Frizão é eliminado da Copa Rio nos pênaltis

Sem competições em vista, Tricolor da Serra só deve voltar a jogar oficialmente em maio de 2019
quinta-feira, 20 de setembro de 2018
por Vinicius Gastin
Dedé é atendido no gramado do Alzirão: cena forte e 14 pontos na coxa do atacante
Dedé é atendido no gramado do Alzirão: cena forte e 14 pontos na coxa do atacante

Uma verdadeira batalha, como era previsto. Adversidades, pressão, expulsão de Lohan, lesão de Dedé. Jogo paralisado por 12 minutos no primeiro tempo exatamente por esse motivo. O Friburguense foi valente para, mesmo com menos um, segurar a derrota por 2x1 no tempo normal na tarde da última quarta-feira, 19, no Alzirão, e levar a decisão da vaga para as penalidades. Sem os principais batedores, o Tricolor da Serra parou em Eduardo e foi eliminado da competição.

A outra semifinal será apenas na quarta-feira que vem, dia 26, pelo fato de Americano e Audax estarem envolvidos também na semifinal da Série B1. O primeiro jogo da final está marcado para o dia 3 de outubro, uma quarta-feira, enquanto o duelo decisivo ainda terá data confirmada. Há a possibilidade de acontecer no sábado, dia 6, ou ainda na quarta-feira seguinte, 10 de outubro. Como os finalistas integram a mesma divisão do futebol estadual, os mandos de campo serão definidos através de sorteio.    

A 90 minutos da final da Copa Rio, bastava ao Friburguense não sofrer gols em Itaboraí. Durante a semana, o técnico Cadão prometeu manter a postura ofensiva, adotada durante toda a temporada, mas sem descuidar da parte defensiva. E o ponto chave desse equilíbrio atende pelo nome de Vitinho, um dos líderes em desarmes e com qualidade suficiente para iniciar as ações ofensivas da equipe. Com o volante em campo, outro pilar do time, o meia Jorge Luiz ganha mais liberdade para aturar próximo a grande área adversária.

Se o Tricolor estava praticamente completo, com Jefinho e Dieguinho recuperados – Toshyia, suspenso, foi o único desfalque -, o Itaboraí não contava com o zagueiro Victor, suspenso. No entanto, o artilheiro Edu foi novamente escalado por Rafael Soriano. Como esperado, o time da casa tentou tomar a iniciativa e pressionar nos minutos iniciais, deixando de lado a tradicional catimba. As cobranças de falta, geralmente demoradas em Nova Friburgo, eram feitas de maneira rápida. Aos nove minutos, o Frizão teve o escape com Ricardo, que demorou a definir o lance. Pouco depois, o lateral participou da trama com Lohan, que parou em Eduardo. Jorge Luiz tentou de longe e levou perigo, assim como o contra ataque puxado por Edu, e afastado por Luiz Felipe.

Assim como Cadão havia prometido, o Friburguense era agressivo com a bola nos pés. Aos 25 minutos, após bate rebate na grande área, por pouco o Tricolor não abriu o placar. No lance, Dedé se envolveu em um choque contra uma moita, no muro da linha de fundo do estádio, lesionou o joelho e a ambulância foi acionada pelo árbitro Rodrigo Carvalhaes de Miranda. Após 12 minutos de paralisação, Murillo foi a escolha para substituí-lo, fechando a marcação no meio-campo e dando maior liberdade a Dieguinho.

O time da casa intensificou a pressão, e alcançou o gol com Bruno Santos, aos 47 minutos corridos, 35 de jogo, no rebote de bola dividida na grande área. Contudo, o Tricolor não se abateu, manteve a postura e poucos instantes depois, aos 52, Lohan sofreu pênalti após ser derrubado por Ronaldo na grande área. O camisa nove cobrou e deixou tudo igual no Alzirão. Ainda antes do intervalo, Luiz Felipe trabalhou bem para manter o empate.

