CPI da Saúde: primeiros depoimentos serão tomados nesta sexta

Na última reunião, comissão decidiu adiar a data do início de apresentação das testemunhas
terça-feira, 02 de abril de 2019
por Paula Valviesse (paula@avozdaserra.com.br)
CPI da Saúde: primeiros depoimentos serão tomados nesta sexta

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instaurada em setembro do ano passado pela Câmara de Vereadores de Nova Friburgo para investigar os contratos emergenciais de fornecimento de alimentação para os funcionários, pacientes e acompanhantes do Hospital Municipal Raul Sertã marcou para esta sexta-feira, 5, a partir das 9h, a tomada dos primeiros depoimentos. Segundo o vereador Johnny Maycon, presidente da CPI, os primeiros a serem ouvidos serão os nutricionistas da unidade de saúde e da empresa Global.

A comissão investiga os contratos emergenciais firmados entre a prefeitura e a empresa Global Trade Indústria de Alimentação e inicia este mês uma nova fase. Ainda de acordo com o presidente, a apresentação das testemunhas é um dos últimos passos antes da elaboração do relatório final da CPI, que está previsto para ser colocado em votação em maio.

“Ao invés de iniciarmos nesta quarta-feira, 3, na última reunião decidimos marcar os primeiros depoimentos para o dia 5. Neste dia serão ouvidos nutricionistas do hospital e da empresa, só não podemos divulgar os nomes ainda porque não foi possível notificar todas as pessoas. Algumas testemunhas não são mais funcionárias da empresa e não há endereço. Estamos tentando localizá-las e chamá-las para depor”, explica Johnny Maycon.

Mesmo com a mudança, as demais datas anunciadas pelo presidente da comissão em entrevista para A VOZ DA SERRA no dia 22 de março, deverão ser mantidas. Com isso, há previsão de que outras testemunhas, entre elas os os ex-secretários e subsecretários de saúde: Michelle Silvares; Suzane Menezes; e Christiano Huguenin, além da atual secretária de Saúde, Tânia Trilha, que atuou como subsecretária da pasta na gestão de Huguenin, sejam chamados entre os dias  8, 10, 15 e 17.

 

TAGS: saúde | Governo