Emoção marca noite de homenagens a Martin Nicoulin e Heródoto

Cerimônia no auditório da CDL e do Sincomércio condecorou os dois pilares do intercâmbio Fribourg-Nova Friburgo
sábado, 19 de maio de 2018
por Jornal A Voz da Serra
Martin Nicoulin na homenagem na CDL (Foto: Soraya Enoc/ Divulgação)
Martin Nicoulin na homenagem na CDL (Foto: Soraya Enoc/ Divulgação)

“Uma noite memorável!” Foi com esta frase, muito usada pelo amigo Heródoto Bento de Mello, que o historiador suíço Martin Nicoulin resumiu a solenidade realizada na noite da última quinta-feira, 17, em comemoração aos 200 anos de Nova Friburgo. O evento aconteceu no auditório da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) e do Sindicato do Comércio Varejista (Sincomércio) do município.

Martin e o engenheiro e ex-prefeito Heródoto, falecido recentemente, foram homenageados por suas participações fundamentais no intercâmbio Fribourg-Nova Friburgo, que promoveu a reaproximação entre os povos suíço e friburguense e reforçou os laços históricos e culturais entre as cidades co-irmãs. De acordo com o presidente da CDL e do Sincomércio, Braulio Rezende (na foto, com Martin Nicoulin), várias pessoas colaboraram com a iniciativa – como, Jayme Jaccoud, Raphael Jaccoud e Ariosto Bento de Mello –, mas Martin e Heródoto se tornaram os pilares que sustentaram a integração.

Entre os frutos gerados pelo intercâmbio, estão a formação da Associação Fribourg-Nova Friburgo, a organização dos encontros de 1977 (em Nova Friburgo) e 1981 (no cantão de Fribourg), a construção da Queijaria-Escola e do Museu do Colonizador. Na opinião de Braulio Rezende, a condecoração fez justiça a homens que lançaram “as sementes que floresceram em eventos de congraçamento, amizade e afeto constantemente renovados”.

“Convidamos Martin e desejávamos profundamente trazer o dr. Heródoto para partilhar deste momento conosco. Encomendamos placa para homenageá-lo e chegamos a negociar a viagem dele com a Inês, filha com quem ele viveu os últimos anos em Londrina, Paraná. Mas o médico desaconselhou o deslocamento por avião. Poucas semanas depois, no dia 29 de abril, ele faleceu. Dr. Heródoto não está aqui fisicamente, mas está entre nós. Podemos sentir a presença dele hoje”, ressaltou emocionado o presidente da CDL e Sincomércio.

Durante o evento, Martin Nicoulin falou sobre sua relação com a cidade desde que a visitou pela primeira vez, há exatos 50 anos. Na ocasião, o historiador desenvolveu uma pesquisa sobre imigração suíça ao Brasil, que deu origem ao livro “A gênese de Nova Friburgo”, publicado em 1973. Martin ainda acentuou em seu discurso que o encontro em 1981 “mudou o cantão de Fribourg”, lembrou as lutas para obter recursos para os projetos da Associação Fribourg-Nova Friburgo e comentou sobre os irmãos Ariosto e Heródoto Bento de Mello.

“Ariosto era um humanista do seu tempo, idealizou aquela viagem fantástica, extraordinária, de 1977 e o lema ‘Fribourg-Nova Friburgo, dois povos, um só coração’. Quando conheci Heródoto, fiquei deslumbrado com a determinação e com o olhar dele. Os olhos de Heródoto mostravam vontade, a luz da inteligência dele, do gênio que ele era, e a luz de uma ternura excepcional”, declarou Martin.

Após divertir os mais de 150 convidados que lotaram o auditório da CDL e do Sincomércio com seus causos e bom humor, Martin Nicoulin confessou um segredo à plateia. “Ontem (16 de maio), assisti ao desfile na Avenida Alberto Braune e fui andando em direção à praça. Passei em frente à igreja matriz, rezei uma Ave Maria para agradecer a Nossa Senhora por ela ter nos dado os dois maiores friburguenses, Ariosto e Heródoto”.

Além de Braulio Rezende e Martin Nicoulin, a mesa da solenidade foi composta pelo presidente da Câmara Municipal, Alexandre Cruz; pelo presidente da Federação do Comércio (Fecomércio) do Estado do Rio de Janeiro, Antonio Florencio de Queiroz Júnior; o presidente da Associação Comercial, Industrial e Agrícola de Nova Friburgo (Acianf), Júlio Cordeiro; o secretário municipal de Cultura, Mário Jorge, representando o prefeito Renato Bravo; a sargento Penna, representando o comandante do 11ºBPM, coronel Eduardo Vaz Castelano; e  Marcos André, representando o diretor do Sanatório Naval, capitão de fragata José Roberto Corrêa Macedo.

“Descobri nesta cidade um sentimento de pertencimento. Todos são donos de Nova Friburgo, demonstram amor por ela, cuidam dela, por isso a cidade é grande”, afirmou o presidente da Fecomércio, Antonio Queiroz. Também compareceram à cerimônia os vereadores Professor Pierre, Vanderléia Lima, Sérgio Louback e Luiz Carlos Neves, membros da imprensa, como a diretora de A VOZ DA SERRA, Adriana Ventura, e das colônias de imigrantes, empresários do comércio e diretores da CDL e do Sincomércio. Além de Madalena e Cecília, filhas de Ariosto (foto acima), os filhos de Heródoto, Inês, Mônica, Ricardo e Cláudio, o genro Fernando de Barros, a nora Margarida e o neto Rodrigo (foto abaixo).

Em nome da família, Mônica agradeceu a Martin Nicoulin pelo carinho com o pai e a Braulio Rezende pela homenagem. “Meu pai era uma pessoa especial, que tinha inúmeras qualidades que marcaram seus filhos, como amor, dedicação, honestidade, correção, solidariedade, cidadania, garra e coragem. Ele e minha mãe nos ensinaram a vida inteira não apenas com palavras, mas com exemplos. Meu pai amava Nova Friburgo e vibrava com tudo que se referia a esta cidade”, concluiu.

TAGS: 200 anos