Restavam 45 minutos. E a bola na trave de Jorge Luiz aos cinco minutos, caso tivesse a direção das redes, poderia facilitar a missão do Friburguense. Sem abrir mão do ataque, o Tricolor marcava as descidas dos laterais, e o Itaboraí passou a investir mais nos cruzamentos. Com o gramado de dimensões reduzidas, a bola permanecia viva durante todo o tempo, e exigia o máximo de atenção. De fato, o time comandado por Cadão controlava as ações, e a pressão exercida pela equipe da casa no final do primeiro tempo não existiu nos primeiros minutos. Em um lance isolado, aos 17 minutos, Edu subiu com liberdade e cabeceou para fora. Diego também conseguiu tocar na bola pelo alto pouco depois, mas sem direção. Luiz Felipe também trabalhou no melhor momento da Águia antes do tempo técnico.

Com o Itaboraí mais exposto em busca do gol, os espaços para os contra ataques começaram a surgir. O cenário explica a opção de Cadão pela velocidade de Ziquinha na vaga de Dieguinho. Contudo, a equipe da casa conseguiu marcar o segundo gol aos 26 minutos, em belo chute de Douglas. A partir de então, o contexto tornou-se delicado: um gol seria suficiente para o Frizão, mas também para o Itaboraí. Aos 40 minutos, o drama aumentou com o segundo cartão amarelo para Lohan, expulso de campo. Pouco antes, Marcão havia entrado para reforçar a marcação tricolor. Bem postada, a zaga do Friburguense cortou todas as tentativas adversárias e a vaga na grande final seria definida nos pênaltis.

Luiz Felipe é especialista em penalidades, mas o Friburguense não tinha Lohan e Dedé, cobradores oficiais, respectivamente. Ronaldo converteu o primeiro para o Itaboraí, e o próprio Luiz Felipe empatou a série. Erick Daltro acertou o travessão na segunda cobrança, mas Jefinho parou em Eduardo. Galhardo fez o terceiro a favor do time da casa e Jorge Luiz também converteu. Douglas bateu no centro da meta e marcou para o Itaboraí, e Eduardo defendeu a cobrança de Murillo. Edu teve a chance de fechar a série, mas errou a cavadinha, que parou nas mãos de Luiz Felipe.

A chance de manter o Friburguense vivo estava nos pés do capitão Sérgio Gomes. Mas a tarde era de Eduardo, que defendeu a cobrança e colocou o Itaboraí na final.

Ficha Técnica

Itaboraí 2 (3)x(2) 1 Friburguense

Copa Rio 2018

Semifinal - Jogo de volta

Estádio Alzirão, Itaboraí-RJ

19/09/2018 – 15h

Público: 372 pagantes / 432 presentes

Renda: R$ 4.590,00

Árbitro: Rodrigo Carvalhaes de Miranda

Assistentes: Diogo Silva e Thiago de Oliveira

Itaboraí: Eduardo; Ronaldo, Rodrigão, Diego e Erick Daltro; Gustavo Moura, Junior, Gabriel Galhardo e Nelio; Bruno Santos (Douglas Oliveira) e Edu.

Técnico: Rafael Soriano

Friburguense: Luiz Felipe, Dieguinho (Ziquinha), Sergio Gomes, Bidu e Ricardo; Damião (Marcão), Vitinho, Jefinho e Jorge Luiz; Dedé (Murillo) e Lohan.

Técnico: Cadão

Dedé leva 14 pontos

Além da derrota em Itaboraí, o Friburguense sofreu outra baixa durante a partida. O atacante Dedé acabou furando a perna em um galho ao se chocar com uma moita que fica na linha de fundo do Estádio Alzirão, por volta dos 27 minutos do primeiro tempo. A partida ficou paralisada por cerca de 12 minutos para atendimento ao jogador, retirado de campo pela ambulância.

Segundo testemunhas, o jogador acabou se chocando com a moita, e um galho acabou perfurando a coxa esquerda do jogador aos 27 minutos do primeiro tempo.De acordo com os relatos, o ferimento foi profundo e a cena foi muito "forte". Dedé foi encaminhado para um hospital próximo ao estádio e precisou levar 14 pontos, mas passa "bem".

 

TAGS: futebol