Da cozinha improvisada para a Nagrelha

Conheça a história de uma das hamburguerias mais gostosas da cidade
sábado, 28 de setembro de 2019
por Guilherme Alt (guilherme@avozdaserra.com.br)
Hambúrgueres do Nagrelha (Fotos de divulgação)
Hambúrgueres do Nagrelha (Fotos de divulgação)

Devagar, devagarinho. Assim começou o Nagrelha. De uma cozinha adaptada, de forma improvisada, dentro de casa, para a loja situada na Rua Prefeito Gustavo Lira, em Olaria. Hoje, os grandes empreendimentos seguem um mesmo roteiro inicial: a busca para sair da crise. Assim surgiu uma das hamburguerias mais requisitadas da cidade. 

O trio animado que compõe a cúpula do estabelecimento formada por Jhonatas Alves da Costa – dono, Aderson Cordeiro (Jones) – sócio, e Gabriela Perpétuo (Gabi) – gerente, conquistou principalmente o paladar dos friburguenses.

No tic-tac do relógio que estava prestes a marcar a hora do almoço, foi difícil prestar atenção nas histórias enquanto só o que se passava pela minha cabeça eram os deliciosos sanduíches com muito bacon, costela, carne, queijo, linguiça, além de batatas fritas e molhos. Um teste de resistência, para quem está de dieta há quatro meses, e com menos 32kg na pança.

Brincadeiras à parte, vamos apresentar agora a história de um trio animado que nos recebeu com muita simpatia, na sede do restaurante:

“Eu sou funcionário do Estado e a gente começou no final de 2017 quando eu estava há alguns meses sem receber meu salário e o Jhonatas, que tinha uma confecção, também estava passando por uma fase difícil. Como a gente costuma fazer muito churrasco e o Jhonatas é o churrasqueiro oficial do grupo, em um Dia dos Pais nós resolvemos fazer hambúrguer na churrasqueira e a ideia deu certo”, contou Jones, que ao passar a bola para Jhonatas, revelou que o teste fatal para dar início ao empreendimento foi com a esposa do amigo.

 “Nessa época estava rolando um festival de Food Truck, no Suspiro. Quando eu cheguei em casa, dei para minha esposa um hambúrguer feito por mim e disse a ela que era do evento. Ela comeu e adorou o sanduíche. Estava validado o negócio”, contou Jhonatas.

Como dito acima, o começo foi improvisado, e na casa de Jhonatas, fizemos as primeiras experiências do Nagrelha. “Éramos cinco pessoas: eu (Anderson), Jhonatas, os pais e a irmã dele. Hoje somos 25. Tudo era feito de forma caseira, literalmente. Como nossa família não tem muita condição, o nosso pontapé inicial foi desse jeito. Foi muito difícil, muita coisa improvisada, mas conseguimos ajeitar o espaço para ficar um ambiente bom pra trabalhar. Antes nós só fazíamos sanduíches para entrega e a nossa base era no Cônego”, recordou Anderson.

A desconfiança do sucesso não rondou apenas os fundadores da Hamburgueria, mas também aquele que seria o grande responsável por levar os hambúrgueres até as residências. 

O começo, em família

“Nós só tínhamos um motoboy e ele nem era entregador, porque o cara que iria fazer os serviços pra gente achou que não ia vingar, pediu desculpas, e disse que não ia fazer as entregas. Então, de forma improvisada, esse amigo nos ajudou. Por isso, demorava muito nas primeiras vezes (risos). Ele não conhecia as ruas, nós não tínhamos noção de logística e fomos aprendendo com o tempo. Hoje, temos sete motoboys só nossos. Estamos neste espaço aqui em Olaria desde maio do ano passado”.

Além de seus pais e irmã, Jhonatas teve mais uma ajuda da família. “Nos primeiros meses eram 10 sabores de hambúrgueres e até o público pegar confiança no nosso trabalho, as saídas eram reduzidas. O nosso primeiro cliente foi o meu irmão. Ele estava de bobeira, queria comer alguma coisa, mandou mensagem pra gente e pediu um sanduíche”, lembrou. No cardápio atual, temos 16 opções de hambúrgueres, mais quatro tipos de batata frita e mais dois tipos de costela como petiscos.

“Nós temos sete sanduíches que estão no cardápio desde o início, mas temos também especiais da semana, além dos temáticos, como o do Dia das Bruxas. Muitos clientes pedem a volta de alguns sanduíches e a gente coloca de volta no cardápio. A nossa variedade é bem grande”, listou Jones.

