Mas foi na bola longa, através do lançamento de Roberto Junior, que o Frizão voltou a ameaçar. Sergio Gomes recebeu nas costas da zaga e emendou de primeira, para fora.

O lado direito, de fato, passou a ser mais utilizado pelo Friburguense. As escapadas de Ziquinha eram a aposta para transformar posse de bola e a sensação de domínio em gols. Lohan também teve oportunidade, em cabeçada interceptada em cima da linha pela defesa petropolitana. O Serrano ameaçou pela primeira vez em contra-ataque aos 27 minutos, quando Índio recebeu pela esquerda de ataque e rolou para o meio da área. Marcelo Costa cortou antes que a bola pudesse chegar até o experiente Marcelo, ex-Fluminense e Atlético-PR.

Na mesma moeda, o Tricolor respondeu: Gleison roubou no meio-campo e acionou Lohan. O camisa nove fez o passe para Ziquinha bater, de canhota, para fora. Na melhor chance dos visitantes, o levantamento pelo lado esquerdo cruzou toda a grande área, e sofreu à feição de Jeferson. Gabriel se atirou na bola e evitou o tento. De fato, os lances de perigo surgiam de forma isolada: aos 40, Gleison cobrou falta com força e obrigou Felipe a trabalhar com dificuldade. O primeiro tempo assim terminou: sem gols em Nova Friburgo, com vitória do Duque de Caxias e derrota do Barra da Tijuca.

Gols saem

Para encontrar os espaços na fechada defesa do Serrano, Merica tornou o time ainda mais ofensivo com a entrada de Jefferson na vaga de Marcelo Costa. Bidu foi recuado para a defesa, e o meio-campo passou a ter três jogadores com mais capacidade criativa. O Friburguense manteve a posse de bola, mas a dificuldade de transformá-la em oportunidades se manteve. Sergio Gomes e Gleison tentaram de longe, sem sucesso. Foi a última participação do lateral, inclusive, substituído por Yan aos 15 minutos. Na primeira em que foi acionado, se enroscou com o zagueiro e a torcida pediu pênalti, ignorado pelo árbitro. A persistência deu certo, e aos 19, Gabriel cruzou da esquerda, a bola passou por Lohan e sobrou para Ziquinha completar para as redes. Em um momento de desatenção, a defesa tricolor foi surpreendida, e Jean perdeu gol feito.

 Os espaços apareceram mais para o Friburguense, que quase ampliou aos 29: Ziquinha acionou Yan, que bateu cruzado na direção da pequena área. Lohan, por questão de milésimos, não conseguiu escorar. Aos 37, Gleison descolou belo lançamento para Jefferson, que apenas tocou por cima de Felipe para fazer 2x0. Missão cumprida, e só não executada com maior sucesso devido à goleada do Duque de Caxias sobre o Artsul, por 4x1. Ainda assim, fica a certeza de que o Tricolor da Serra vai entrar forte no segundo turno para brigar pelo acesso.

Ficha técnica

Friburguense 2x0 Serrano

Campeonato carioca série B 2017

Taça Santos Dumont – 11ª rodada (1º turno)

Estádio Eduardo Guinle, Nova Friburgo-RJ

Renda: R$ 4.110,00

Público: 324 pagantes / 212 presentes

01/07/2017 – 15h

 

Árbitro: Rafael Martins de Sá

Assistentes: Ricardo da Silva e Rafael Rosa

 

Friburguense: Luiz Felipe; Sergio Gomes (Yan), Marcelo Costa (Jefferson), Roberto Junior e Gabriel; Bidu, Rafael, Jefinho e Gleison; Ziquinha (Lucas Toledo) e Lohan.

Técnico: Merica

 

Serrano: Felipe, Andrezinho, Zé Carlos, Jeferson e Arthur; Kauer, Roberto Lopes, Jean e Paulista; Índio e Marcelo.

Técnico: Marcelo Olímpio

 

TAGS: futebol serie B | frizão