Friburgo começa a contar com tratamento de câncer em 2019

Credenciamento junto ao Ministério da Saúde para Hospital da Unimed realizar quimioterapia pelo SUS já está em fase final
sábado, 08 de dezembro de 2018
por Paula Valviesse (paula@avozdaserra.com.br)
O Hospital da Unimed, unidade que está para ser credenciada (Arquivo AVS)
O Hospital da Unimed, unidade que está para ser credenciada (Arquivo AVS)

 

O convênio entre a Prefeitura de Nova Friburgo e a cooperativa de saúde Unimed para atendimento de pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) em tratamento oncológico de combate ao câncer na unidade da saúde privada está mais perto de se tornar realidade. O credenciamento necessário, junto ao Ministério da Saúde, está em fase final de apresentação da documentação, segundo a secretária municipal de Saúde, Tânia Trilha.

Ainda não há previsão de quando os pacientes com câncer poderão realizar o tratamento no próprio município, no Hospital Unimed, na Chácara do Paraíso, mas a expectativa da secretária é que esse grnade sonho dos pacientes se torne realidade ainda no  primeiro semestre de 2019. A parceria permitirá que os pacientes que necessitam ser submetidos a quimioterapia recebam a medicação em Friburgo. A Unimed já oferece esse tratamento na rede privada.

“Protocolamos na Superintendência de Atenção Especializada, Controle e Avaliação [no Rio de Janeiro, órgão que valida esse tipo de parceria] um processo para credenciar e habilitar a Unimed a prestar serviços de oncologia com recursos do SUS. Juntamos toda a documentação, inclusive a unidade inclui seus documentos também e essa primeira etapa já foi aprovada. O processo já está muito avançado, praticamente a entrega de documentações e questionários mais técnicos que foram solicitados. É a última fase”, explica Tânia, acrescentando que finalizada a parte burocrática, deverá ser realizada apenas a vistoria da unidade para que o pedido de aprovação seja encaminhado ao Ministério da Saúde.

Para Tânia, o prazo estipulado para que os tratamentos sejam iniciados inclui uma margem, em função da mudança de governo, mas a indicação é de que tão logo o pedido seja encaminhado ao Ministério da Saúde, ocorra a aprovação: “Estamos em fase de transição no governo federal, por isso, ainda deverá levar algum tempo para que os novos secretários e ministros se ajustem e tomem ciência do nosso pedido de credenciamento. Mas estamos fazendo o possível para acelerar esse processo. É um compromisso do prefeito Renato Bravo e, com certeza, o ministério vai aprovar”, afirma a secretária.

Primeiro tratamento oferecido será de quimioterapia

“São 120 pessoas por dia que vão fazer tratamento de câncer no Rio de Janeiro e em Teresópolis. E essas pessoas saem daqui cedo e ainda precisam esperar que todos terminem as suas sessões e consultas para depois regressar ao município, porque o transporte só pode voltar quando todos forem atendidos. É muita sofrida essa espera”, pondera Tânia Trilha. Segundo ela, a maioria dos casos de tratamento dos pacientes cadastrados para transporte são para quimioterapia. Quanto às cirurgias oncológicas, algumas já são realizadas no Hospital Municipal Raul Sertã, como as de câncer de mama e de útero, mas as demais especialidades permanecerão sendo feitas no Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), no Rio de Janeiro.

“Existem, por exemplo, cirurgias de cabeça e pescoço, que não temos aqui no município, porque é preciso um profissional específico. Ou seja, para esse tipo de procedimento é melhor que o paciente seja encaminhado para um hospital de referência. Assim como Nova Friburgo é referência no tratamento de tuberculose, o Inca é o de cirurgia de câncer, que está regulado pelo SUS para tal”, esclarece a secretária.

Sendo assim, Tânia Trilha garante que, mesmo com a formalização da parceria, o município continuará oferecendo o transporte fora de domicílio aos pacientes com câncer que necessitarem de cirurgias e outros atendimentos mais específicos. Além disso, ela diz que espera em breve ampliar essa parceria com a oferta do tratamento de radioterapia, mas que para isso será necessário um novo projeto, já que a rádio exige um aparelho específico e também mais espaço.

Economia em transporte será superior a R$ 700 mil

A oferta de tratamento no município resulta em um outro fator: economia dos valores gastos com o transporte dos pacientes. Segundo a secretária, a estimativa é de que por mês sejam gastos aproximadamente R$ 60 mil somente para levar os pacientes ao Inca. E o planejamento é de que esse dinheiro seja investido em outras áreas.

“Sendo feito o tratamento em Nova Friburgo, o próprio paciente tem autonomia para ir ao local fazer o tratamento. Não teremos mais o tempo de espera, porque às vezes o paciente é atendido às 14h e precisa esperar o outro que está marcado para às 17h. E também conseguiremos economizar e esse valor pode ser de cerca de R$ 720 mil, que retornarão para serem investidos em outras áreas da saúde”, afirma Tânia.

Isso porque a partir do momento que a Unimed for habilitada para atendimento pelo SUS, os recursos são repassados diretamente, sem intermédio e nem contrapartida do município.
 

TAGS: saúde