Sanduíches naturais,  caseiros e frescos

A qualidade da comida é uma das principais preocupações do trio de sócios. Segundo Jhonatas Costa, o Nagrelha tem em sua culinária somente produtos naturais e frescos. “Como não tínhamos experiência, a gente comprava o que dava. Nunca trabalhamos com carne congelada, até porque nós mesmos, quando comíamos, não gostávamos. Então tudo aqui é feito da forma mais natural e caseira, como usar tempero natural, o preparo do pão, os molhos. Era comum no início a gente fechar as entregas poucas horas depois de abrir. Era bom e ruim. Ruim porque a gente queria continuar entregando, e bom porque isso passava realmente a ideia de que a comida era boa. Hoje estamos dando mais um passo que é abrir no horário do almoço, com pratos executivos”.

Inovação no perfil

Gabi, gerente da hamburgueria é muito conhecida pelo sorriso fácil e simpatia. De acordo com ela, os clientes fiéis do restaurante passam a criar uma relação maior do que a de apenas consumidor. 

“Nós criamos um vínculo legal com o cliente. Tem pessoas que pedem quatro vezes na semana, por conta do nosso atendimento. Já tivemos vários casos das pessoas que só vieram pra dar um “oi”, conversar rapidinho. Uma vez, uma cliente veio à nossa loja para nos contar que estava grávida. Ficamos muitos felizes. É uma relação muito maior do que cliente e loja, é mais íntimo”.

“A gente sente que o pessoal é ‘felizão’ aqui e isso é muito importante pra gente”, disse Jhonatas sobre os funcionários. A declaração veio como resposta à nossa pergunta sobre os perfis de contratação para trabalhar no restaurante. Por diversas vezes, quando o estabelecimento precisou ampliar seu quadro de funcionários, os anúncios foram feitos de forma especial, diversa do estabelecido, o que, na visão dos amigos, faz a diferença para o bom relacionamento da equipe. 

“Como eu vou exigir experiência de alguém se nem eu tenho? Por isso, quando anunciamos as vagas de emprego não exigimos experiência. Combinamos que o mais importante era o ambiente e o funcionário estar feliz. Assim que a gente contratasse alguém nós iríamos treinar essa pessoa. Esse anúncio bombou nas redes sociais, recebemos centenas de pessoas aqui. A Gabriela passou por esse processo e ficou seis horas na espera. Às vezes a gente nem olhava o currículo direito, anotava as informações básicas e passava meia hora conversando, querendo saber mais daquela pessoa, porque eles são muito mais do que um currículo”.

“Eram duas vagas, para ajudante de cozinha e atendimento. A primeira não era muito a minha praia, então me candidatei para lidar com o público. Todo mundo que saía da entrevista, saía rindo, e eu pensava ‘Pronto, foi contratado’. Eu quase desisti. Sentamos para conversar e foi isso, um bate papo. Eles viram que eu já era uma cliente. Dois dias depois eles me avisaram que iriam me contratar”, relembrou Gabi, sempre com o sorriso no rosto.

Em expansão

De acordo com o trio, e segundo os motoboys que realizam as entregas exclusivamente para o Nagrelha, o restaurante está no Top3 dos mais procurados. “Valeu muito a pena essa guinada, mas assusta. A gente olha pra trás e vê o nosso início e o quanto mudamos. Quando fazemos reunião, a gente olha a quantidade de pessoas, pelas quais somos, hoje,  responsáveis. Mas ainda temos muitas ideias para continuar melhorando. Agora vamos abrir uma unidade em Cordeiro, que vai atender parte daquela região, sempre mantendo o mesmo perfil”, revelou Jones.

O mesmo perfil, segundo eles, será um espelho da Gabriela. O bom humor e competência foi o diferencial para contratar a gerente. “Olha pra ela. Olha esse sorriso” e nesse momento, Gabi fez uma pose mostrando o real motivo por ter sido a escolhida. 

“Eu queria que a pessoa quando entrasse na loja, desse de cara com o sorriso da Gabi. Ela tem a cara da loja. É a simpatia em forma de pessoa. A competência dela fez com que ela crescesse aqui e hoje seja a nossa gerente. Ela se mostrou capaz de lidar com as situações, uma pessoa de confiança, o mérito é todo dela. O casamento perfeito”, concluíram.

O restaurante, que entrega em todos os bairros da cidade, abre de quarta a domingo, das 11h às 15h para almoço e de 18h às 23h (loja e delivery).

 

TAGS: Gastronomia