Friburguenses se queixam da falta de vacinas nos postos de saúde

Prefeitura reconheceu problema técnico na unidade de Conselheiro. Já Ministério da Saúde admitiu problema com distribuição da pentavalente
quinta-feira, 03 de outubro de 2019
por Fernando Moreira (fernando@avozdaserra.com.br)
Friburguenses se queixam da falta de vacinas nos postos de saúde

 

Nos últimos meses o tema vacinação está em evidência no Brasil e no mundo devido a um movimento antivacina que relaciona a imunização com outras doenças. Esse ato irresponsável coloca em risco a proteção individual, além de facilitar a propagação de doenças que podem levar à morte ou a sequelas graves para o resto da vida.

No entanto, devido a um problema na distribuição de vacinas por parte do Ministério da Saúde e falhas estruturais em algumas unidades de saúde de Nova Friburgo, até mesmo quem faz questão de se vacinar não está conseguindo. Segundo denúncia enviada à reportagem de A VOZ DA SERRA por uma leitora que preferiu não se identificar, ela não conseguiu vacinar o filho no posto de saúde Waldir Costa, no distrito de Conselheiro Paulino.

“Já fui várias vezes ao posto de Conselheiro com meu filho de três meses e nunca tem vacina. A geladeira não está funcionando. Muitas pessoas não têm condições de ficar indo todo mês ao posto do Suspiro com criança pequena. Isso é um descaso com o nosso bairro”, se queixou a leitora.

O que diz a prefeitura

Indagada sobre o problema relatado pela leitora, a Secretaria Municipal de Saúde nos respondeu em nota que “a câmara de conservação de vacinas do Posto de Saúde Waldir Costa (em Conselheiro) apresentou um problema técnico e, no dia 20 de setembro, o técnico da empresa Bioténico esteve na unidade e realizou a troca do ventilador da câmara e advertiu a respeito da temperatura da sala de vacina, que está em inconformidade com o manual do fabricante da câmara (a temperatura ambiente deve ser abaixo de 30°)”.

Ainda de acordo com a nota, “neste período as vacinas foram encaminhadas à Policlínica Sylvio Henrique Braune (onde fica o setor de imunização do município), até que se normalize a situação. A empresa Ativa foi a ganhadora do processo licitatório, com recursos de uma emenda parlamentar, para a aquisição de um ar-condicionado. Esta semana, a empresa  já recebeu o empenho, a entrega e a instalação do ar-condicionado acontecerá no máximo de 20 dias”.

Vacina pentavalente em falta

A aposentada Maria Tereza Fernandes Hesse também entrou em contato com a redação de A VOZ DA SERRA para se queixar de um problema relacionado à vacinação. Segundo ela, sua filha já levou o neto de seis meses à Policlínica Sylvio Henrique Braune, no Suspiro, e no posto Tunney Kassuga, em Olaria, em busca da vacina pentavalente, mas não a encontra. Ela conta que já procurou uma clínica particular com a intenção de pagar pela vacina do neto, no entanto, a dose custa R$ 330.

“É uma vacina de extrema importância para o bebê e está em falta. É um absurdo. Fica difícil tirar mais de R$ 300 do orçamento de uma família para pagar uma vacina que deveria ser fornecida de graça à população. É muito complicado”, desabafou Maria Tereza.

Ministério da Saúde reconhece o problema

O Ministério da Saúde afirmou que o abastecimento está parcialmente interrompido desde julho, quando lotes da pentavalente recebidos do laboratório indiano Biologicals foram reprovados pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária. O ministério pediu reposição do fornecimento à Organização Pan-Americana da Saúde. No entanto, esclarece que não há disponibilidade imediata da vacina pentavalente no mundo todo.

 

TAGS: vacina | saúde