Frizão celebra 38 anos com festa e homenagens

Clube que nasceu da fusão entre Fluminense e Serrano foi o primeiro time profissional, em 1974
terça-feira, 20 de março de 2018
por Jornal A Voz da Serra
Parte do time de 1974, o primeiro profissional do clube, ainda como Fluminense
Parte do time de 1974, o primeiro profissional do clube, ainda como Fluminense

Uma manhã de passeio pela história, reencontro com personagens e reverência a uma trajetória de 38 anos, que se confunde com capítulos importantes ao longo dos 200 anos de Nova Friburgo. Além das quase quatro décadas propriamente ditas, a partir da fusão de Fluminense e Serrano, o Friburguense Atlético Clube celebrou uma outra passagem marcante: o primeiro time profissional, em 1974, ainda como Fluminense.

Alguns ex-jogadores e dirigentes foram homenageados, emocionando a todos em cerimônia no ginásio Helena Deccache no último domingo, 18. A sessão solene contou ainda com a entrega de três títulos de Lauréis a sócios do clube, além da presença de autoridades municipais, à exemplo do prefeito Renato Bravo e do presidente da Câmara de Vereadores, Alexandre Cruz. A solenidade foi encerrada com a execução do hino do Tricolor da Serra pela banda Euterpe Friburguense, convidada de honra para o aniversário do clube.

Com as formalidades tradicionais de uma sessão solene, o evento teve requintes de muitas lembranças. Famílias, personagens, autoridades e toda uma decoração deram o tom da festa, retocada pela participação especial de uma das bandas musicais mais antigas e importantes do Brasil, a Euterpe Friburguense. Um dos primeiros a discursarem, o presidente Wagner Faria fez um breve passeio pela história do Tricolor da Serra, e exaltou também o ano do bicentenário de Nova Friburgo.

"Não podemos deixar de falar sobre os 200 anos de Nova Friburgo, da qual nós temos sempre que nos orgulharmos muito. Temos que perpetuar a nossa história, que nunca pode passar. Ela começa lá no início do século 20, com o futebol amador, e vem até os dias atuais", destaca.

Na sequência, três pessoas que compõem o quadro associativo do clube receberam títulos de Lauréis. Hideraldo Santarém, representado pelo irmão Deninho, fez parte várias equipes do futebol municipal, e participa ativamente da vida política do clube. Outro homenageado com o título de sócio honorário foi Marcos Antônio dos Santos, um dos grandes jogadores da história do clube. Além destes, um dos funcionários mais antigos, respeitados e queridos do Friburguense, Antônio Carvalho da Fonseca, foi agraciado.

Um grupo de beneméritos também fez parte da programação de homenagens, por conta dos tantos anos de participação e dedicação ao clube, inclusive marcando presença em reuniões do Conselho Deliberativo e demais momentos importantes do clube. Nilo, Célio Ivo, Frederico Martins, Benício Valladares, Manoel e Oscar Carlo receberam um troféu como lembrança.

O time de 1974

Um dos momentos marcantes na comemoração pelos 38 anos de Friburguense Atlético Clube foi a lembrança e a reverência ao primeiro time profissional do clube, ainda como Fluminense, em 1974. Carlos Alberto Martins, Roberto Assis, o Bucharel, Augusto Breder, Carlos Alberto Nideck e Daniel Pereira representaram toda uma geração, fundamental para começar a enraizar uma história que continua a ser escrita a cada temporada. E que, para alguns, merece novos parágrafos, à exemplo de uma fusão entre o Friburguense e o Nova Friburgo, assunto recorrente, polêmico e mais uma vez lembrado.

"O importante agora é pensarmos no futuro também, nos unirmos, buscarmos o apoio do município. O que nós fizemos é bonito, fica para sempre, mas é preciso também olhar para frente. Uma fusão seria benéfica para todos, formando um clube mais forte, sem perder o valor da nossa história", sugere Nideck, também ex-presidente do Friburguense e atual vice-presidente de futebol do clube.

Presentes ao evento, duas das maiores autoridades municipais também prestaram homenagens e destacaram a importância e a representatividade do Friburguense para o município. O presidente da Câmara Municipal, Alexandre Cruz, aproveitou a ocasião e fez a entrega de uma moção de louvor, aprovada por unanimidade pelo legislativo municipal.

Já o prefeito Renato Bravo também destacou a importância do clube para a cidade e lembrou a ligação de sua família com o futebol municipal. O prefeito também promete reunir esforços em torno do clube, com o objetivo de minimizar as inúmeras dificuldades que o futebol do Friburguense vem enfrentando, sobretudo financeiras.

"Quando vou a Brasília buscar recursos para Nova Friburgo, são duas as perguntas que eu sempre ouço. A primeira é como está a cidade após a tragédia de 2011, e a segunda, é se o Friburguense vai jogar na primeira divisão do Carioca. Temos que incentivar cada vez mais o esporte, e como poder público ajudar de alguma forma. Vamos estudar uma maneira para isso acontecer", sustentou Bravo.

TAGS: frizão