Frizão e Maricá empatam primeiro duelo pela Copa Rio

Tricolor conseguiu vantagem no placar, mas acabou cedendo o empate no primeiro tempo
quinta-feira, 20 de junho de 2019
por Vinicius Gastin (esportes@avozdaserra.com.br)
Julio Cesar teve trabalho em jogo com intensidade alta e muita luta em Itaboraí
Julio Cesar teve trabalho em jogo com intensidade alta e muita luta em Itaboraí

O Alzirão tem as suas peculiaridades, e o Friburguense as conhece bem. As visitas ao estádio, em Itaboraí, têm sido frequentes nos últimos anos. Foi lá o jogo de ida da primeira fase da Copa Rio, na tarde da última quarta-feira, 19, contra o Maricá. Uma dessas características típicas do estádio é a intensidade do jogo, observada no empate por 1x1 entre as equipes, deixando o confronto totalmente em aberto. Houve muita luta, alguns raros lances de perigo, erros variados e pouca qualidade técnica para apenas 78 torcedores presentes.

O jogo de volta acontece na próxima quarta-feira, 26, às 15h, no Eduardo Guinle. Depois do placar em Itaboraí, o Tricolor depende de uma vitória simples para seguir na competição. Em caso de novo empate, a vaga nas oitavas de final será decidida nos pênaltis.

 “A gente veio com o propósito de ganhar o jogo, mas sabemos que a Série B1 e a Copa Rio são assim mesmo, com partidas truncadas. Fiquei satisfeito com a nossa equipe pela entrega, por ter corrido atrás do placar o tempo todo. Bobeamos ao tomar o gol no final do primeiro tempo, mas a avaliação foi positiva. Não estamos satisfeitos com o começo do Friburguense, e jogamos com a proposta de melhorar para a sequência da temporada. E essa melhora foi nítida. Saímos na frente do placar, levamos o empate, mas faz parte. Vamos virar a chave, levar a disposição para o jogo do final de semana e encarar mais esse desafio”, avalia o capitão Bidu.

Neste sábado, 22, as atenções estarão voltadas para a Série B1 do Campeonato Carioca, onde a equipe precisa vencer para se manter com chances de classificação para as semifinais da Taça Santos Dumont. O adversário é o Barra da Tijuca, em partida que acontece no estádio Aniceto Moscoso, em Madureira, às 15h.

Frizão leva empate no fim

Quatro jogos e apenas um gol marcado em 2019. Além dos ajustes naturais a qualquer equipe montada praticamente do zero, o Friburguense precisava essencialmente reverter esse detalhe negativo para voltar a vencer e buscar os objetivos na temporada. Um deles é a Copa Rio, competição que pode dar ao clube a oportunidade de voltar ao cenário do futebol nacional.

Com praticamente a mesma escalação dos últimos jogos, o Tricolor da Serra chegou com perigo duas vezes em dois minutos, primeiro com Jorge Luiz e depois com Dedé. O atacante, aliás, retornava ao estádio onde sofreu grave lesão nas semifinais da competição no ano passado, contra o Itaboraí. Não só ele, como todo o time do Friburguense sabe que no Alzirão, pelas dimensões reduzidas, os jogos quase sempre são intensos. Nesse contexto, o Frizão era mais perigoso, no embalo da movimentação de Jorge Luiz. Foi ele quem sofreu a falta e cobrou por cima aos dez minutos. A jogada mais perigosa, no entanto, foi a cabeçada de Jhonatan na trave de Afonso.

O Tricolor tinha a posse de bola, mas não era efetivo até os 21 minutos. Nesse exato momento, Jorge Luiz acionou Toshyia, que parou em Julio e por muito pouco não abriu o marcador. Em alta tensão, apesar do baixo nível técnico, o jogo apresentava o Friburguense no ataque e o Maricá apostando em contra golpes. Em alguns deles, Afonso saiu para antecipar aos atacantes adversários. Algo que Julio tentou e não conseguiu aos 37 minutos, quando o Frizão fez o Maricá provar do próprio veneno: Afonso ligou o contra ataque para Jorge Luiz, que acionou Dedé. Na saída do goleiro, o camisa nove descolou o passe e deixou Toshyia na boa para  finalizar e abrir o placar. No último lance do primeiro tempo, aos 47, Luiz Felipe acertou belo chute e empatou o duelo.

Segundo tempo morno

A etapa final começou igualmente movimentada, aberta e intensa. Sem muito brilho técnico, mas com bastante vontade de ambos os lados. Em uma das boas tramas feitas pelo Friburguense, aos oito minutos, Jorge Luiz tentou finalizar e parou na marcação da defesa do Maricá. A equipe mandante explorava o jogo aéreo, e em algumas dessas tentativas, oferecia os espaços para o Tricolor contra atacar. Em uma dessas respostas, Ricardo tentou finalizar, mas foi bloqueado pela zaga.

Os muitos erros de ambos os lados atrapalhavam o processo criativo de ambos os lados. Ao mesmo tempo, proporcionavam oportunidades ao adversário. Aos 23 minutos, após uma saída de bola equivocada do Friburguense, Rodriguinho teve boa chance em cobrança de falta, defendida por Afonso. O goleiro tricolor e o atacante do Maricá tiveram novo duelo pouco depois, e Afonso, após erro de passe, evitou o gol com a ponta dos dedos.

Aos 34 minutos, o técnico Cadão, que já havia colocado Digão e Raniel em campo, fez a opção pela força física do centroavante Vinicius. Com ele, o recurso da bola alta também passou a ser explorado com mais frequência pelo Frizão. Aos 38, Jorge Luiz cobrou falta, a bola passou perigosamente por tudo mundo e se perdeu pela linha de fundo. O Tricolor esboçou uma pressão nos minutos finais, mas não surtiu efeito. A decisão fica para a próxima semana em Nova Friburgo.

 

Ficha Técnica - Maricá 1x1 Friburguense

 

Copa Rio 2019

Primeira fase – Jogo de ida

Estádio Alzirão, Itaboraí-RJ

Renda: R$ 2.000,00

Público: 250 pagantes / 78 presentes

19/06/2019 – 15h

 

Árbitro: Marcio de Almeida Rocha

Assistentes: Marcio de Queiróz e Gilberto Pereira

 

Maricá: Julio; Dreivison, Índio, Victor Silva e Luis Felipe; Maykon, Alex, Bruno e Paulinho Fernandes (Rodriguinho); Jonathan (Badola) e Thiago (Felipe Cruz).

Técnico: Marcus Alexandre Cravo

 

Friburguense: Afonso, Gustavo, Bidu, Julio Cesar e Wallace Camilo (Digão); Damião, Ricardo, João Victor (Raniel) e Jorge Luiz; Toshyia e Dedé (Vinicius).

Técnico: Cadão

TAGS: futebol