Dia do Capoeirista - 03 de Agosto

Luta e arte que se misturam
sábado, 03 de agosto de 2019
por Jornal A Voz da Serra
Dia do Capoeirista - 03 de Agosto
A capoeira teve origem na época da escravidão no Brasil, quando negros eram capturados e trazidos da África para trabalhar nos engenhos de cana-de-açúcar, fazendas de café, roças e casas dos senhores, em condições desumanas. Foi a partir daí que a capoeira se tornou uma forma de luta e resistência, adaptando os movimentos para parecer uma dança e assim não despertar suspeitas. O formato foi adquirindo o jeito como a conhecemos hoje, isto é, gingada. Atualmente, há muitas formas de jogar capoeira, e a mais tradicional preserva as raízes africanas, como a capoeira angola na Bahia.

Capoeira é gingado, dança, expressão artística e luta. Movimentos misturados que representam uma parte importante da história do povo negro no Brasil, em uma integração de habilidade, força e respeito que se tornou patrimônio cultural imaterial brasileiro
O capoeirista - cuja data dedicada a ele é neste 3 de agosto - desenvolve as duas linguagens rítmicas com a mesma capacidade, já que a  capoeira se divide em duas correntes: angolana e regional. A angolana, mais lenta e cadenciada, e a regional, mais rápida, marcada por sequência de golpes. Ele aprende a trabalhar diversas facetas da capoeira, já que a luta é uma mistura de expressões, tais como arte, dança, jogo e exercício acrobático, controle e consciência corporal, resistência, força, criatividade e flexibilidade. O primeiro canto é, geralmente, entoado pelo capoeirista mais antigo roda, que logo é acompanhado por berimbaus, atabaques, ganzás, agogôs e pandeiros.  

No entanto, a capoeira era proibida no Brasil até meados do século 20. Essa luta misturada com arte, expressão das raízes negras não era bem vista antigamente, sendo considerada perigosa e sua prática um crime. Após anos, os capoeiristas se viram livres para praticá-la e hoje, a luta imersa em movimentos de dança é reconhecida e respeitada. O atabaque, berimbau e agogô são os instrumentos que ditam o ritmo característico que envolve dois parceiros, que de acordo com o toque do berimbau, executam movimentos de ataque, defesa e esquiva. A simulação da luta é mais uma característica clara de que para jogar capoeira, é necessário mais do que apenas habilidade e força, mas também respeito mútuo e integração com todos os componentes. 

Movimentos contam história

Os movimentos ritmados são responsáveis por manter o corpo relaxado e o gingado é a base da capoeira. Não estar nunca parado é o que deixa a capoeira ainda mais bonita de assistir. Passos milimetricamente bem apoiados e giros, o jogo da capoeira é uma dança em meio ao esporte que carrega simbolismo, cultura e história. 

A capoeira é uma representação importante para a história da negritude do país, para a imersão cultural, além de ser um dos principais cartões de visita da cultura brasileira no mundo. Tanta qualificação a levou a ser reconhecida como patrimônio cultural imaterial brasileiro, de acordo com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em 2008. Em novembro de 2014, a Roda de Capoeira recebeu o título de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco).

O significado de um nome

Especulava-se que a capoeira havia surgido na África, mas hoje acredita-se que a tenha nascido realmente no Brasil. A origem da palavra é debatida por estudiosos até hoje: alguns acreditam que a capoeira venha do tupi-guarani caá-puêra, que significa “mato que já foi”. Já na linguagem caipira, capuêra significa mato que nasceu no lugar de outro derrubado ou queimado. O que remete ao tipo de terreno que seria arena das primeiras rodas de capoeira. 

Capoeira é arte, junção de diversidade, manifestações, dança, música, jogo, brincadeira e espiritualidade. Por isso a prática da luta misturada a dança torna-se tão rica e completa. 

TAGS: Capoeira